Segunda-feira, 13 de Agosto de 2012

NEOEN vai construir parque fotovoltaico com 70 hectares no concelho de Coruche

 

Franck Woitiez, administrador da empresa NEOEN, revela a O Ribatejo que a construção do parque fotovoltaico com 70 hectares em Coruche vai iniciar-se ainda no primeiro trimestre de 2013, e o início da produção de energia antes do final de 2013.

“A NEOEN ganhou o concurso público de adjudicação de mais de 40% da potencia de injeção de eletricidade na rede, disponibilizada durante o Concurso Publico fotovoltaico de 2010, promovido pela DGEG. Sendo assim, a NEOEN é o maior promotor de projectos fotovoltaicos em desenvolvimento em Portugal hoje em dia”, afirma Franck Woitiez.

Segundo o administrador da empresa, a NEOEN pagou uma contrapartida ao Ministério da Economia de um valor de 42 milhões de euros, para a atribuição definitiva dos direitos de produção de eletricidade no regime bonificado durante 20 anos. Isto para uma quantidade de 58 MegaWatts, que representa varias instalações na área da Grande Lisboa, incluindo um parque fotovoltaico com uma área de 70 hectares na zona de Coruche.

Este parque fotovoltaico terá uma potencia de 16 MW, que permite abastecer quase 10.000 fogos, e evitar a produção de mais de 10400 toneladas de Co2.

Este parque poderá criar até 60 postos de trabalhos durante a fase de construção e alguns postos na fase de exploração (20-25 anos).

As várias etapas do licenciamento estão em via de ser acabadas, a central encontra-se licenciada pela DGEG, e o projecto de Arquitectura foi aprovado em Janeiro de 2012 pela Câmara de Coruche.

“A NEOEN esta neste momento a desenvolver todos os seus esforços para obter um financiamento para iniciar a construção, tarefa muito complicada dado as turbulências na zona Euro”, afima Franck Woitiez, adiantando que a empresa conta poder iniciar as obras no primeiro trimestre de 2013, e o início da produção de energia antes do final de 2013.

O valor total do investimento a realizar pela NEOEN no Parque Fotovoltaico de Coruche ronda os 40 milhões de euros.

A escolha dos equipamentos não esta ainda fechada, pelo que mantém-se em aberto a possibilidade dos equipamentos da central poderem incorporar alguma tecnologia ou componentes de fabrico português.

A NEOEN é uma empresa francesa, criada em 2008, dedicada à produção de electricidade “verde”. A NEOEN é um produtor independente de energia, que desenvolve, financia, constroi e opera centrais de produção de energia renovável (biomassa, eólico, solar e eólico offshore).

A NEOEN terá no final de 2012 mais de 150 MW em operação ou construção, e tem como objetivo atingir os 1000 MW em 2015. Suportado por acionistas robustos, a NEOEN está desenvolver a sua atividade fora de França, tendo aberto a sua primeira subsidiária em Portugal em 2010.

 

Por João Baptista

in O Ribatejo

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 13 de Agosto de 2009

Habitantes de Coruche falam da sua terra e das suas festas

Faltam estradas, indústria e mais empregos

Diamantino Diogo, 67 anos, presidente Caixa Agrícola Coruche, Coruche

Diamantino Diogo gostaria que Coruche tivesse criado mais postos de trabalho, principalmente para os jovens que concluem os seus estudos e que se tivesse instalado mais indústria no concelho, ao longo dos anos que se seguiram ao 25 de Abril.

Para o presidente da Caixa Agrícola de Coruche a vila e o concelho deviam ter crescido acima do que foi alcançado, mas está convencido que a recuperação irá ser feita a partir da construção do novo aeroporto de Lisboa. “Vamos ter um novo ciclo de desenvolvimento”, diz.

As vias de comunicação são outra das suas preocupações. “Precisamos há muito tempo de novas estradas, como o IC 13 e IC 10. Com isso, podemos ter mais espaço industrial e fábricas e temos que fazer essa divulgação junto dos investidores.

Durante as festas gosta de esquecer, por momentos, as suas responsabilidades como presidente da Irmandade de Nossa Senhora do Castelo e ir, como qualquer outro cidadão, ver os toiros à solta nas ruas da vila e os diversos espectáculos musicais.

 

Restauração deve estar aberta para receber visitantes

Isabel Pontes, 37 anos, florista, Coruche

Isabel Pontes diz que as festas de Coruche a fazem feliz. A florista do mercado municipal não perde o cortejo etnográfico e as largadas de toiros. “Mas fico de fora a ver. Nunca me aventuro nem gosto que familiares meus o façam. Estão proibidos! Senão o coração dispara e dá-me alguma coisa”, graceja.

Ainda se lembra das festas quando era mais nova. “As pessoas do campo vinham ver o fogo-de-artifício e ficavam a dormir ao relento no jardim à beira-rio, com mantas e cestas de comida, porque não havia carros nem transportes tão tarde”, recorda.

Hoje em dia, acha que o comércio tradicional ainda não responde completamente. ”Aos domingos Coruche recebe muitos visitantes de excursões porque é ponto de passagem e de visita e a restauração está toda fechada. É aquilo que eu acho pior porque de resto a vila está muito completa actualmente”, opina.

 

Transporte de passageiros em comboio é oportunidade bem vinda

António José Silvestre, 51 anos, comerciante, Foros do Paúl – Coruche

Indústria e empregos são as duas grandes lacunas do concelho de Coruche. Para António José Silvestre, comerciante do centro histórico da vila, essas lacunas reflectem-se nas actividades comerciais e fazem notar a grande dependência do mundo agrícola no concelho.

De resto, considera que o sector da saúde está como o país, em crise, obrigando os utentes a deslocarem-se para a Santarém. “Primeiro desanuviam serviços, agora estão outra vez a centralizá-los, vamos ver no que dá”. Pela positiva, António Silvestre considera que a abertura da linha de comboio até Lisboa para passageiros, a preços acessíveis e de forma rápida, é uma boa notícia para os habitantes.

“Apesar de tudo a vila não tem nada a ver com o que era há dez ou 15 anos atrás. Está tudo mais limpinho e, em matéria de câmara, temos mais qualidade”, refere António José Silvestre.

As festas ajudam a melhorar o ânimo dos coruchenses. O habitante elege os toiros como o principal das festas, que gosta de ver e manter-se intacto. No parque do Sorraia petisca e vê os concertos. “Gosto de como são estas festas e ajudo sempre a comissão”, garante o comerciante.

 

Venham mais investidores para agarrar a população

António Raposo Vieira, 47 anos, comerciante, Coruche

António Raposo Vieira gosta da vila tal como ela está e não se deixa levar em euforias para que ascenda a cidade. “Falta sim trazer pessoas com dinamismo para criarmos mais postos de trabalho e para que invistam no concelho. Não precisamos de festas e fins-de-semana com música, precisamos de iniciativa para que os jovens e as pessoas não se desloquem para fora e tenham empregos”, refere o comerciante. Que dá um exemplo de seguida: “Havia dantes uma discoteca em Coruche, onde todos íamos. Hoje os jovens estão limitados e não ficam cá. Vão para Mora, Almeirim, Salvaterra e Benavente e estão cada vez mais desligados”, constata.

O comerciante considera negativos os serviços de saúde e de segurança no concelho, semelhantes ao que acontece no resto do país. Refere ainda que há problemas com as etnias e com outros protagonistas de crimes, que têm como regra a impunidade. “Essas pessoas chegam mais depressa de volta à vila desde o tribunal do que a GNR que tem de ficar a preencher impressos”, compara.

Para António Vieira as festas servem para aliviar desses problemas do dia a dia mas nem tudo é fácil. “Em miúdo ia com os meus pais aos restaurantes. Hoje não vou às tasquinhas. Com mulher, dois filhos e a namorada de um deles, quanto é que deixo lá?”, questiona.

Ficaram na sua memória os concertos de Fernando Pereira e de Rouxinol Faduncho e considera que os espectáculos com Tony Carreira e noite de fados estão mais vocacionados para recintos fechados.

 

Pavilhão de exposições era garantia de trabalho para artesãos

António Lourenço da Silva, 59 anos, artesão, Foros do Paúl

Entre o que mais falta no concelho de Coruche, António Lourenço da Silva elege duas questões: é necessário mais saúde e falta a autoridade nas ruas que conceda mais confiança e segurança às pessoas. De resto, o artesão, diz que a falta de solidariedade nos momentos difíceis também é um ponto a melhorar pelas pessoas e pela autarquia. O artesão era figura habitual nas festas de Coruche até que com as obras de requalificação do Rossio se tenha deitado abaixo o pavilhão de exposições. “Era onde iam artesãos de todos os lados nas festas. Convivia e tinha clientes para todo o ano sem sair aqui do concelho, só por estar representado nas festas. Cortaram-nos a enxada!”, diz, com um lamento.

Agora António Lourenço da Silva vai à festa apenas como cidadão. Mas não é por causa disso que não aproveita. Assiste ao cortejo etnográfico e não perde o fogo de artifício e as largadas de toiros. “Quando vou sozinho vou para dentro da trincheira. Acompanhado da mulher fico sempre fora, ela não me deixa entrar. Como é óbvio também gosto da tourada”, realça. De resto não tem grande ouvido para a música. Prefere mais um bom petisco e conviver. Tira-se um carapau de um lado, um torresmo do outro e a festa vai-se fazendo.

 

Ver as festas por detrás do balcão do café

António Martins, 64 anos, comerciante, Coruche

António Martins sente a falta do movimento de clientes como um problema real da vida na vila de Coruche, mesmo que as festas agucem o apetite dos visitantes à porta do snack-bar A Cubata. E não é por falta de centralidade, já que o estabelecimento fica na rua 5 de Outubro, um dos locais onde se realizam as largadas de toiros e a poucos metros das tasquinhas e dos concertos. “Nota-se essa falta de movimento de há uns dez anos para cá. É a experiência do dia a dia que me diz. Acho que é isso que dizem que anda para aí, chamada crise”, diz com ironia. Acrescentando que está sempre metido na sua prisão e, por isso, deixa escapar o que se passa na vila. “Quanto mais trabalho tiver mais fico contente. E desde dia 14 a 18 há sempre mais negócio”, diz António Martins de forma pragmática.

António Martins diz que só vê o que se passa quando vai almoçar e jantar. Reclama que as festas antigas tinham mais tradição e outra forma de encarar as coisas. Nunca lhe entrou um toiro pelo estabelecimento mas pielas das fortes durante os dias festivos é coisa que não falta. “Faz calor e fugir dos toiros é duro”, graceja.

 

Festas de Coruche deviam ser organizadas por comissões populares

Francisco Santos, 57 anos, industrial, Foros do Paúl/Biscainho

“Para mim as festas são uma manifestação de satisfação de um povo e só é pena que as nossas festas tenham um peso tão grande da câmara, quando deviam ser organizadas pela população”, refere Francisco Santos. Foi membro da comissão nos dois primeiros anos a seguir ao 25 de Abril e orgulha-se de ter ajudado a comprar uma ambulância para os bombeiros com 250 contos.

Na pele de cidadão, Francisco Santos gosta é de se sentar nas tasquinhas, de preferência à sombra, e ver quem passa, a cumprimentar os amigos e a solidarizar-se com as festas. Gosto do cortejo etnográfico, tem muito valor e mostra tradições muito antigas”, acrescenta.

Mais parado está o concelho. Desde logo por estar cercado de eixos rodoviários e de não ser servido quase por nenhum deles. Mas também porque a agricultura, com influência grande no concelho, tem tido anos péssimos. “O concelho é muito rico mas na parte cultural é pobre. Há um caminho grande a percorrer”, garante Francisco Santos.

 

Precisamos de unidade de saúde bem mais perto

João Picado, 55 anos, empregado balcão, Foros do Paúl

“Faltam os clientes, é o que mais se sente. Houve um abaixamento grande”, diz João Picado quando questionado como vai o negócio da ourivesaria e na vila em geral. Ainda assim a tarde teve algum movimento na sexta-feira.

Natural de Mira, Coimbra, João Picado foi para Coruche levado pelo pai e gosta da vila e do concelho, terra da qual diz que tem quase tudo o que uma pessoa precisa. “O que dava mais jeito era ter cá o Hospital de Santarém mas acho que a situação da saúde no concelho vai melhorar com o serviço de urgência que aí vem”, diz à reportagem.

É o único senão que se lembra e que aponta ao concelho. Como tristezas não pagam dívidas a festa é o tema que se segue. João Picado é frequentador habitual. Gosta de ver os espectáculos, os toiros, e as largadas. Há sempre um bocadinho para ir ver os toiros, “encostado à trincheira de olho no bicho”, garante.

As tasquinhas são uma boa opção para ir, umas vezes com amigos, outras com a família. Basta sentar-se à mesa e ir petiscando, picando aqui e ali.

 

in O Mirante

publicado por portuga-coruche às 14:45
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Julho de 2008

Candidaturas para bolsas de estudo em Coruche

A Câmara de Coruche vai atribuir 12 bolsas de estudo, no valor de 190 euros por mensais cada, durante 10 meses, a alunos com aproveitamento escolar que pretendam iniciar ou prosseguir estudos no ensino superior. Os candidatos devem dirigir-se ao serviço de acção social da câmara, na rua de S. Francisco, n.º 8 A, onde lhes será facultada uma ficha de candidatura. Documento que terá de ser preenchido e devolvido àquele serviço até 4 de Agosto. A atribuição das bolsas tem como objectivo reduzir os efeitos das desigualdades sociais que dificultam o acesso de alunos com dificuldades económicas ao ensino superior.

 

in O Mirante online

publicado por portuga-coruche às 10:09
link | comentar | favorito

.Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. NEOEN vai construir parqu...

. Habitantes de Coruche fal...

. Candidaturas para bolsas ...

.últ. comentários

Sr José Sá, já confirmou a sua tese? Obrigado
Eu uso os produtos da HerbaLife há anos e são fant...
Tudo é muito aberta e muito clara explicação de qu...
Ė e nāo e pouco....
Subscrevo, já cá temos miséria que nos baste, e ge...
Por ser nutricionista e' que fala assim...
http://www.publico.pt/economia/noticia/herbalife-i...
essa empresa foi vendida a eden , que pelo visto a...
Estou para comprar um carro usado num stand de Sal...
VAI SE FERRAR. .INGERI OS COMPRIMIDOS DE MULTIVITA...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abel matos santos

. acidente

. água

. águas do ribatejo

. almeirim

. apanhados

. aquecimento global

. assalto

. autarquia

. benavente

. biscainho

. blogosfera

. bombeiros

. burla

. câmara municipal de coruche

. carina

. cdu

. china

. ciência

. cigana

. ciganos

. clima

. climategate

. cobre

. comboio

. copenhaga

. cortiça

. coruche

. couço

. cp

. crianças

. crime

. criminalidade

. crise

. dai

. david megre

. desaparecida

. desaparecidos

. desemprego

. desporto

. dionísio mendes

. dívida

. douro

. droga

. economia

. edp

. educação

. emigração

. emprego

. energia

. ensino

. escola

. espanha

. etnia

. fajarda

. faleceu

. fascismo

. festas

. finanças

. fmi

. fome

. gnr

. humor

. imperialismo

. impostos

. insólito

. internet

. ipcc

. justiça

. ladrões

. lamarosa

. meteorologia

. mic

. miccoruche

. morte

. música

. phil jones

. pobreza

. política

. pontes

. procura-se

. racismo

. roubo

. santarém

. saúde

. segurança

. sociedade

. sub

. tempo

. ticmais

. toiros

. tourada

. touros

. trabalho

. tráfico

. tribunais

. video

. videos

. violência

. xenofobia

. todas as tags

.links

.Enviem Notícias e Comentários

CONTACTO

greenbit@sapo.pt

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds