Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011

PS de Coruche, vota contra moção que exige Serviços de Saúde para os Coruchenses

Comunicado - MIC

 

 

.

 

PS de Coruche, vota contra moção que exige Serviços de Saúde para os Coruchenses

Moção aprovada com os votos do MIC, PSD, CDU e dos presidentes de Junta da Lamarosa, Biscainho e Coruche

 

Os sucessivos governos socialistas governaram o País nos últimos 15 anos. Hoje, estamos a pagar essa pesada factura. Contudo, os militantes socialistas de Coruche, não se limitam apenas e sucessivamente a pedir aos eleitores para votarem em governos liderados pelo Partido Socialista.

O Presidente da Assembleia Municipal de Coruche (AM), José Coelho, exercendo a sua liberdade intelectual e falando da forma honesta que o caracteriza, reconheceu, que o seu Partido (PS) no governo, mentiu e não cumpriu as promessas que fez aos eleitores de Coruche, no âmbito das políticas de saúde. Mas a generalidade dos restantes deputados municipais do partido com maioria na Câmara, estão alinhados com as políticas de precariedade e de esvaziamento das conquistas que foram feitas no último século pelas populações. Revelam solidariedade para com a máquina do partido, mas não revelam solidariedade para com os milhares de pessoas que hoje sofrem no concelho de Coruche, devido às políticas manietadas pelo Largo do Rato.

O futuro é uma incerteza, mas entristece-nos ver que as pessoas que nos representam apenas estão preocupadas com “politiquices”, em defender os Camaradas e não em resolver os problemas da nossa população.
A nossa acção enquanto eleitos na Assembleia Municipal de Coruche, quer-se construtiva, nunca nos batendo pela repetição de chavões, ou pelo simples deitar abaixo do trabalho que é efectuado, apresentamos ideias e congratulamo-nos no silêncio da discrição quando são executadas.
É esta a postura que escolhemos para representar as pessoas que em nós acreditam, quando este executivo faz obra, nós apoiamos, se agir mal também cá estaremos para o denunciar.
Os deputados municipais do MIC na AM, Abel Matos Santos e Gonçalo Ramos Ferreira, denunciaram a forma incompetente, falaciosa, trapalhona e completamente contrária ao interesse das populações, que o governo socialista tem tido em matéria de saúde, com o encerramento das extensões de saúde da Lamarosa e do Biscainho, a falta de material corrente para o correcto funcionamento dos serviços, como a falta de líquido para o Raio X ou a falta de máscaras de aerossóis, juntando a isso o cada vez menor número de médicos no concelho de Coruche e a não abertura do SUB – Serviço de Urgência Básica de Coruche.
A lei criada pelo PS no governo, proíbe a contratação de funcionários públicos, impedindo a contratação directa de médicos, mas permite que se contratem empresas para prestar esses mesmos serviços médicos, criando verdadeiros interesses sorvedores do dinheiro de todos nós, pagando-se 3 a 4 vezes mais às empresas do que ao médico pelo mesmo serviço. Por aqui se vê o desnorte e a incompetência que noutros tempos configuraria um crime de delapidação de dinheiros públicos.
Entendemos também que as direcções do ACES Lezíria II e da Sub-Região de Saúde deveriam demitir-se por manifesta incapacidade de resolverem um problema criado pelo PS.
Ficou também denunciada a falácia de dizer em tempo de eleições que ter uma maioria socialista da cor do governo serviria para mais facilmente trazer para Coruche o que nós precisamos. Foi exactamente o contrário!

Pelas Pessoas, Por Coruche!
MIC

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Centro de Saúde de Coruche com menos um médico de serviço

Um médico do Centro de Saúde de Coruche (CSC) aposentou-se no final de 2010 e há mais 1800 utentes de sede de concelho que passam a não ter médico de família. O clínico passou à reforma por atingir os 60 anos, idade a partir da qual esses profissionais se podem aposentar. Uma situação que vem agravar o já complicado quadro de clínico do CSC, o qual já não conseguia dar resposta aos utentes da freguesia da Lamarosa.

 

A directora do Agrupamento de Centros de Saúde da Lezíria (ACES) II, Luísa Portugal, reconhece que a situação se agrava mas assegura que o máximo que pode fazer é continuar a tentar contratar médicos a empresas de prestação de serviços. Uma tarefa que não tem sido fácil.

 

“A situação é que não há médicos. Temos tentado contratar médicos mas quem está em Lisboa ou Vila Franca de Xira, por exemplo, não quer vir para a Lamarosa ou Coruche, quer ficar mais perto”, refere Luísa Portugal, lembrando que foi possível contratar um médico para prestar serviço no Biscainho.

 

A directora do ACES II diz que também não é solução sobrecarregar os médicos da Unidade de Saúde Familiar do Sorraia, criada no CSC, que passariam a ter mais 1800 utentes para atender.

 

O presidente da Câmara de Coruche, Dionísio Mendes (PS), reuniu-se a semana passada com o presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa de Vale do Tejo, Rui Portugal, mas considera que dessa entidade já não surge qualquer novidade ou capacidade de resposta.

 

“É tempo de passar para outro nível de decisão e já solicitei reunião com o secretário de Estado Adjunto da Saúde. A situação mais premente é a da freguesia da Lamarosa, que dista 20 quilómetros da sede de concelho, onde há muita população idosa, que não tem médico de família. Foram, feitos melhoramentos na extensão e não há médicos. É urgente resolver este problema. Se há empresas de disponibilizam médicos então contratem-se, se não é um problema de dinheiro”, refere Dionísio Mendes.

 

Face ao impasse na colocação de médicos naquela freguesia mas também no arranque do Serviço de Urgência Básico, Dionísio Mendes não admite vir a criar incentivos para esses profissionais de saúde. “Não vamos financiar a saúde, é algo que não faremos. Fala-se na vinda de médicos colombianos, uruguaios. É preciso é que se resolva o problema”, conclui o edil de Coruche.

 

 

Um utente do Centro de Saúde lamentou a O MIRANTE o estado de coisas, quando nem sequer uma credencial ou receitas se consegue obter. “Até final do ano outros médicos ainda passavam essas coisas, depois disso nunca mais. Quem quer um simples atestado, receita ou credencial tem de ir ao médico privado”, salienta o utente.

 

in O Mirante

 

publicado por portuga-coruche às 07:05
link do post | comentar | favorito

PSD de Coruche acusa governo de ataque ao serviço de saúde

A concelhia de Coruche do PSD acusa o governo socialista de estar a atacar o serviço público de saúde como nunca ninguém o fez e aponta como exemplo a política de saúde no concelho. Em comunicado, os sociais-democratas mostram-se solidários com as preocupações e indignação da população face ao que considera serem os exemplos dessa política. É o caso do Serviço de Urgência Básico, onde foram gastos milhares de euros, com abertura várias vezes anunciada e que continua por abrir. “Exigimos um compromisso e um assumir de responsabilidades políticas, ao nível da ARSLVT e do ACES da Lezíria II, e a sua abertura rapidamente/urgentemente”, pode ler-se.

 

O encerramento da extensão de saúde do Biscainho e da de S. José da Lamarosa, esta última onde a autarquia tinha efectuado obras, são casos de perda de serviço. No caso do Biscainho, salienta o PSD, obriga-se os utentes a fazerem mais de 30 quilómetros de ida e volta ao centro de saúde na sede de concelho. No que respeita à Lamarosa, critica-se o desperdício de dinheiro e o facto de a população dessa freguesia continuar sem médico da família.

 

A juntar a essas situações, lembra a concelhia do PSD que os mais pobres e idosos continuam no centro dos ataques da política governamental com o agravamento das taxas moderadoras e fim de algumas isenções, o fim do reembolso do transporte de doentes, redução de comparticipação de medicamentos e o ataque aos direitos dos doentes crónicos, hemodializados e oncológicos.

 

Para o líder da Concelhia do PSD, Francisco Gaspar, esses exemplos de ataque ao Estado Social têm como objectivo a sua “destruição” e garante que o partido não vai tolerar e calar essa “guerra declarada à prestação de cuidados de saúde”. Para isso, convida as restantes forças políticas a juntarem-se à mesma causa e exigir do Ministério da Saúde, da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e do Agrupamento de Centros de Saúde da Lezíria a normalização do acesso à saúde.

 

in O Mirante

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

A menina de Lisboa que chocou Coruche nos anos setenta

Entrevista
Luísa Portugal foi directora do centro de saúde, deputada, autarca e agora gere o ACES da Lezíria II 

 

 

Chegou a Coruche em 1979 e não foi bem recebida apesar de ser casada com um filho da terra. Lisboeta, imagem típica dos anos sessenta com cabelo pela cintura, Luísa Portugal foi motivo de falatório. Impôs-se pelo trabalho. Foi directora do centro de saúde, foi deputada e agora dirige o Agrupamento de Centros de Saúde da Lezíria II, que engloba os Centros de Saúde de Chamusca, Alpiarça, Almeirim, Coruche, Benavente e Salvaterra de Magos e onde trabalham 400 pessoas. Passou de doutora a gestora e diz que gosta.

 

Neste momento é gestora, não é médica. Em vez de medicina devia ter um curso de gestão.

E tenho. Fiz medicina, fiz a especialidade em saúde pública que já dá algumas competências em termos de gestão de saúde e de organização de serviços e depois fiz um curso de gestão no Instituto Nacional de Administração e fiz um curso de gestão na Lusófona, dirigido especificamente para os serviços de saúde.

 

Se soubesse o que sabe hoje, provavelmente tinha ido logo para gestão em vez de tirar medicina.

Acho que estas coisas têm um “timing” em termos profissionais. Acho que me fizeram muito bem os primeiros anos em que fiz medicina directa; fez-me muito bem uma fase a seguir em que olhei a medicina pelo lado da política. E estou preparada neste momento para fazer a gestão. Acho que estou bem assim.

 

Está a gerir um sector muito sensível.

É verdade. É necessária uma sensibilidade especial. Nós não fazemos cadeiras. Nós mexemos com pessoas. Temos pessoas do lado de cá como profissionais e temos pessoas do lado de lá. E a interacção com os dois lados não é a mesma que acontece numa fábrica, por exemplo.

 

Os médicos queixam-se que têm muito do seu tempo ocupado com tarefas burocráticas.

Concordo, mas já não é tanto. Durante muitos anos era pedido ao médico muito do seu tempo em actos que continuam a ser actos médicos. O passar o papel não deixa de ser um acto médico. E por vezes passar um atestado para praticar desporto, por exemplo, era uma oportunidade para fazer alguns exames médicos. Agora, como sabe as pessoas para irem para o ginásio ou para a piscina assumem a responsabilidade. Já não precisam do papel. Por outro lado os serviços estão informatizados. Avançou-se muito.

 

Há médicos que são chamados à atenção por receitarem muito.

Muito e muito caro.

 

Estou a falar mais no muito. Há médicos em meios onde a população é idosa que são confrontados com a quantidade de medicamentos que prescrevem. São pressionados para não receitar.

Nem sempre é assim. É preciso ver com que finalidade é que fazemos isso. A maioria dos médicos não sabe aquilo que prescreve ao fim de um mês e portanto tem que se lhe dar esta informação.

 

O médico sabe que o que passou era o que tinha que passar. Ou não é assim?

Não sei. Nós temos que ver isto tudo em termos de comparação dos colegas uns com os outros e eu dou-lhes esta informação para eles próprios se compararem com os outros. Médicos com o mesmo perfil de doentes, com mesmo número de utentes, com mesmo número de consulta… há uns que gastam ao serviço nacional de saúde três vezes mais que outros. Há qualquer coisa que não está certa.

 

Está a falar a gestora. Por vezes esses parâmetros que citou não são tidos em consideração.

É a sua opinião. Uma coisa é a independência técnica e aí eu não mexo. Agora há uma outra independência que tem que ser partilhada que é a questão dos custos para o Serviço Nacional de Saúde. E aqui eles têm que saber. A caneta do médico é altamente gastadora mas nunca disse a nenhum colega que tinha que receitar menos ou mais. Eu dou-lhe a informação e eles é que a digerem.

 

Os profissionais de saúde estão desmotivados por circunstâncias várias. Por serem menos; por estarem sobrecarregados de trabalho; porque a população descarrega neles as queixas que têm contra o Serviço Nacional de Saúde.

Tal como a nossa população em termos gerais está muito envelhecida, acontece o mesmo com a população médica. A minha média etária no agrupamento ultrapassa os 50 anos. Isto quer dizer que não estou a ter gerações novas para renovar. Neste momento diz-se que há uma reforma em curso e há de facto. Mas os colegas que cá estão já ouviram tantas vezes dizer isso que a coisa já começa a ser mais complicada. Depois a grande escassez de médicos faz com que lhes seja pedido um acréscimo de trabalho, não tenho dúvida. Tenho médicos que têm quase dois mil utentes inscritos quando deviam ter à volta de 1.500. Tenho médicos que para além do seu horário fazem horas extraordinárias e são horas que poderiam ser deles. A média de trabalho dos médicos neste agrupamento é à volta de 40 horas semanais. Alguns ainda fazem noites. Está-se a exigir-se-lhes muito.

 

Muitos estão a optar por se reformarem.

Alguns acham que é o melhor para eles. Tenho esse problema no agrupamento. Tenho cinco médicos com pedido de reforma sendo que no ano passado se reformaram dois. E não consigo substituí-los porque os mais novos não ficam.

 

Qualquer dia os centros de saúde estão a funcionar apenas com recurso a empresas de prestação de serviços.

Já tenho alguns locais em que isso me acontece. Estou preocupada com mais um ou dois locais em que vou ter problemas a breve trecho se as pessoas se reformarem. Um deles é Salvaterra de Magos.

Percebe-se que ao nível da saúde a parte economicista acaba por ter muito mais influência nas decisões do que a parte social e humana.

Não é bem assim. Mas nós em Portugal temos a ideia de que a saúde não se paga. Não é verdade. A saúde paga-se e muito.

 

Há 20 anos houve um surto de construção de instalações que agora estão fechadas.

Mas veja que não havia nada. Há 30 anos quando eu vim para Coruche não havia nem médicos nem equipamentos. Havia uns serviços médico-sociais que eram numa garagem onde se faziam consultas da caixa. Havia um hospital da Misericórdia que funcionava mais como lar porque as pessoas que lá estavam já eram todas acamadas e muito idosas. E não havia mais nada. As coisas são dinâmicas. Quando fui directora do Centro de Saúde de Coruche fiz alguma força para abrir uma extensão na Branca e só não abriu porque não tive médico para lá pôr. Na altura a terra tinha 1.500 utentes e neste momento tem 800. A questão é esta.

 

Coruche era uma terra muito fechada

 

Como foi a sua vinda para Coruche?

Em Coruche fiz política sempre através da medicina. O meu lema era privilegiar os mais necessitados, organizar os serviços de forma a dar-lhes resposta, ter sempre um pé na gestão e um pé na prestação directa.

 

Foi um choque muito grande vir de uma cidade e chegar aqui?

Foi uma decisão muito pensada. Claro que não foi fácil. Havia uma coisa que eu sabia quando estava em Lisboa. Não queria ser médica do hospital. Eu gostava de estar cá fora com as pessoas, não podia tratar de um número de cama. Tinha que tratar da senhora Antónia, do Francisco. Quando fui para a periferia experimentei essa realidade. Mas posso dizer que nos primeiros meses não foi fácil, apesar de ter cá família, de ter os meus filhos e o meu marido.

 

Porquê?

Coruche era um ambiente muito fechado. Eu venho dos anos 60, tenho todos os tiques das pessoas dessa época. Chego a Coruche e sou médica. O ser médica aqui era ser uma pessoa de referência, quer queiramos quer não. Mas eu era uma médica que usava chinelas, que usava saias compridas, que tinha um cabelo até à cintura, que brincava com os filhos no jardim, que ia à praça às compras. Numa primeira fase incomodava-me principalmente a forma como as pessoas me olhavam. Quando vinham à consulta eu era a médica, mas lá fora havia um ar de desconfiança. Ainda por cima eu era nora de uma pessoa muito tradicional e penso que muito querida em Coruche, que era dono de uma mercearia, o Faustino Capaz.

 

O seu marido também veio trabalhar para cá?

Não teve tanta dificuldade mas também não foram só facilidades. Ele foi a primeira pessoa de uma família de referência a andar de sandálias. Um vizinho uma vez disse-lhe que andar de sandálias não era muito próprio, por exemplo.

 

Não pinta o cabelo. É por opção. Por comodismo?

Também. Já tenho cabelos brancos desde os 30 anos, já me habituei. Nunca me preocupei muito com a idade que tenho. Há uns dias que dizemos que gostávamos de ter 30 anos e voltar a fazer não sei o quê. Mas tenho estado bem com a idade que tenho. Os meus melhores anos foram os quarentas, quarentas e muitos. Se calhar porque tinha os filhos crescidos e portanto já podia fazer outras coisas. Tenho dois rapazes e dois netos.

 

É frequentadora das festas de Coruche?

Sou um bocadinho despegada. Gosto de ir à inauguração e de vez em quando passo por lá. Vou ver alguns espectáculos e vou jantar às tasquinhas. Mas sinto que as festas são importantes. Fazem-me sentir que pertenço aqui. Que isto também é meu. Não sou de cá mas sinto-me perfeitamente adaptada.

 

E touradas?

Não sou uma especial aficionada. Se me perguntar se já fui a alguma digo-lhe que fui a duas ou três. Gosto de ir lá para ir ver como é. Sou pouco fundamentalista na maioria das coisas. Sou muito de consenso de discutir as coisas comigo própria. Divirto-me muito com as garraiadas porque acho que as pessoas que estão lá dentro também se divertem. Gosto do cortejo etnográfico, acho que é uma pesquisa importante e que mostra de onde é que Coruche veio. À procissão nunca vou.

 

Há quem não goste da requalificação da zona ribeirinha.

Eu acho que a zona ficou muito melhor. Não tem qualquer comparação. Gosto do espaço. É um espaço que pode ser ocupado de várias formas. É um espaço que deu alguma ordenação ao estacionamento. Ficou bonito. Coruche ficou mais relacionada com o rio. Antes era o rio que se relacionava com a vila. Ele é que vinha até cá quando galgava as margens. Isso foi um benefício enorme para a vila. Coruche não tinha muitos espaços de lazer e de encontro.

 

“O meu Partido do coração é o MÊS”

 

Começou a interessar-se por política quando?

Antes do 25 de Abril houve alguns problemas na minha faculdade. A PIDE chegou a entrar no hospital de Santa Maria. Mas foi já em 1974, quando estava no meu quarto ano. Francamente só a partir do 25 de Abril é que comecei a interessar-me por política. Antes era mais a questão reivindicativa estudantil, as condições de ensino, as condições de trabalho no hospital de Santa Maria.

 

A sua orientação foi logo para o PS?

Não. Entro no PS quando o Ferro Rodrigues se candidata a secretário-geral. Entrei eu e o Vieira da Silva. Comecei no Movimento de Esquerda Socialista. Aliás é o meu único partido pensado. É o meu partido do coração como se costuma dizer. Era um partido que tinha gente de todas as condições, éramos capazes de nos ouvir uns aos outros, de nos tratar mal uns aos outros, de construir coisas em conjunto.

 

Primeiro meteu-se na medicina e depois na política.

Estar organizada em termos políticos só quando surgiu o convite para ir para a Assembleia da República.

 

Entrou na lista de candidatos do PS por causa das quotas das mulheres?

Se calhar foi. Lembro-me que a primeira lista em que concorri, em 1999 fui colocada em quarto lugar porque o PS tinha decidido que havia de ter uma mulher em quarto lugar. Fui convidada e na altura não foi uma coisa que me agradasse muito. Mas depois pensei que se calhar tinha um papel a fazer. O desafio da altura tinha muito a ver com a condição feminina, com o papel das mulheres, com as questões relacionadas com a interrupção voluntária da gravidez. Isso convenceu-me a experimentar. Entrei como independente e só mais tarde é que me filiei.

 

E a experiência como foi?

Não foi fácil. Quando cheguei a maioria das pessoas já lá estavam há muito tempo. Eu conhecia toda a gente e ninguém me conhecia, nem ninguém me falava. Eu sempre achei que era uma técnica na política e portanto não sei falar de tudo, recusava-me a falar de tudo. Podia manifestar algum tipo de opinião mas em termos de intervenção sempre me recusei a falar daquilo de que não sabia o que estava a dizer.

 

Fez sempre os mandatos todos?

Fiz dois mandatos que não chegaram ao fim. O primeiro foi porque o Guterres saiu. O segundo foi porque a Assembleia foi dissolvida no tempo do Santana Lopes. Mas foi muito gratificante. Porque tive as duas experiências. Estive no poder, embora sem maioria absoluta e estive na oposição.

 

Lembra-se da primeira vez que falou no plenário.

Acho que foi uma pergunta ao Governo. Uma pergunta ao governo quando pertencemos ao partido do governo é o mais fácil.

 

Depois fez parte da Assembleia Municipal de Coruche.

Fui desafiada para concorrer a presidente da câmara mas não tenho vocação de autarca executivo. Sou mais para um planeamento mais largo, mais vasto, mais macro. Não tenho características de um trabalho muito local, muito localizado. Gosto de ter horizontes mais largos. Não aceitei mas aceitei a assembleia municipal. Na altura em termos políticos era importante.

 

Do que não gostava na Assembleia Municipal?

Não gostava das pessoas que queriam trazer as polémicas políticas nacionais para o discurso local. Houve um período em que não era bem vista nem pela oposição nem pelo PS, mas quem está a dirigir uma assembleia tem este problema.

 

Tem um discurso muito directo, muito prático. Como é que dava com os jogos de bastidores…

Não me dei muito bem. Costumo dizer que prometo as coisas quando tenho a certeza que sou capaz. Senão digo vamos trabalhar em conjunto para. As coisas que são muito feitas nos bastidores a mim nunca me agradaram muito. E se calhar não é só isso. Para ter o meu percurso pessoal e para ganhar o meu dinheiro nunca precisei de estar por dentro de jogos políticos. E isso deu-me sempre muita liberdade.

 

Há liberdade em Portugal?

Estamos num país em que há liberdade. Não tenho dúvida. Penso que não volta atrás. O que acho é que há muitas pessoas que se auto-censuram. Que não dizem espontaneamente aquilo que poderiam dizer. Ou porque pensam que o emprego está em risco, ou porque não querem arranjar chatices. Isso não quer dizer que o valor liberdade não esteja presente. A liberdade é a escolha. É o poder dizer ou não. Se não puder de todo dizer, aí não tenho liberdade, agora se puder escolher o valor liberdade existe.

 

A boa aluna

 

Nasceu em Lisboa a 16 de Setembro de 1951 e foi lá que passou a infância, a adolescência e parte da idade adulta. Chama-se Portugal e gere um agrupamento de Centros de Saúde mas não tem qualquer relação familiar com Rui Portugal, o actual presidente da Administração de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo. É a mais nova de três irmãs e só foi para medicina porque era muito boa aluna e teve direito a uma bolsa de estudo. E porque começou a trabalhar enquanto estudava. “A minha família não tinha posses para eu estudar. O meu pai era condutor dos eléctricos da Carris. A minha mãe era empregada de limpeza analfabeta. Vivíamos numa zona entre Algés e Linda-a-Velha”.

Enquanto jovem interessou-se por música e fez parte de um coro académico na universidade. “Gostava muito de ter aprendido música mas nunca foi possível. Também gostava de fazer teatro e um pouco mais nova jogava basquetebol, cheguei a ser iniciada no Benfica porque a professora do liceu onde eu estava, que era o liceu de Oeiras, era treinadora no Benfica. Mas foi tudo passageiro”.

 

in O Mirante

publicado por portuga-coruche às 07:15
link do post | comentar | favorito

.Citações Diárias

.Visitantes On-line

.Total de Visitas


Consultar Estatisticas

.Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PS de Coruche, vota contr...

. Centro de Saúde de Coruch...

. PSD de Coruche acusa gove...

. A menina de Lisboa que ch...

.últ. comentários

Sr José Sá, já confirmou a sua tese? Obrigado
Eu uso os produtos da HerbaLife há anos e são fant...
Tudo é muito aberta e muito clara explicação de qu...
Ė e nāo e pouco....
Subscrevo, já cá temos miséria que nos baste, e ge...
Por ser nutricionista e' que fala assim...
http://www.publico.pt/economia/noticia/herbalife-i...
essa empresa foi vendida a eden , que pelo visto a...
Estou para comprar um carro usado num stand de Sal...
VAI SE FERRAR. .INGERI OS COMPRIMIDOS DE MULTIVITA...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abel matos santos

. acidente

. água

. águas do ribatejo

. almeirim

. apanhados

. aquecimento global

. assalto

. autarquia

. benavente

. biscainho

. blogosfera

. bombeiros

. burla

. câmara municipal de coruche

. carina

. cdu

. china

. ciência

. cigana

. ciganos

. clima

. climategate

. cobre

. comboio

. copenhaga

. cortiça

. coruche

. couço

. cp

. crianças

. crime

. criminalidade

. crise

. dai

. david megre

. desaparecida

. desaparecidos

. desemprego

. desporto

. dionísio mendes

. dívida

. douro

. droga

. economia

. edp

. educação

. emigração

. emprego

. energia

. ensino

. escola

. espanha

. etnia

. fajarda

. faleceu

. fascismo

. festas

. finanças

. fmi

. fome

. gnr

. humor

. imperialismo

. impostos

. insólito

. internet

. ipcc

. justiça

. ladrões

. lamarosa

. meteorologia

. mic

. miccoruche

. morte

. música

. phil jones

. pobreza

. política

. pontes

. procura-se

. racismo

. roubo

. santarém

. saúde

. segurança

. sociedade

. sub

. tempo

. ticmais

. toiros

. tourada

. touros

. trabalho

. tráfico

. tribunais

. video

. videos

. violência

. xenofobia

. todas as tags

.links

.Enviem Notícias e Comentários

CONTACTO

greenbit@sapo.pt

.pesquisar

 

.Outro Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds