Terça-feira, 20 de Novembro de 2012

Rio lança suspeita de interesses escondidos na Segurança Social

Rui Rio sublinhou ontem que "um poder político desacreditado" está mais vulnerável à influência de interesses privados.

O presidente da Câmara do Porto contou ontem - num colóquio da Faculdade de Economia do Porto sobre "O Estado social ao Estado liberal" - que, em determinada altura da sua vida política, esteve envolvido no estudo de uma reforma da segurança social. Esse esqueleto de reforma nunca chegou a sair do papel. Os motivos? "Nunca os direi, pelo menos enquanto as pessoas envolvidas estiverem vivas".

Nunca se referindo ao que estava em causa nem aos contornos do caso, Rio afirmou apenas que, "se os portugueses soubessem o que se passou" teriam ainda mais motivos que os que já lhes assistem para desconfiarem do papel dos políticos no desenrolar da vida do país. "As pessoas ficariam abismadas", conclui, para não mais se referir ao assunto.

Já antes, na sua intervenção inicial, Rio tinha afirmado que "Temos uma crescente incapacidade política para resolvermos os problemas que temos à frente. E um poder político desacreditado e interesses corporativos mais fortes e capazes de influenciar" a vida de todos, colocando interesses particulares à frente do interesse público.

 

Por António Freitas de Sousa

In Económico

 

publicado por portuga-coruche às 07:07
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

O maior escândalo financeiro da história de Portugal!

Foi a maior burla de sempre em Portugal, qualquer coisa como 9.710.539.940,09 €uros!!!

(paga por todos nós, contribuintes, que não podemos reclamar e sem que nenhum dos conhecidos criminosos tenha sido responsabilizado…)

 

João Marcelino, diretor do Diário de Notícias, de Lisboa, considera que “é o maior escândalo financeiro da história de Portugal. Nunca antes houve um roubo desta dimensão, “tapado” por uma nacionalização que já custou 2.400 milhões de euros delapidados algures entre gestores de fortunas privadas em Gibraltar, empresas do Brasil, offshores de Porto Rico, um oportuno banco de Cabo Verde e a voracidade de uma parte da classe política portuguesa que se aproveitou desta vergonha criada por figuras importantes daquilo que foi o cavaquismo na sua fase executiva”.

O diretor do DN conclui afirmando que este escândalo “é o exemplo máximo da promiscuidade dos decisores políticos e económicos portugueses nos últimos 20 anos e o emblema maior deste terceiro auxílio financeiro internacional em 35 anos de democracia. Justifica plenamente a pergunta que muitos portugueses fazem: se isto é assim à vista de todos, o que não irá por aí?”

 

O BPN foi criado em 1993 com a fusão das sociedades financeiras Soserfin e Norcrédito e era pertença da Sociedade Lusa de Negócios (SLN), que compreendia um universo de empresas transparentes e respeitando todos os requisitos legais, e mais de 90 nebulosas sociedades offshores sediadas em distantes paraísos fiscais como o BPN Cayman, que possibilitava fuga aos impostos e negociatas.

 

O BPN tornou-se conhecido como banco do PSD, proporcionando “colocações” para ex-ministros e secretários de Estado sociais-democratas. O homem forte do banco era José de Oliveira e Costa, que Cavaco Silva foi buscar em 1985 ao Banco de Portugal para ser secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e assumiu a presidência do BPN em 1998, depois de uma passagem pelo Banco Europeu de Investimentos e pelo Finibanco. O braço direito de Oliveira e Costa era Manuel Dias Loureiro, ministro dos Assuntos Parlamentares e Administração Interna nos dois últimos governos de Cavaco Silva e que deve ser mesmo bom (até para fazer falcatruas é preciso talento!), entrou na política em 1992 com quarenta contos e agora tem mais de 400 milhões de euros. Vêm depois os nomes de Daniel Sanches, outro ex-ministro da Administração Interna (no tempo de Santana Lopes) e que foi para o BPN pela mão de Dias Loureiro; de Rui Machete, presidente do Congresso do PSD e dos ex-ministros Amílcar Theias e Arlindo Carvalho.

 

Apesar desta constelação de bem pagos gestores, o BPN faliu. Em 2008, quando as coisas já cheiravam a esturro, Oliveira e Costa deixou a presidência alegando motivos de saúde, foi substituido por Miguel Cadilhe, ministro das Finanças do XI Governo de Cavaco Silva e que denunciou os crimes financeiros cometidos pelas gestões anteriores. O resto da história é mais ou menos conhecido e terminou com o colapso do BPN, sua posterior nacionalização e descoberta de um prejuízo de 1,8 mil milhões de euros, que os contribuintes tiveram que suportar. Que aconteceu ao dinheiro do BPN? Foi aplicado em bons e em maus negócios, multiplicou-se em muitas operações “suspeitas” que geraram lucros e que Oliveira e Costa dividiu generosamente pelos seus homens de confiança em prémios, ordenados, comissões e empréstimos bancários.

 

Não seria o primeiro nem o último banco a falir, mas o governo de Sócrates decidiu intervir e o BPN passou a fazer parte da Caixa Geral de Depósitos, um banco estatal liderado por Faria de Oliveira, outro ex-ministro de Cavaco e membro da comissão de honra da sua recandidatura presidencial, lado a lado com Norberto Rosa, ex-secretário de estado de Cavaco e também hoje na CGD. Outro social-democrata com ligações ao banco é Duarte Lima, ex-líder parlamentar do PSD, que se mantém em prisão preventiva por envolvimento fraudulento com o BPN e também está acusado pela polícia brasileira do assassinato de Rosalina Ribeiro, companheira e uma das herdeiras do milionário Tomé Feteira. Em 2001 comprou a EMKA, uma das offshores do banco por três milhões de euros, tornando-se também accionista do BPN.

 

Em 31 de julho, o ministério das Finanças anunciou a venda do BPN, por 40 milhões de euros, ao BIC, banco angolano de Isabel dos Santos, filha do presidente José Eduardo dos Santos, e de Américo Amorim, que tinha sido o primeiro grande accionista do BPN. O BIC é dirigido por Mira Amaral, que foi ministro nos três governos liderados por Cavaco Silva e é o mais famoso pensionista de Portugal devido à reforma de 18.156 euros por mês que recebe desde 2004, aos 56 anos, apenas por 18 meses como administrador da CGD. O Estado português queria inicialmente 180 milhões de euros pelo BPN, mas o BIC acaba por pagar 40 milhões (menos que a cláusula de rescisão de qualquer craque da bola) e os contribuintes portugueses vão meter ainda mais 550 milhões de euros no banco, além dos 2,4 mil milhões que já lá foram enterrados. O governo suportará também os encargos dos despedimentos de mais de metade dos actuais 1.580 trabalhadores (20 milhões de euros).

 

As relações de Cavaco Silva com antigos dirigentes do BPN foram muito criticadas pelos seus oponentes durante a última campanha das eleições presidenciais. Cavaco Silva defendeu-se dizendo que apenas tinha sido primeiro-ministro de um governo de que faziam parte alguns dos envolvidos neste escândalo. Mas os responsáveis pela maior fraude de sempre em Portugal não foram apenas colaboradores políticos do presidente, tiveram também negócios com ele. Cavaco Silva também beneficiou da especulativa e usurária burla que levou o BPN à falência. Em 2001, ele e a filha compraram (a 1 euro por acção, preço feito por Oliveira e Costa) 255.018 acções da SLN, o grupo detentor do BPN e, em 2003, venderam as acções com um lucro de 140%, mais de 350 mil euros. Por outro lado, Cavaco Silva possui uma casa de férias na Aldeia da Coelha, Albufeira, onde é vizinho de Oliveira e Costa e alguns dos administradores que afundaram o BPN. O valor patrimonial da vivenda é de apenas 199. 469,69 euros e resultou de uma permuta efectuada em 1999 com uma empresa de construção civil de Fernando Fantasia, accionista do BPN e também seu vizinho no aldeamento.

 

Para alguns portugueses são muitas coincidências e alguns mais divertidos consideram que Oliveira e Costa deve ser mesmo bom economista(!!!): Num ano fez as acções de Cavaco e da filha quase triplicarem de valor e, como tal, poderá ser o ministro das Finanças (!!??) certo para salvar Portugal na actual crise económica. Quem sabe, talvez Oliveira e Costa ainda venha a ser condecorado em vez de ir parar à prisão….ah,ah,ah.

 

O julgamento do caso BPN já começou, mas os jornais pouco têm falado nisso. Há 15 arguidos, acusados dos crimes de burla qualificada, falsificação de documentos e fraude fiscal, mas nem sequer se sentam no banco dos réus. Os acusados pediram dispensa de estarem presentes em tribunal e o Ministério Público deferiu os pedidos. Se tivessem roubado 900 euros, o mais certo era estarem atrás das grades, deram descaminho a nove biliões e é um problema político.

 

Nos EUA, Bernard Madoff, autor de uma fraude de 65 biliões de dólares, já está a cumprir 150 anos de prisão, mas os 15 responsáveis pela falência do BPN estão a ser julgados por juízes “condescendentes”, vão apanhar talvez pena suspensa e ficam com o produto do roubo, já que puseram todos os bens em nome dos filhos e netos ou pertencentes a empresas sediadas em paraísos fiscais. Oliveira e Costa colocou as suas propriedades e contas bancárias em nome da mulher, de quem entretanto se divorciou após 42 anos de casamento. Se estivéssemos nos EUA, provavelmente a senhora teria de devolver o dinheiro que o marido ganhou em operações ilegais, mas no Portugal dos brandos costumes talvez isso não aconteça. Dias Loureiro também não tem bens em seu nome. Tem uma fortuna de 400 milhões de euros e o valor máximo das suas contas bancárias são apenas cinco mil euros. Não há dúvida que os protagonistas da fraude do BPN foram meticulosos, preveniram eventuais consequências e seguiram a regra de Brecht: “Melhor do que roubar um banco é fundar um”.

 

in Blog Ironia de Estado

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 4 de Maio de 2012

Uma evidente fraude

Esta semana fui ao Algarve. Numa autoestrada deserta e sem nada para fazer, fui olhando para os painéis informativos dos preços da gasolina. De Lisboa ao Algarve, as marcas variam mas os preços são exatamente iguais. Ao cêntimo.
Esta semana fui ao Algarve. Numa autoestrada deserta e sem nada para fazer, fui olhando para os painéis informativos dos preços da gasolina. De Lisboa ao Algarve, as marcas variam mas os preços são exatamente iguais. Ao cêntimo.

Não é preciso ser especialista da matéria para se perceber que o negócio das gasolinas em Portugal (e não só) é uma fraude. Nada, de técnico ou estrutural, justifica o alinhamento dos preços. A formação do preço da gasolina envolve muitas variáveis a montante e a jusante. Flutuações no mercado das matérias-primas, dimensão das empresas, encargos e situação financeira, existência ou não de grandes stocks, distâncias e transportes, margens, comissões, promoções e tanta coisa mais configuram o complexo cálculo. É, por isso, simplesmente impossível que duas marcas cheguem exatamente ao mesmo preço. Isto é básico.

Apesar desta evidência, a Autoridade da Concorrência tem-se esforçado por demonstrar que não existe cartelização. Atuando mais na defesa das petrolíferas do que na defesa dos consumidores, a AdC deve andar à procura de reuniões secretas, mensagens encriptadas ou encontros de gabardinas no Jardim do Príncipe Real. Mas qualquer pessoa menos influenciada por filmes de intriga e espionagem percebe que as petrolíferas que operam no mercado português simplesmente alinham os preços umas pelas outras. Quando uma sobe ou desce uns cêntimos, as restantes fazem-no na mesma exata medida.

A isto pode não se chamar cartelização. Mas que é uma fraude é. Os preços não são determinados pelo famoso mercado, mas por uma ação concertada que faz com que a gasolina em Portugal seja vendida a um preço muito superior ao que podia e devia ser praticado.

Daqui se constatam algumas coisas triviais. A regulação não funciona, o Estado também não, as organizações da sociedade civil ainda menos. Ninguém, em suma, defende os consumidores desta tão declarada ganância. A única arma, nesta guerra desigual, vai sendo o recurso ao não consumo para os que podem andar de bicicleta ou ficar em casa a ver televisão.

Mas devemos ir mais longe. O "caso" do preço da gasolina em Portugal demonstra que o mercado também não funciona. Recorde-se que o argumento sistemático para a privatização de tudo assenta invariavelmente na ideia de que isso beneficia os consumidores. Em tese, a concorrência entre vários operadores levaria a um acerto por baixo dos preços de serviços e produtos. Não é isso que acontece. Pelo contrário. As empresas de um mesmo setor tendem a constituir-se como uma espécie de super monopólio, o qual, ainda que disseminado, alinha os preços por cima em benefício dos vários intervenientes.

Sendo verdade que a economia de mercado é mais eficiente do que a economia planificada, o resultado para os consumidores não é substancialmente melhor. A lógica da oferta/procura, base do mecanismo de auto-organização do mercado capitalista, tem cada vez menos relevância. Os preços são determinados por componentes subjetivas, por exemplo, relevância das marcas, e por lógicas especulativas que visam o máximo lucro e não a concorrência. A isto acresce uma ativa cumplicidade por parte dos governos e dos organismos de regulação na defesa dos interesses das grandes empresas em prejuízo do cidadão. O desequilíbrio é óbvio. A desregulação clara. Deste modo, nem o mercado livre existe, nem aquilo que existe é um verdadeiro mercado no sentido de existirem várias opções. O consumidor vê-se obrigado a pagar e calar. Ou seja, o modelo mafioso é hoje predominante.

Ora as máfias só se combatem com justiça. É por isso que, mais do que manifestações, queixumes e protestos avulsos, o desvario e desregulação dos mercados devem ser enfrentados nos tribunais como casos de polícia que são. Os presidentes das empresas petrolíferas em Portugal não agem de forma menos perniciosa do que os especuladores financeiros que têm arruinado vidas, economias e países. A sociedade tem o direito e o dever de se defender destas novas formas de agiotagem e extorsão.

 

 

 

 

Por Leonel Moura -  leonel.moura@mail.telepac.pt

in Negócios On-Line

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

Santarém na rota da Máfia

Bombarral: Líder da máfia era conhecido por esbanjar dinheiro

Tráfico de mulheres juntou mafiosos

Sempre rodeado de mulheres bonitas e vistosas, Giovanni Lore, o chefe da máfia siciliana capturado pela PJ de Leiria no Bombarral, foi em busca de parceiros, assim que se instalou no nosso país, para dinamizar o negócio da prostituição que a sua organização desenvolvia em Itália, a par do tráfico de droga e do branqueamento de capitais, entre outros.

  

O bar em Santarém cujo proprietário foi detido pela PJ na mesma altura em que capturou Giovanni Lore

  

Por:Isabel Jordão/Tânia Laranjo

 

Em Santarém, o mafioso italiano conseguiu "estabelecer um contacto" para o seu grupo criminoso, que "ainda estava a instalar-se", disse ao CM fonte policial, adiantando que Giovanni Lore "dava nas vistas" pela forma como "esbanjava dinheiro".

Um dos portugueses detidos pela PJ de Leiria, e que aguarda em liberdade a continuação do primeiro interrogatório no tribunal da cidade, é proprietário de um conhecido bar em Santarém, e o seu envolvimento no grupo criminoso constituiu surpresa para quem o conhece de perto. Apesar dos nossos esforços, não foi possível falar com o arguido.

A técnica e a experiência da organização mafiosa foram também usadas para levar a efeito um sofisticado esquema de burlas que em poucos meses gerou um movimento de meio milhão de euros.

Através da clonagem de empresas com existência legal, o grupo comprava produtos alimentares em grande escala (só de uma vez foram 80 mil euros em enchidos e presuntos), que encaminhava para um armazém grossista no concelho de Torres Novas e que daí seguiam para lojas espanholas. Sempre ao volante de automóveis de grande cilindrada, o mais recente dos quais um Audi Q7 austríaco, que foi apreendido, Giovanni Lore procurou um parceiro português para o negócio, a quem propôs algo de altamente rentável, que afinal não passava de uma burla em grande escala.

Também detido no âmbito desta operação que a Polícia Judiciária designou por ‘Máfia do Oeste’ foi o proprietário do armazém grossista, que se dedica à comercialização de pescado congelado. Trata-se de um empresário português que aguarda em liberdade a continuação do interrogatório e que ontem não foi possível localizar.

INTERROGATÓRIO CONTINUA HOJE

Os sete detidos pela PJ de Leiria no final da semana passada voltam hoje à tarde a ser presentes ao juiz de Instrução Criminal do Tribunal Judicial de Leiria: os seis homens vão prosseguir o interrogatório e a mulher brasileira que foi ouvida como testemunha para memória futura vai conhecer a decisão do juiz em relação ao crime de permanência ilegal no País. Os seis arguidos já conhecem os crimes de que estão indiciados, mas só hoje vão ter oportunidade de saber que provas concretas existem contra eles. Também poderão depor. Apenas os quatro italianos – Giovanni Lore e três operacionais – estão ainda detidos, sendo que em relação aos dois portugueses o juiz entendeu, no sábado, que "deixaram de subsistir os motivos que determinaram a sua detenção", segundo explicou João Martins Leitão, o advogado de Santarém que assegura a defesa dos seis arguidos. Adiantou que "estão todos indiciados da prática dos mesmos crimes".

 

in Correio da Manhã

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:25
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 5 de Agosto de 2010

Água mortal à venda na internet

Solução líquida promete cura para SIda, Hepatite B e cancros

Está à venda na internet um líquido mortal que promete a cura para a sida, cancro, hepatite B e outras doenças graves. O produto Miracle Mineral Solution (MMS) – Solução Mineral Milagrosa – é de origem norte-americana, mas também está disponível em sites totalmente escritos em português.

 

  

Autoridades de saúde dos EUA pedem aos consumidores para deixarem de consumir a água imediatamente

Por:André Pereira

 

 

O alerta para este produto foi dado pela FDA – autoridade norte--americana do medicamento – que pede a "todos os consumidores para pararem imediatamente a ingestão do líquido". No documento, a FDA explica que a solução produz uma lixívia industrial capaz de provocar danos graves à saúde. Segundo a autoridade norte-americana, as doses recomendadas pelos distribuidores podem causar náuseas, vómitos, diarreia e sintomas graves de desidratação. No mesmo documento, a FDA refere que a investigação prossegue, ponderando uma acção judicial de forma a garantir a máxima protecção dos consumidores.

No site destinado a Portugal e Brasil, o produto Solução Mineral Milagrosa diz-se "a coisa mais pura de todas que pode vir a tomar", capaz de "salvar a sua vida e a dos seus". Num dos princípios enumerados, pode ler-se que "náusea e diarreia são ambos bons sinais indicadores de que o MMS está a funcionar".

Contactado pelo Correio da Manhã, o Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde – explicou que "o produto em causa não é um medicamento, estando fora da sua área de competência" e acrescenta que "não foi submetido ao Infarmed qualquer pedido de Autorização de Introdução no Mercado para este produto". Uma vez que o MMS não é considerado um medicamento pelo Infarmed, apesar de prometer a cura para várias doenças graves, a autoridade nacional diz que "não dispõe de informação sobre o mesmo, nomeadamente no que respeita à sua eficácia e segurança".

O Infarmed também esclareceu não ter recebido "qualquer informação relativa a este produto no âmbito do sistema europeu de alertas de farmacovigilância".

JIM HUMBLE DESCOBRE SOLUÇÃO MÁGICA NA SELVA

O produto MMS, de acordo com os vários sites que o comercializam, foi desenvolvido por Jim Humble, um "pesquisador de ouro e metalúrgico, durante uma expedição em busca de ouro nas selvas da América do Sul". Reza a história que Jim Humble ajudou um companheiro doente com malária ao dar-lhe uma solução que se revelou mágica, curando-o em poucas horas. Segundo o site destinado a Portugal e Brasil, o MMS "ajudou mais de 75 mil pessoas no Uganda e Malawi a livrarem-se de doenças como hepatite, cancro e sida".

 

in Correio da Manhã

 

Outro site onde se disute esta temática: Curezone

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

TMN, Vodafone e Optimus arriscam multa de mil euros por SMS

ALEXANDRA FIGUEIRA

Procuradoria Geral da República interpôs providências cautelares para suspender envio e cobrança de mensagens de valor acrescentado.

A multa é pedida pela Procuradoria Geral da República (PGR) em providências cautelares contra operadoras de telemóvel. A PGR quer impedi-las de mandarem mensagens de valor acrescentado aos clientes, sem que estes peçam o serviço, o que diz ser ilegal.

As duas providências cautelares contra a TMN, Vodafone e Optimus deram entrada no fim de Setembro e, se forem deferidas pelo Tribunal Cível de Lisboa, implicarão o pagamento de uma multa de mil euros por cada mensagem (SMS) de valor acrescentado enviada a clientes que não tenham subscrito o serviço junto das próprias operadoras. Além de as sujeitar a uma coima, a PGR quer que sejam proibidas de enviar, e cobrar, este género de mensagens, sem um contrato expresso assinado entre a operadora e o consumidor - uma prática que afirma ser ilegal.

Em causa estão SMS com origem em outras empresas que não as operadoras de telemóvel, nas quais são enviados toques, músicas ou jogos, entre outros. Fazem publicidade sobretudo pela televisão ou Internet, muitas vezes em canais dirigidos a crianças, um facto relembrado pela PGR nas moções apresentadas a tribunal.

Se não pediu, não paga

A actuação das empresas de toques ou jogos motivou inúmeras queixas junto das entidades de defesa do consumidor, que desembocaram numa nova lei, publicada no Verão e que obriga as empresas originárias deste tipo de mensagem a registar-se junto da entidade reguladora das telecomunicações (Anacom) e a pedir um número indicativo específico, para que as pessoas saibam que serviço estão a contratar (ver números na caixa ao lado).

Além disso, a lei obriga as empresas originárias das mensagens a confirmar junto dos consumidores que as querem, de facto, receber, já que é frequente as pessoas nem sequer se aperceberem que estão a subscrever um serviço de valor acrescentado.

Mas, na opinião da PGR, este decreto-lei não anula um anterior, sobre práticas comerciais desleais, segundo o qual um consumidor não pode ser obrigado a pagar por um bem ou serviço que não tenha pedido, a não ser que exista um contrato válido entre as partes: neste caso, entre o cliente e a operadora de telemóvel (é a mesma lei que permite a clientes de restaurantes comer as entradas postas na mesa sem as pagar).

Neste caso, entende a PGR que um cliente não pode ser forçado a pagar uma mensagem de valor acrescentado se não tiver aceite esse contrato, quer com a originária da mensagem (ao abrigo da lei deste ano) quer com a operadora de telemóvel (como se conclui da lei anterior).

SMS pornográficos para crianças?

Atendendo aos dois diplomas legais referidos, a PGR entende que a actuação das operadoras é ilegal, já que permite o envio e a cobrança através da sua rede de mensagens de valor acrescentado com origem em empresas terceiras sem o acordo expresso dos clientes (nem no contrato original do telemóvel, nem em acordos posteriores) e sem se certificarem de que os clientes de facto subscreveram o serviço da empresa originária das mensagens.

Em resultado, os clientes recebem SMS de valor acrescentado e com vários tipos de conteúdo, incluindo sexual ou pornográfico, mesmo quando se trata de telemóveis usados por crianças. As operadoras chegam, mesmo, a recusar-se a barrar ou a deixar de cobrar estes serviços a pedido do cliente, acusa a PGR.

Contactada, a Optimus disse já ter sido notificada, mas não quis avançar quaisquer comentários enquanto o processo decorrer. A TMN e a Vodafone optaram por não responder ao JN.

 

in JN

 

 

Pode ser, mas tem-se visto nos sites de jornais e afins "anúncios rasteira" onde apelam a entrarmos em jogos para saber o nosso QI ou ainda para sabermos quando vamos morrer e que afinal vão dar à rasteira de darmos os contactos, a partir daí ao avançar ficamos inscritos nesse tipo de serviços telefónicos.

publicado por portuga-coruche às 11:54
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Setembro de 2009

Gang luso-espanhol desvia 105 milhões

Sucatas: Estado reclama 105 milhões de pagamentos indevidos em sede de IVA

 

"Cheguei a carregar sucata para Espanha cinco a sete vezes por dia. Mas estou de consciência tranquila. Infelizmente, só através das facturas falsas se sobrevive neste negócio, vai ser sempre assim." A afirmação pertence a António Marques Cardoso, ex-empresário do sector de sucatas e um dos principais arguidos do processo que lesou o Estado em mais de 105 milhões de euros e que depois de amanhã chega a julgamento. António reconhece o esquema paralelo – que leva 57 arguidos ao banco dos réus, por fraude fiscal, branqueamento e associação criminosa – mas garante que todos os empresários do sector o praticam.

Conheça todos os pormenores na edição de segunda-feira do jornal 'Correio da Manhã'.

 

in Correio da Manhã

 

Para tirar o apartamento, carro e pertençes ao desgraçado que vive do ordenado, metendo no meio da rua famílias com crianças e idosos, sem qualquer plano de acolhimento, só porque o dinheiro não chega para pagar a prestação mensal existe toda a legitimidade e o "direito" funciona, mas para apanhar a "raia grauda" não existe. Os bancários fazem o que querem, os traficantes da pesada fazem o que querem, os oportunistas vivem das falhas do sistema e é sempre o mesmo a levar por tabela: o pobre que não tem dinheiro para viver quanto mais para recorrer à justiça para fazer valer os seus direitos.

publicado por portuga-coruche às 09:50
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Assaltos na Margem Sul começam na Internet

 

Assaltos na Margem Sul começam na Internet
PSP investiga denúncias feitas durante o mês de Maio
 

A existência de alegados assaltos na margem Sul do Tejo, que terão origem em contactos através da Internet, está a ser investigada pela PSP.

Durante o mês de Maio, as autoridades têm recebido diversas denúncias neste sentido, sobretudo de situações ocorridas na Margem Sul do Tejo, embora admitam que existam mais casos noutros locais.

As denúncias relatadas revelam que o primeiro contacto é feito através da Internet, depois do qual é marcado um encontro. Durante a conversa, a vítima acaba por sentir-se mal e é transportada para o hospital, dando posteriormente pela falta de documentos e do carro.

A notícia avançada pelo Jornal de Notícias refere que as autoridades suspeitam de que os assaltantes utilizem soporíferos para drogar as vítimas.

A PSP admite ainda que existam mais casos que não tenham sido denunciados, sobretudo, por vergonha.

 

 

in Fábrica de Conteúdos

publicado por portuga-coruche às 16:03
link do post | comentar | favorito

.Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Rio lança suspeita de int...

. O maior escândalo finance...

. Uma evidente fraude

. Santarém na rota da Máfia

. Água mortal à venda na in...

. TMN, Vodafone e Optimus a...

. Gang luso-espanhol desvia...

. Assaltos na Margem Sul co...

.últ. comentários

Sr José Sá, já confirmou a sua tese? Obrigado
Eu uso os produtos da HerbaLife há anos e são fant...
Tudo é muito aberta e muito clara explicação de qu...
Ė e nāo e pouco....
Subscrevo, já cá temos miséria que nos baste, e ge...
Por ser nutricionista e' que fala assim...
http://www.publico.pt/economia/noticia/herbalife-i...
essa empresa foi vendida a eden , que pelo visto a...
Estou para comprar um carro usado num stand de Sal...
VAI SE FERRAR. .INGERI OS COMPRIMIDOS DE MULTIVITA...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abel matos santos

. acidente

. água

. águas do ribatejo

. almeirim

. apanhados

. aquecimento global

. assalto

. autarquia

. benavente

. biscainho

. blogosfera

. bombeiros

. burla

. câmara municipal de coruche

. carina

. cdu

. china

. ciência

. cigana

. ciganos

. clima

. climategate

. cobre

. comboio

. copenhaga

. cortiça

. coruche

. couço

. cp

. crianças

. crime

. criminalidade

. crise

. dai

. david megre

. desaparecida

. desaparecidos

. desemprego

. desporto

. dionísio mendes

. dívida

. douro

. droga

. economia

. edp

. educação

. emigração

. emprego

. energia

. ensino

. escola

. espanha

. etnia

. fajarda

. faleceu

. fascismo

. festas

. finanças

. fmi

. fome

. gnr

. humor

. imperialismo

. impostos

. insólito

. internet

. ipcc

. justiça

. ladrões

. lamarosa

. meteorologia

. mic

. miccoruche

. morte

. música

. phil jones

. pobreza

. política

. pontes

. procura-se

. racismo

. roubo

. santarém

. saúde

. segurança

. sociedade

. sub

. tempo

. ticmais

. toiros

. tourada

. touros

. trabalho

. tráfico

. tribunais

. video

. videos

. violência

. xenofobia

. todas as tags

.links

.Enviem Notícias e Comentários

CONTACTO

greenbit@sapo.pt

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds