Quarta-feira, 21 de Abril de 2010

Castigos corporais. Reguadas fazem bons alunos?

Castigos corporais. Reguadas fazem bons alunos

por Kátia Catulo

 

A reguada regressou às escolas do Texas a pedido dos pais. Em Portugal as memórias são demasiado frescas para se defender o mesmo

 

 

Não se passou assim tanto tempo que a palmatória tenha caído no esquecimento colectivo. A professora fria, austera e de régua na mão ainda assombra os pesadelos de muita gente crescida. E está de volta. Não aqui, em Portugal, onde a prática foi proibida em 1993, mas numa cidade de 60 mil habitantes do Texas nos Estados Unidos.Nas 14 escolas públicas de Temple, foram os próprios pais a pedir o regresso da reguada para disciplinar os filhos mais rebeldes. O conselho escolar da cidade votou e aprovou por unanimidade o castigo em Maio do ano passado, que só é aplicado pelo director e em casos considerados graves. Três reguadas na palma da mão é a pena máxima para os que agridem os professores e funcionários, para os que roubam os colegas, para os que são apanhados a assaltar a escola, ou que sejam acusados de bullying.

O castigo, instituído há quase um ano, só foi aplicado uma vez. Bastou para "reduzir drasticamente a violência escolar", explicou ao jornal "Washington Post" Steve Wright, o director do conselho escolar de Temple. O efeito preventivo da palmatória terá sido suficiente para assustar os alunos agressivos e todos estarão satisfeitos: pais, professores e alunos.

Em Portugal não seria bem assim. Só a ideia causa arrepios a uma boa parte dos pais e dos professores do ensino básico e secundário. Não só porque a pedagogia do medo já não tem muito sucesso entre os educadores portugueses, mas principalmente porque a maioria dos adultos ainda se lembra de quando era miúdo e teve de estender a mão à palmatória. A experiência pessoal conta muito para rejeitar a medida adoptada nas escolas do Texas.

Rosário Varela, professora de Português da Escola Secundária Luís Freitas Branco, em Oeiras, guardou um ódio de estimação tão profundo à sua professora primária que até se recusou a comparecer à homenagem que lhe prestaram há uns anos. Maria José Novo, professora do 1.o ciclo na Amadora também se recorda do medo que tinha de errar nas contas de matemática por causa das palmatórias. Fernanda Ramos, presidente da Associação de Pais da Secundária da Ramada (Odivelas), nem se lembra mais porque apanhou "tantas reguadas" na escola. Perante um passado tão tenebroso seria improvável que quisessem copiar a experiência americana.

O que defendem são doses elevadas de diálogo e também muita criatividade para despertar nos alunos o gosto de aprender. É o que dizem todos, sem excepção, mas também confessam que só isso não resolve nada. É a partir deste ponto que começam as queixas. Professores acusam os pais de se demitirem da educação dos seus filhos. Pais criticam os professores por não estarem preparados para lidar com a indisciplina na escola, apesar de admitirem que, em regra, há cada vez mais encarregados de educação "divorciados" da escola, diz Paula Chuço, da associação de pais Agrupamento Vertical de Mora. Só que isso não serve como única justificação: "As crianças são por natureza irrequietas e não basta querer para ser professor." É preciso formação específica, vocação e até o carisma conta para conseguir disciplinar uma turma, defende Paula Chuço. E esforço da parte das famílias, acrescenta Fernanda Ramos, da associação de pais da Secundária da Ramada: "Reconheço, enquanto mãe, um desinteresse dos pais perante a vida escolar dos filhos. Basta ver a adesão quase inexistente deles nas reuniões convocadas pela associação ou pelos professores. Mas também sei que uma mesma turma pode ser indisciplinada com um professor e bem comportada com outro, logo há que procurar saber os motivos dessa diferença."

Que a escola em regra se tornou num "depósito" para os pais com "carreiras exigentes" deixarem os filhos é ponto assente para a professora de Português Rosário Varela Pinto. Que, em muitos casos, são os pais a precisar de "umas boas reguadas" por serem tão "displicentes" é outra "verdade" para Mário Octávio Oliveira, professor de Electrónica da Secundária Luís Freitas Branco. Mas ambos reconhecem que a escola é incapaz de disciplinar os alunos. "As medidas sancionatórias não têm qualquer efeito dissuasor sobre os adolescentes", conta Rosário Pinto. Nem sequer consequências sérias: "A partir do momento que, por exemplo, uma suspensão de um aluno não conta como falta para acumular e para reprovar de ano, que efeito é que uma sansão destas pode ter?"

 

 

 in iOnline

 

O Texas .... se são os adultos a dar os maus exemplos, se a violência e rebeldia são exacerbadas nos media, na TV e no Cinema, é claro que as crianças e jovens também as veneram. Especialmente porque vivemos uma época audiovisual. O Texas é bom exemplo em pouquíssimas coisas e mau exemplo em muitas e está será um deles.

 

Em Portugal o principal problema prende-se não só com a permissividade do sistema disciplinar, mas também com a incapacidade dos pais em se imporem e de, no núcleo familiar, cometerem erros básicos como deixar que os "meninos" se convençam que podem fazer o que querem e sem respeitar seja quem for, que não sofrem quaisquer consequências.

 

Não será nunca a violência que vai acabar com a violência. Até porque isso iria dar umas dicas de como resolver os problemas: "Se os adultos e professores obtém o que querem batendo e punindo fisicamente os outros então é assim que eu também o conseguirei". 

 

É claro que um "par de estalos" ás vezes faz milagres e resolve algumas audácias pela raiz. Contudo não pode ser sistema e ainda por cima é difícil de incluir em qualquer regulamento, pois dificilmente se conseguiria indicar quando é ou não correcto se utilizar e por outro lado como evitar os abusos.

 

Os jovens são por natureza exibicionistas. Ddisputam audácias e gostam de impressionar os colegas com macaquices e como o sistema é permissivo deixa que estes comportamentos se instalem até que chega a altura que tudo passa das marcas mas já é tarde para fazer o que quer que seja.

 

Por outro lado existem alunos que nunca foram obrigados a se autodisciplinar para realizar uma tarefa. Se sempre fizeram em casa o que quiseram e os pais nunca se conseguiram impor porque "carga de água" metendo-os numa sala com alguém que dizem ser professor se vão comportar de forma diferente?

 

Para as situações referidas existem soluções que obrigariam a uma mudança de regras nas escolas, à formação de professares nesse sentido e, possivelmente à criação de um educador dentro da escola que não existe e que lhe caberia a tarefa de identificando os excessos do primeiro caso ou as carências do segundo,  agir em conformidade de modo a corrigir definitivamente a situação.

 

Uma sala de aula só funciona se tiver alunos! Se alguns não querem ou não conseguem ser alunos tem que ser corrigidos, sob pena de não se conseguir ensinar a ninguém. Por causa de um aluno muitas vezes nenhum aprende, logo ninguém consegue ser aluno.

 

publicado por portuga-coruche às 08:30
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 12 de Março de 2010

“Custa acreditar em suicídio”

 

Mirandela: Corpo de Leandro, de 12 anos, continua desaparecido

D.R.
Os últimos passos de Leandro levaram-no em direcção ao rio e à morte. Percorreu mais de um quilómetro entre a Escola Básica 2, 3 Luciano Cordeiro até ao rio. Atirou-se e desapareceu. Nada fazia prever este trágico desfecho
Os últimos passos de Leandro levaram-no em direcção ao rio e à morte. Percorreu mais de um quilómetro entre a Escola Básica 2, 3 Luciano Cordeiro até ao rio. Atirou-se e desapareceu. Nada fazia prever este trágico desfecho

Amália Nunes revive passo a passo os últimos dias do filho Leandro Pires, o menino de 12 anos que há 12 dias se atirou ao rio Tua, e não encontra explicação para a tragédia. "Era uma criança alegre, e até andava entusiasmado com a entrada no rancho da aldeia. Não percebo como é que isto aconteceu. Custa-me acreditar que o meu filho tivesse mesmo vontade de morrer, que pensasse em suicídio", disse ao CM a mulher, tomada pela emoção.

 

O facto de o menino ter tirado a roupa antes de entrar na água leva Amália a pensar que talvez o filho quisesse chamar a atenção. "Naquele momento deveria estar muito revoltado pelo que lhe fizeram na escola, mas nada fazia prever que isto fosse acontecer", afirma.

A única certeza que a mãe do menino tem neste momento é que a única culpada do sucedido é a falta de segurança da escola, porque, segundo a mulher, o porteiro "nunca deveria ter deixado Leandro sair em horário escolar", explica Amália, reforçando a vontade que tem de processar o estabelecimento de ensino.

Para já, a atenção da mulher recai sobretudo em Márcio, o irmão gémeo de Leandro que só voltou esta semana à escola. "Nos primeiros dias faziam-lhes muitas perguntas sobre o irmão e ele ficava um bocado incomodado, mas acho que está a reagir bem", disse a mãe.

Apesar das buscas nas margens do rio Tua continuarem, as esperanças de Amália Nunes vão diminuindo com o passar do tempo. O anseio de fazer um funeral digno ao seu filho também se desvanece. No entanto, ao Correio da Manhã o tenente-coronel Melo Gomes, comandante distrital das Operações de Socorro, afirmou que o bom tempo que se tem feito sentir nos últimos dias aumentou as hipóteses de se encontrar o cadáver do menino.

SUSPENSÃO MAIS RÁPIDA

A suspensão dos alunos agressores será mais rápida e eficaz segundo um decreto-lei que o Ministério da Educação está a preparar de forma a reforçar os poderes dos directores das escolas. Trata-se de uma iniciativa do Governo paralela à revisão do Estatuto do Aluno e deverá estar concluída ainda este mês. A Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas concorda com a medida anunciada ontem pela ministra Isabel Alçada, mas diz que deve ser acompanhada de outras, como uma maior autonomia. "O director deve tratar os casos conforme a realidade da sua escola. Os pais devem ser penalizados pela atitude perante a escola e pelo comportamento dos filhos", defende a associação. Os dados sobre a violência escolar, de acordo com o Ministério, são apresentados até ao início de Abril.




 

Eugénia Pires/A.P.
 
in Correio da Manhã

 

 

É realmente estranho que o menino estivesse perturbado ao ponto de se querer suicidar e ao mesmo tempo preocupado em molhar a roupa. Poderia realmente estar a insinuar apenas, a fazer o que chamamos de "bluff" e assim ter havido um acidente fatal!

De qualquer modo a fazer "bluff" ou com verdadeira intenção esta criança tinha um problema que ao ser ignorado, minimizado ou seja lá o que é que tenha acontecido, criou uma oportunidade para o que aconteceu.

Seria bom que tudo não passasse de um pesadelo ou de uma partida para chamar a atenção, infelizmente até se encontrar a criança ou o corpo nunca se saberá o que realmente aconteceu.

publicado por portuga-coruche às 08:45
link | comentar | favorito

Professor suicida-se cansado da indisciplina dos alunos

 

 

Jorge Paula

Ministério de Educação mandou abrir um inquérito urgente

Professor suicida-se cansado da indisciplina dos alunos

Um professor de música de uma turma do 9º ano da Escola Básica 2.3 de Fitares, Sintra, pôs termo à vida - em Fevereiro - após se ter queixado várias vezes da indisciplina dos seus alunos. O Ministério da Educação anunciou esta sexta-feira que foi aberto um inquérito 'urgente' a este caso.

 

De acordo com os jornais 'Público' e 'I' que divulgam esta sexta-feira o caso, o docente tinha 51 anos, era licenciado em Sociologia e vivia em casa dos pais em Oeiras. No início do ano lectivo foi colocado como professor de música contratado na escola de Fitares, Sintra.

Os problemas de indisciplina com uma turma particular do 9º ano terão começado logo no início do ano e motivou pelo menos sete participações escritas à direcção da escola que nada fez. No dia 9 de Fevereiro deste ano o docente, cansado da indisciplina e humilhação permanente atirou-se ao rio Tejo.

'Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimento, a única solução apaziguadora será o suicídio', lê-se numa das notas do seu diário.

Entretanto esta sexta-feira e após o caso vir a público, o Ministério da Educação afirmou ter aberto um inquérito urgente. Por outro lado, o director regional de Educação de Lisboa, José Joaquim Leitão encontra-se na escola reunido com o conselho executivo.

Por outro lado, alguns pais de alunos que frequentam aquele estabelecimento de ensino e alguns docentes mostraram-se esta manhã indignados com a associação entre o comportamento dos alunos e o suicídio do professor de música. 

 

 

in Correio da Manhã

 

Faltou o apoio que necessitava! Se o professor tinha problemas a escola deveria dar resposta a esses problemas e encaminhar o professor para um apoio médico. Até porque um professor doente não tem condições de dar aulas.

Por outro lado, a indisciplina dos alunos também não deveria ser ignorada e agora já será mais dificil terminar com algo já estabelecido.

 

publicado por portuga-coruche às 08:44
link | comentar | favorito

.Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Castigos corporais. Regua...

. “Custa acreditar em suicí...

. Professor suicida-se cans...

.últ. comentários

Sr José Sá, já confirmou a sua tese? Obrigado
Eu uso os produtos da HerbaLife há anos e são fant...
Tudo é muito aberta e muito clara explicação de qu...
Ė e nāo e pouco....
Subscrevo, já cá temos miséria que nos baste, e ge...
Por ser nutricionista e' que fala assim...
http://www.publico.pt/economia/noticia/herbalife-i...
essa empresa foi vendida a eden , que pelo visto a...
Estou para comprar um carro usado num stand de Sal...
VAI SE FERRAR. .INGERI OS COMPRIMIDOS DE MULTIVITA...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abel matos santos

. acidente

. água

. águas do ribatejo

. almeirim

. apanhados

. aquecimento global

. assalto

. autarquia

. benavente

. biscainho

. blogosfera

. bombeiros

. burla

. câmara municipal de coruche

. carina

. cdu

. china

. ciência

. cigana

. ciganos

. clima

. climategate

. cobre

. comboio

. copenhaga

. cortiça

. coruche

. couço

. cp

. crianças

. crime

. criminalidade

. crise

. dai

. david megre

. desaparecida

. desaparecidos

. desemprego

. desporto

. dionísio mendes

. dívida

. douro

. droga

. economia

. edp

. educação

. emigração

. emprego

. energia

. ensino

. escola

. espanha

. etnia

. fajarda

. faleceu

. fascismo

. festas

. finanças

. fmi

. fome

. gnr

. humor

. imperialismo

. impostos

. insólito

. internet

. ipcc

. justiça

. ladrões

. lamarosa

. meteorologia

. mic

. miccoruche

. morte

. música

. phil jones

. pobreza

. política

. pontes

. procura-se

. racismo

. roubo

. santarém

. saúde

. segurança

. sociedade

. sub

. tempo

. ticmais

. toiros

. tourada

. touros

. trabalho

. tráfico

. tribunais

. video

. videos

. violência

. xenofobia

. todas as tags

.links

.Enviem Notícias e Comentários

CONTACTO

greenbit@sapo.pt

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds