Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2012

Boaventura de Sousa Santos comenta a politica e os mercados globais

Boaventura de Sousa Santos: “É possível que amanhã tenhamos que voltar às lutas ilegais”

 

 

A mesa não tinha mulheres. Eram oito pessoas, nenhuma era mulher. Os sete primeiros homens falaram e parece que não perceberam a distorção de uma das atividades que mais juntou gente no Fórum Social Temático, lotando o Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa, sexta-feira 27 à tarde. O oitavo dos homens a discutir “o sentido da democracia” parecia o mais sensível e mais preocupado. Boaventura de Sousa Santos só começou sua palestra depois de reclamar da falta de presença feminina na mesa enquanto tantas mulheres se faziam presentes na plateia. Mas não foi só por isso que, ao final, foi aplaudido de pé.

“A luta democrática tem que ser anticapitalista.” Começou assim a aula do sociólogo português. A democracia era o tema do encontro daqueles oito homens, e Boaventura não deixou de mencionar a sua ausência ou a ameaça de que deixe de existir. Passamos por um momento em que, segundo ele, um dos maiores países capitalistas, a China, dispensa a democracia e outro grande bloco tem a democracia suspensa. A União Europeia, “o berço da democracia e que tentou ensinar ao mundo durante cinco séculos os valores da civilização”, tem agora suas instituições democráticas suspensas e vive uma crise que é econômica e política.

“A presidenta disse q o Brasil já teve neoliberalismo, mas que agora os brasileiros não vão deixar o neoliberalismo entrar novamente. Que deus a ouça.” Boaventura foi tão enfático porque “o neoliberalismo conseguiu esvaziar a democracia de sua vertente redistributiva, e por isso temos hoje democracias de baixa e de baixíssima intensidade”. O roubo e a acumulação originária primitiva chegaram aos salários dos operários europeus, disse Boaventura, encerrando o debate dos motivos da crise e iniciando o das suas alternativas.

A esquerda esqueceu-se de pensar

“As instituições democráticas já não satisfazem as necessidades dos cidadãos.” Alertando sobre as alternativas que se nos apresentam (que podem ser piores do que o que já temos) à crise das instituições, acrescentou que “a democracia representativa virou-se de costas para as populações”. Não surpreende, portanto, que o anarquismo seja a única tradição sobrevivente nos movimentos europeus. Para ele, esquerda e direita “golpeiam da mesma forma” os povos camponeses, indígenas e quilombolas nesse continente.

Impossível avaliar alternativas ao capitalismo que coloca a democracia em crise sem passar pelos movimentos de jovens que estão tomando os espaços, especialmente na Europa. “Autodeterminação dos povos é o que pode nos defender da loucura da globalização neoliberal. A sociedade civil nos responde nos únicos espaços não tomados pelo capitalismo financeiro: as ruas, as praças. A presença dos movimentos nas ruas mostra que a democracia está nas ruas em estados antidemocráticos.” Não faltou crítica à esquerda, no mundo todo, que não pensa, não debate, não progride: “a grande maldição da esquerda no século XX foi transformar militantes em funcionários. Temos que começar pela refundação dos partidos e pela democracia nos movimentos. As cartas dos movimentos da Puerta del Sol mostram essa preocupação pela horizontalidade, pela democracia. A esquerda tem que pensar e a esquerda esqueceu-se de pensar”.

O fascismo ameaça a democracia

 

E a democracia, para Boaventura, passa pelo respeito à diferente história dos povos do Brasil, não apenas pela redução da pobreza. E, nesse caminho, chama a repensar muitos dos nossos instrumentos de politica. “É possível que amanhã tenhamos que voltar às lutas ilegais”, afinal, é possível que o fascismo, que já toma conta, substitua a democracia no próximo período. As lutas podem ter que ocorrer “por dentro e por fora do Estado, constitucionais e não constitucionais”. Falando exclusivamente de Brasil, em uma crítica direta à presidenta Dilma, disse que “os movimentos sociais talvez hoje se sintam menos acolhidos pela Presidência da República de gente que lutou como eles”.

Boaventura defendeu a autodeterminação como um outro modelo de desenvolvimento, que é parte da luta democrática. “Temos que nos habituar a pensar que os nossos objetos de consumo – tecnologia, roupas – têm sangue. Trabalho escravo é sangue. Há um ciclo de produção que nega a vida, que destrói a vida. E nos obriga a pensar numa outra pauta de direitos humanos, o direito da natureza, que pode nos dar uma nova forma de vida, de prosperidade, que pode não passar pelo crescimento econômico.”

Sobrou também crítica ao governo do Rio Grande do Sul, do amigo Tarso Genro, “um dos homens que melhor pensa a politica no continente latino-americano”. O sociólogo amaciou o ego do governador pouco antes de afirmar que ele precisava fazer no estado a reforma política que não conseguiu aprovar enquanto ministro da Justiça. Tarso falara logo antes de Boaventura e mencionara a dificuldade que passou, também criticando o governo petista do qual fez parte. Bem informado, o português falou na falta de comunicação entre as secretarias estaduais, que muitas vezes não se comunicam nem internamente.

O horário das utopias realistas

A luta dos povos indígenas, quilombolas e campesinos é sempre tema de Boaventura, e dessa vez não foi diferente. “Não podemos tolerar que os indígenas morram todos os dias à beira da estrada porque foram expulsos de suas terras. A reforma do Estado, a refundação da democracia, dos partidos, dos movimentos, é a nossa única garantia da sustentabilidade da democracia. A direita está mostrando que dispensa a democracia. Quem não pode dispensar a democracia é a esquerda. Portanto não podemos falar de sentidos da democracia (Tarso falara no sentido das democracias grega, estadunidense, latino-americana e brasileira). Temos é que democratizar a democracia. Os povos têm que ter suas formas de democracia respeitadas. Indígenas urbanos tinham dificuldade de se adaptar ao Orçamento Participativo porque tinham sua forma de decisão coletiva”. Uma anedota serviu para justificar o argumento do sociólogo. Contou que, quando foi promulgada a constituição da Bolívia, nas primeiras eleições uma comunidade votou 99% a favor de um candidato. A oposição então fez uma queixa de que teria sido fraudada. Foram averiguar e descobriram que se tratava de uma comunidade indígena que passou quatro dias consensuando em quem votar. “O que parecia uma fraude eleitoral era uma forma de democracia de alta intensidade que estaríamos perdendo se não calculássemos essas formas de democracia alternativa.”

Boaventura encerrou com a chamada ao debate. Para que a esquerda pense e proponha alternativas. “Temos q pensar uma nova forma, que não é o capitalismo verde. Podem dizer que é uma utopia, mas todas as utopias têm um horário. E esse é o horário das utopias realistas.”

 

in Blog "Somos andando"

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Julho de 2011

A injusta "Justiça"

Sacanas com lei

Ser ou não ser? Eis a questão que salvou Tiago, o rapaz da faca


 

 
Apesar de a arma lhe ter sido apreendida, o arguido foi absolvido

Apesar de a arma lhe ter sido apreendida, o arguido foi absolvido google life  1/1  + fotogalería .Faltam 15 dias para o Tiago André fazer 23 anos. Uma biografia cheia de estilo, sem grandes percalços e com muita tranquilidade. Em suma, sem stresses. Também foi sem stresse que o Tiago decidiu não comparecer em tribunal, apesar de ter sido notificado. Mesmo assim, o julgamento realiza-se na sua ausência. "E o arguido vai ter de pagar por não ter vindo", promete a juíza. A ver vamos.

 

Apresenta-se, como testemunha do crime praticado pelo Tiago André, o agente João da PSP. Às 13 horas do dia anterior, percebeu que se passava qualquer coisa de estranho com um carro que circulava na rua. O motivo da suspeita parece meio óbvio: os ocupantes, condutor incluído, circulavam com os bancos completamente recostados para trás, mas com os cintos de segurança postos (sim, porque há coisas em que um sacana não transgride: conduzir deitado é uma coisa, conduzir sem cinto de segurança já é passar dos limites). Mandados parar, os quatro indivíduos que seguiam no carro, todos na casa dos 20 anos, rapidamente perceberam que estavam tramados. Os agentes comunicaram com a central da polícia, que informou que aquela viatura, com aquela matrícula, constava da base de dados para ser apreendida. Assim sendo, carro e passageiros foram obrigados a rumar à esquadra. Já na polícia, percebe-se que houve um engano. Afinal, a viatura não constava da lista de apreensões coisíssima nenhuma. Tinha havido um erro na base de dados das polícias. Tiago André e os companheiros podiam, agora, suspirar de alívio. E estavam, de facto, a suspirar de alívio enquanto eram revistados pelos polícias. Mas como um azar nunca vem só, quando chegou a vez do Tiago, caiu-lhe do bolso, descuidadamente e no meio de tanta ansiedade, uma faca de abertura automática com uma lâmina reluzente e nove centímetros de comprimento. Fez-se silêncio. Tiago ficou acusado do crime de detenção de arma proibida.

 

Como não compareceu à chamada do tribunal, foi o agente João quem explicou o que aconteceu a seguir. "Ele disse que sabia que aquilo era uma arma proibida, mas não pareceu muito importado." Tiago terá confessado ainda que a faca era mesmo sua, apesar de jurar que a tinha encontrado, caída no chão, do nada, no dia anterior. Os agentes perguntaram-lhe pelo cartão do cidadão ou pelo bilhete de identidade. "Não tenho aqui." Então e não tem alguém em casa que possa cá vir trazer? "Negativo." Não se pode ir lá a casa buscar os documentos? "Não tenho chave e não está lá ninguém." Como é que se chamam os seus pais? "Não me recordo." E os agentes da PSP já a bufar de irritação.

 

Como é que se identifica um homem que não se deixa identificar? Leva-se o dito à PJ. Se tiver cadastro, tanto melhor. Senão, tenta-se ir por outras vias, periciais. A Judiciária, garantem os agentes da PSP, atestou documentalmente que o jovem era mesmo o Tiago André. Os agentes ficaram com o número da resenha elaborada pelos inspectores e vieram-se embora, sem trazer uma cópia. Estavam longe de saber que a ausência material do documento viria a ditar a sorte do acusado.

 

No julgamento, o procurador do Ministério Público abriu logo as hostilidades: "É preciso ter a certeza, para além de qualquer dúvida razoável, como dizem os americanos, na identificação da pessoa e não conhecemos a resenha da PJ, porque não foi junta ao processo, só o seu número. Por dúvidas quanto à identificação do sujeito, requer-se a absolvição." Segue-se a advogada de defesa oficiosa: "Também pedimos a absolvição, até porque nós sabemos que, por vezes, os arguidos trazem facas e não sabem que se trata de armas proibidas".

 

Por último, diz a juíza de sua sentença: "Não se provou que o arguido praticou os factos, nem que agiu de forma deliberada e consciente sem saber se a sua actuação era punida por lei. A faca que consta na acusação foi apreendida. Mas o tribunal tem dúvidas em relação à autoria dos factos pelo arguido, que foi identificado verbalmente, mas essa prova não é suficiente". Por isso, continuou, "o tribunal entende não estar suficientemente provado que o acto foi cometido pela pessoa. E como os crimes são acções humanas, impõe-se a absolvição do arguido".

Caso encerrado. Cá fora, os dois agentes da PSP dirigem--se para a saída enquanto se queixam, entredentes: "Então um tipo é apanhado com uma arma ilegal e é absolvido?"

 

Uma coisa é certa: este ano, o Tiago André vai ter de comprar uma faca nova para cortar o bolo de aniversário.

 

por Rosa Ramos,

in iOnline

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:10
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Junho de 2011

Falsa democracia

 

 

 

 

 

 

 
"A democracia em que vivemos é uma democracia sequestrada, condicionada, amputada..."
 
 

 

publicado por portuga-coruche às 07:15
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Junho de 2011

A pensar nas eleições

Os jovens acampados no Rossio e nas praças de Espanha são os primeiros sinais da emergência de um novo espaço público – a rua e a praça – onde se discute o sequestro das atuais democracias pelos interesses de minorias poderosas e se apontam os caminhos da construção de democracias mais robustas, mais capazes de salvaguardar os interesses das maiorias. A importância da sua luta mede-se pela ira com que investem contra eles as forças conservadoras. O artigo é de Boaventura de Sousa Santos.

 

Por Boaventura de Sousa Santos

in Carta Maior

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Maio de 2011

“Candidato”Coelho e Garcia Pereira invadem RTP!

José Manuel Coelho, (Partido Trabalhista Português) e Garcia Pereira (PCTP/MRPP) invadem RTP com cartazes que diziam "Televisões só convidam os cinco ladrões"!

 
 
José Manuel Coelho, (Partido Trabalhista Português) e Garcia Pereira (PCTP/MRPP) escaparam à segurança, passaram a portaria e invadiram a propriedade da estação pública com um grupo de manifestantes com cartazes que diziam "televisões só convidam os cinco ladrões".
Os protestos deveram-se ao facto de estes partidos não estarem incluídos no lote de debates que as televisões vão fazer até 20 de Maio.
"in Diário de Noticias"
O “candidato” Coelho nas presidenciais, disse verdades, que toda a gente vê mas ninguém tem coragem de falar.
O Garcia Pereira, não me identificando com o partido dele, admiro-o como bom advogado, defende causas dos trabalhadores e quase sempre as vence!
Se vivemos em democracia, que pressupõem haver igualdade de tratamento e de direitos é absolutamente inaceitável que os pequenos partidos não possam estar em pé de igualdade com os grandes.
Como podemos ouvir as ideias de todas as correntes políticas se nos é imposta pela comunicação social sempre os mesmos 5 ?
Cavaco Silva ainda agora disse: “é preciso dar voz aos mais fracos”! (esta é para rir)
 
Sábado, 7 de Maio de 2011
Por Rei Parafuso Vadio
In Blog Reino da Vadiação
 
REPAREM BEM COMO LHES CAÍ A MÁSCARA
 
Todos os partidos (e seus membros e representantes) que vão participar nos debates "acham" que a democracia está garantida com a sua presença, afinal, quantos mais falarem mais baralhado fica o povo, não é? Todos querem mais votos e mais partidos é dividir ainda mais os votos.
 
A arrogância e presunção com que o fazem destaca os princípios que tem: nenhuns. A terem "princípios" diriam que não participavam nestes debates a não ser que todos e de igual modo, tivessem voz. Cabe ao povo decidir depois quem o representa.
 
 
Eis o que se passou, conforme post no Blog de João Carvalho Fernandes - Nova Democracia:
 
NOVA DEMOCRACIA PARTICIPOU EM PROTESTO NA RTP
 
Um grupo de manifestantes, em representação da Nova Democracia, PCTP/MRPP, Partido Trabalhista Português e MPT, invadiu ontem as instalações da RTP, em Lisboa, a poucos minutos do primeiro debate para eleições legislativas, com os candidatos Paulo Portas e Jerónimo de Sousa.

A manifestação pretendia protestar contra a descriminação de acesso às televisões dos partidos sem assento parlamentar.

Depois de terminado o debate uma delegação composta por João Carvalho Fernandes (PND), Garcia Pereira (PCTP/MRPP), José Manuel Coelho (PTP) e Pedro Quartim Graça (MPT) foi recebida pelo director de informação da RTP, Nuno Santos ao qual exprimiu o seu protesto, pedindo esclarecimentos sobre as razões de não haver na televisão pública igualdade de tratamento conforme está estabelecido na lei. A reunião foi totalmente inconclusiva, tendo terminado após ambas as partes terem reafirmado as suas posições.
 
 
Ficamos a conhecer também a parcialidade da televisão pública. A RTP deveria, como meio de comunicação público e que por isso é subsidiada pelos portugueses, defender os interesses do público e não dos influentes partidos interessados em manter a sua coutada.
 
Poderão dizer que seria um perda de tempo, dada a fraca expressão dos pequenos partidos, nada disso! Tem em democracia o mesmo direito de chegar aos portugueses e se tem uma fraca expressão é por causa também desta influência dos grandes partidos ajudados pelos meios de comunicação, que, com estas "inocentes" opções, decide aquilo que é de interesse para nós.
 
Se a escolha partidária só nos é parcialmente mostrada então o que temos aqui é manipulação das nossas escolhas. Sabe o leitor aquilo que defende para o país o PPM, PND, o MPT, o PNR ou o PCTP/MRPP? Se sabe faz parte de uma pequena minoria, muitos dos quais, para saber, tiveram que procurar muito bem, uma vez que podemos correr jornais ou todas as bandas da rádio e da televisão e nem uma palavra.
Vendo bem a balança: Os cinco partidos grandes entram-nos facilmente pela casa dentro, basta ligar uma televisão e lá estão eles, sem esforço, sem espinhas... é congressos e opiniões sobre tudo e todos. Os pequenos, temos de fazer um esforço descomunal para saber o que pensam e fariam relativamente a qualquer assunto que nos toque.
 
 
publicado por portuga-coruche às 07:01
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Maio de 2011

O golpe de Estado dos assaltantes

Lendo as informações avançadas este fim-de-semana pelo "Expresso" percebe-se que a troika prepara um autêntico golpe de Estado neste País. Não se limitará a exigir, em troca do empréstimo, condições que garantam o seu pagamento - a juros que estarão longe de ser justos. Em troca, determina mudanças políticas e económicas estruturais, muitas delas de constitucionalidade mais do que duvidosa. Entre algumas das que se prevêem estará, além de alterações em setores fundamentais para a soberania de qualquer País, a privatização de grande parte das empresas públicas. Objetivo? Dois: "menor intervenção do Estado na economia" e criação de um fundo para a recapitalização da banca privada nacional.

 

Esta será apenas uma das muitas medidas que aí vêm. Mas ela é um excelente exemplo do que está em causa.

 

Antes de mais, a imposição de uma agenda ideológica à margem da democracia. As correntes radicais impõem as suas receitas - as mesmas que levaram o mundo ocidental a uma enorme crise financeira - usando instituições sem a legitimidade do voto e torneando a democracia. Aqueles que aplaudem estas medidas nunca se devem esquecer disto mesmo: venceram contra a democracia. Poderão impôr o seu ponto de vista mas ele não tem a força moral da legitimidade democrática. O modelo social que garantiu meio século de paz, de prosperidade e de uma igualdade sem precedentes na Europa será destruído através da suspensão de todas as regras democráticas. Não é através do voto do povo que lá chegarão.

 

Esta medida, como outras, deixará claro o objetivo destas intervenções em países em crise: transferir recursos do Estado para um setor financeiro descapitalizado pelos seus próprios erros. Parte das receitas da privatização (em saldo) do património público terá como destinatária a banca privada nacional. Depois de obrigarem os contribuintes a salvar com dinheiros públicos bancos geridos por criminosos, depois de obrigarem os Estados a pagar juros usurários, a última parte do assalto será feita mais às claras e imposta por quem ninguém elegeu.

 

Fica provado o que já se suspeitava: o capitalismo financeiros com rédea solta é incompatível com a democracia. A ganância sem limites derruba todos os obstáculos que encontra pela frente. E o último é este: o poder dos cidadãos e do seu voto.

 

Corremos muitos riscos se resistimos a este golpe de Estado e a este assalto? Sim. Mas o que está em causa é quase tudo o que realmente interessa: se estamos dispostos a entregar aos assaltantes tudo o que temos, incluindo a nossa democracia, ou se vamos, independentemente de todos os perigos, resistir.

 

Publicado no Expresso Online



por Daniel Oliveira
 
 
publicado por portuga-coruche às 07:10
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011

Portugal está no pior momento desde 1976

António Barreto

“Portugal está no pior momento desde 1976”

Maria João Avillez  

 

 

António Barreto em entrevista ao Etv.

 

O presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos fala sobre crise, eleições e o futuro do País.

Teorizou e reflectiu em voz alta que é o que gosta fazer, reviu a matéria e reviu-nos a nós, em crise e num "regime bloqueado". Evocou políticos e partidos sem se enternecer e foi capaz da frontalidade do costume e da fidelidade aos seus cavalos de batalha. António Barreto, 68 anos, preside actualmente aos destinos da Fundação Francisco Manuel dos Santos, a "mãe" da "Pordata" (ele é o pai) onde estão hoje em curso 18 projectos (!) sob a sua regência: uns já em vias de concretização, outros ainda em fermentação, mas como todos o solicitam por igual, o trabalho é pesado. No final do ano impôs-se uma pausa - foi para o Vidago - e fez solene recomendação a si mesmo - menos sofreguidão laboral em 2011. Portugal gostaria de contar mais com ele no palco mas aí, ou ele disfarça, ou todas as nostalgias ficaram já irremediavelmente para trás: "não". Barreto está bem como está. Uma sorte.

As presidenciais teriam sido um bom momento de arranque, para a seriedade, a responsabilidade e o trabalho de que Portugal precisa, ou...como falo com um pessimista, já não ia muito a tempo?
Não sou pessimista. Sou céptico, é diferente. Sim, a campanha podia ter sido diferente, os principais candidatos podiam ter exposto mais o seu pensamento, as suas intenções os projectos, mas foram muito cautelosos quanto a isso.

O momento pedia o contrário...
Pedia. Mas caímos sempre no mesmo com este regime que não é semi-presidencial nem coisa nenhuma. Qualquer futuro Presidente da República sabe que dependerá do Parlamento, dos partidos, sabe que não tem poderes e gostava de ter mais... Assim, tiveram cautela e falaram genericamente do desenvolvimento de Portugal!

 

in Económico

 

Os comentários são interessantes e de destaque:

 

"Fale-se aberto! , | 28/01/11 16:51
Que grande novidade, o País definha-se a todo o momento por culpa da Classe Política oportunista e incompetente, Mas São Todos iguais, Não há um Só que se distinga, assim como os Líderes dos Partidos e Organizações Políticas. Quanto a PR há que dizer uma Verdade Nua e Crua, o PR em Portugal é uma Figura do Faz de Conta, Não Tem Poderes nem pode fazer nada, é sómente mais uma pessoa a ser sustentada pelos Portugueses. Afinal pergunta-se; para que serve o PR? E mais, para que serve a AR e os Deputados? Para Nada, É que os Deputados São Uma Vergonha em Tudo, Não Sabem Ocupar o seu Lugar, Não Sabem Exercer as suas Funções, Não São Democratas, Não Respeitam os Cidadãos, Não Respeitam quem os escolheu, enfim, Deputados e AR Não deviam de existir por Não Servirem Os Interesses Nacionais. Dirão, como se pode dizer isto se estamos em Democracia? Mas qual Democracia? Vejam a Legislação emanada da AR e depois tirem conclusões. Afinal estamos ou Não estamos piores do que em 1976? Bem piores, e piores estaremos enquanto os Portugueses Não Fizerem a Revolução Portuguesa, ou seja, enquanto os Portugueses Não expulsarem e Destituirem Todos os Políticos que gravitam em Portugal. Portugal jamais será um País Livre e Democrático. Estes Políticos Não são políticos, São individuos Sem Escrúpulos, Sem Formação Política, Sem Formação Académica Reconhecida, Sem Educação, Sem Respeito e Dignidade. Portugal Tem que Fazer Imediatamente Uma Revolução, Não de Cravos e Flores, uma Revolução que Expulse e Retire Todos os Privilégios a Todos os Políticos e a aqueles que os apoiaram por serem Indivíduos que Desonraram a História e Cultura de Portugal."

 

"Oliveira , Coimbra | 28/01/11 14:20
Eu também gostava de arranjar o belo TACHO que o Barreto arranjou, ficar a fazer estudos numa Fundação para o resto da vida, dar palpites nas TV´s, etc, emprego catita - quanto é que ele ganha, já agora, alguém sabe?... Gostava que ele o disesse publicamente, sobretudo quando fala de "sacrifícios", para ver se não é para os outros só... Ainda me lembro do "outro" Barreto, tinha a voz menos delicodoce e foi um dos ministros que DESTRUIU a agricultura no Alentejo, outros tempos... se calhar agora até acha que devíamos ter mais produção agríciola, mas na altura em que teve poder só destruiu e nada mais, pois... Saltitou no PS, agora anda a reboque do PSD, é daqueles que flutua muito bem ao sabor das circunstâncias, o sociólogo "bloco-central" encostado à Direita perfeito!... É mais um daqueles que vai "criando" opinião porque integra a esquadrilha de malta amiga que saltita nos Orgãos de Com. Social, sempre os mesmos, sempre na mesma linha, sempre para convencer o povo que não há alternativa, é o "caos", é a "miséria", é o FMI, etc. Reparem bem nos "comentadores" de serviço - sempre os mesmos... A crise está até a ser óptima para estes rapazes - já viram o que devem ganhar só com depoimentos, comentários e artigos para jornais?... Olarilas! Eles sabem-na toda... :-)"

 

 

"M. N. , Algarve | 28/01/11 12:13

Será que não existem umas "Almas" patrióticas, que queiram defender os altos valores da Nação Portuguesa ?

que queira lutar pela defesa da moralidade na vida Pública,

que queiram encabeçar um movimento na luta contra a corrupção,

na luta contra o compadrio,

na luta pela valorização do trabalho e daqueles que produzam riqueza social,

na luta pela alteração da Constituição ( reduzindo o nº de Deputados ) e os que componham a AdaR defendam intransigentemente o País e os Portugueses,

Será que não seria possivel formar esse Movimento Cívico, composto por Cidadãos honestos, integros, lutadores, com sensibilidade social e que queiram ficar na História como os Salvadores de Portugal ?

Se nada for feito, com urgência, temo que venhamos todos a cair num grande lamaçal de MISÉRIA E SOFRIMENTO"

 

 

"M. N. , Algarve | 28/01/11 11:52

Eu faço parte dos mais de 6.000.000 de Portugueses que não se revêm nos actuais politicos e governantes.

Agora pergunto, o que mais é preciso para esta situação ser alterada ?teremos que executar acções, como na Tunísia, Egipto, Libano, etc. ???

Sinceramente , acho que esse não será o melhor caminho e por isso não desejo que aconteça !"

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:15
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

Ferreira Leite questiona se «não é bom haver seis meses sem democracia»

«Mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia», disse a líder do PSD

 

A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, perguntou hoje se «não é bom haver seis meses sem democracia» para «pôr tudo na ordem», a propósito da reforma do sistema de justiça, noticia a agência Lusa.

 

No final de um almoço promovido pela Câmara de Comércio Luso-Americana, Manuela Ferreira Leite elegeu a reforma do sistema de justiça «como primeira prioridade» para ajudar as empresas portuguesas.

PSD explica que Ferreira Leite criticou o Governo
Sá Carneiro «deve dar voltas no túmulo»

Questionada sobre o que faria para melhorar o sistema de justiça, a presidente do PSD demarcou-se da atitude do primeiro-ministro, José Sócrates, que «na tomada de posse anunciou como grande medida reduzir as férias do juiz».

Defendendo a ideia de que não se deve tentar fazer reformas contra as classes profissionais, Manuela Ferreira Leite declarou: «Eu não acredito em reformas, quando se está em democracia...», fazendo nessa altura uma pausa e deixando a frase por concluir.

«Quando não se está em democracia é outra conversa, eu digo como é que é e faz-se», observou em seguida a presidente do PSD, acrescentando: «E até não sei se a certa altura não é bom haver seis meses sem democracia, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia».

«Agora, em democracia efectivamente não se pode hostilizar uma classe profissional para de seguida ter a opinião pública contra essa classe profissional e então depois entrar a reformar - porque nessa altura estão eles todos contra. Não é possível fazer uma reforma da justiça sem os juízes, fazer uma reforma da saúde sem os médicos», completou Manuela Ferreira Leite.

A presidente do PSD disse que a última coisa que faria num discurso de posse como primeira-ministra seria «atacar fosse quem fosse» e acusou o Governo de ter falhado as reformas da educação, saúde, Administração Pública e justiça.

Crítica a reformas

«Qualquer político que pretenda alterar um sistema não o pode fazer contra esse sistema. Portanto, eu acho que estão arrumadas, no mau sentido, as reformas da educação, saúde, Administração Pública, justiça. Fizeram-se umas coisitas, mas não é a reforma», considerou.

À saída do almoço-debate, Manuela Ferreira Leite não quis responder às perguntas dos jornalistas, que tentaram questioná-la sobre as suas declarações relativas à democracia.

A presidente do PSD apenas respondeu à primeira questão, sobre o ministro da Agricultura, Jaime Silva, dizendo que mantém todas as críticas que fez à política agrícola do Governo: «Não retiro uma vírgula àquilo que disse».
 

 

 

in IOL Diário

 

Concordo plenamente Manuela. Eu, só por o que disse e porque estou de acordo já votava em si, mas o facto de ver alguns políticos da treta todos vermelhos em bicos de pés a gritarem, confirmo ainda mais o meu voto.

A democracia deixa-nos respirar a liberdade mas quando não é a oposição é a lei a impedir que algo se faça. Os cuidados excessivos para que algo se faça mesmo num país pequenino, tornam o estado num gigante esfomeado por impostos mas lento a agir e na maior parte das vezes nem o faz.

Se o governo eleito não tem poderes para fazer seja o que for, se as suas propostas são rejeitadas pela oposição, desgastadas pela Comunicação Social e sempre, mas sempre rejeitadas pelas classes profissionais abrangidas, nada se pode fazer. Como se faz uma reforma sem mudar as coisas, as más e as boas ?. Penso que seja nesse sentido que Manuela Ferreira Leite Fala e é nesse sentido que eu concordo com ela.

Todos os sectores em Portugal necessitam de reforma, nenhum a quer fazer e todos acham que é melhor estar mal do que mudar para outra situação que acham ainda pior.

Todos os sectores afectam os portugueses, desde a saúde ao ensino, passando pela justiça e as polícias, os militares e até o próprio sistema político.

Sem poder e sem que as coisas se façam nada muda. A democracia actual asfixiou o poder e ao memo tempo não consegue também cuidar do cidadão logo necessita também de mudar.

É claro que não defendo uma ditadura, mas talvez este comentário de MFL abra uma porta para se falar e pensar sobre a democracia e os seus problemas.

publicado por portuga-coruche às 10:41
link do post | comentar | favorito

.Citações Diárias

.Visitantes On-line

.Total de Visitas


Consultar Estatisticas

.Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Boaventura de Sousa Santo...

. A injusta "Justiça"

. Falsa democracia

. A pensar nas eleições

. “Candidato”Coelho e Garci...

. O golpe de Estado dos ass...

. Portugal está no pior mom...

. Ferreira Leite questiona ...

.últ. comentários

Sr José Sá, já confirmou a sua tese? Obrigado
Eu uso os produtos da HerbaLife há anos e são fant...
Tudo é muito aberta e muito clara explicação de qu...
Ė e nāo e pouco....
Subscrevo, já cá temos miséria que nos baste, e ge...
Por ser nutricionista e' que fala assim...
http://www.publico.pt/economia/noticia/herbalife-i...
essa empresa foi vendida a eden , que pelo visto a...
Estou para comprar um carro usado num stand de Sal...
VAI SE FERRAR. .INGERI OS COMPRIMIDOS DE MULTIVITA...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abel matos santos

. acidente

. água

. águas do ribatejo

. almeirim

. apanhados

. aquecimento global

. assalto

. autarquia

. benavente

. biscainho

. blogosfera

. bombeiros

. burla

. câmara municipal de coruche

. carina

. cdu

. china

. ciência

. cigana

. ciganos

. clima

. climategate

. cobre

. comboio

. copenhaga

. cortiça

. coruche

. couço

. cp

. crianças

. crime

. criminalidade

. crise

. dai

. david megre

. desaparecida

. desaparecidos

. desemprego

. desporto

. dionísio mendes

. dívida

. douro

. droga

. economia

. edp

. educação

. emigração

. emprego

. energia

. ensino

. escola

. espanha

. etnia

. fajarda

. faleceu

. fascismo

. festas

. finanças

. fmi

. fome

. gnr

. humor

. imperialismo

. impostos

. insólito

. internet

. ipcc

. justiça

. ladrões

. lamarosa

. meteorologia

. mic

. miccoruche

. morte

. música

. phil jones

. pobreza

. política

. pontes

. procura-se

. racismo

. roubo

. santarém

. saúde

. segurança

. sociedade

. sub

. tempo

. ticmais

. toiros

. tourada

. touros

. trabalho

. tráfico

. tribunais

. video

. videos

. violência

. xenofobia

. todas as tags

.links

.Enviem Notícias e Comentários

CONTACTO

greenbit@sapo.pt

.pesquisar

 

.Outro Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds