Quinta-feira, 10 de Março de 2011

Baixem o preço da gasolina, sff

É impressionante: na discussão sobre o preço da gasolina, os impostos continuam a ser desprezados. Nas conversas de café, as pessoas - pura e simplesmente - não sabem que 60% do preço da gasolina é imposto (ISP e IVA). As conversas giram em torno dos "bandidos" dos políticos e dos "bandidos" das gasolineiras. Sim, claro que é preciso discutir a questão do monopólio de certa e determinada companhia sobre a refinação em Portugal. Com certeza. Até porque esse monopólio é protegido pelo regime. Mas, caramba, nós temos uma carga fiscal absurda sobre os combustíveis. É isso que torna a nossa gasolina muito mais cara do que, por exemplo, a gasolina em Espanha. A realidade é esta: 60% do preço da gasolina é imposto. 60%. Se eu gastar 10 euros em gasolina, 6 euros vão direitinhos para os cofres do Estado. Um exercício de memória para ilustrar este ponto: há uns aninhos, Sócrates aumentou o ISP com o objectivo de "pagar" as SCUT; agora, com o fim das SCUT, por que razão não baixam o imposto? Porquê? Porque, para os socialistas, os impostos têm de desafiar a gravidade: sobem, mas nunca caem.

Ora, eu não estou à espera que o PS defenda um abaixamento dos impostos. Faz parte da sua natureza pilhar a sociedade através do sistema fiscal. O socratismo aumentou todos os impostos. Todos. E, como diz o Presidente, há limites aos sacrifícios que um cidadão pode fazer. Neste sentido, eu não percebo por que razão o PSD e o CDS não apresentam - já - um discurso político contra estes impostos altíssimos sobre os combustíveis. Além de ser coerentíssimo do ponto de vista político, este discurso é altamente popular. As pessoas querem ouvir alguma coisa sobre este sufoco petrolífero. Meus caros Pedro Passos Coelho e Paulo Portas, não custa nadar dizer isto: "portugueses, nós vamos baixar o preço da gasolina, porque vamos baixar os impostos sobre a gasolina. Quando dizemos que o Estado tem de ser reduzido e reorganizado, estamos a pensar precisamente nisto: não podemos continuar a saquear a população através de impostos". Custa assim tanto desenvolver esta narrativa?

 

Por Henrique Raposo

in Expresso

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011

Como se consegue viver com menos de 540 euros mensais?!

Portugal. 1,3 milhões de famílias ganham menos de 540 euros brutos/mês

 
Um terço das 4,6 milhões de famílias ganha menos de 7,5 mil brutos/ano. Mas há 150 a ganhar mais de 1,6 milhões

 

 

 

A maioria dos agregados portugueses declara 9 mil a 11,5 mil euros brutos por ano
Entre os 4,66 milhões de agregados familiares que entregaram declarações de rendimentos, contam-se 1,33 milhões com um rendimento global abaixo dos 7500 euros, ou seja, menos de 540 euros brutos por mês, se considerarmos a existência de subsídios de férias e Natal. Ignorando estes dois, falamos em 1,33 milhões de agregados com rendimentos mensais abaixo dos 625 euros brutos. Os números são da Direcção-Geral dos Impostos e reportam-se ao ano mais recente de que há dados completos: 2009.

Olhando em detalhe para cada um dos escalões de rendimentos até 7500 euros brutos, o quadro fica bem negro. É que dentro destes 1,33 milhões de famílias, contam-se quase 295 mil lares, onde os rendimentos globais não chegam sequer aos três mil euros brutos anuais. O total das famílias nesta situação declaram ao Fisco 414,7 milhões de euros brutos anuais que, numa média simples, implica que cada um dos lares ganhe 1400 euros brutos por ano.

Já no patamar seguinte, entre os 3 mil e os 4,5 mil euros brutos anuais, contam-se 268 mil agregados. Estes ganham um total de 975 milhões de euros brutos por ano, valor que atira para um rendimento médio anual de cada uma destas famílias na casa dos 3600 euros, ou 300 euros por mês, considerando 12 meses.

No escalão seguinte, entre os 4,5 mil e os 6 mil euros anuais, estão mais 289 mil agregados familiares, que ao todo ganham por ano 1,54 mil milhões de euros. Ou seja, uma média de rendimento anual de 5,3 mil euros brutos. Já entre os 6 mil e os 7,5 mil euros, encontram-se outros 487,5 mil agregados, cujos rendimentos totais atingem 3,27 mil milhões de euros. Em média, cada um destes agregados terá um rendimento anual de 6,7 mil euros.

Açores penalizados É na região autónoma dos Açores que as famílias com rendimentos abaixo dos 7500 euros brutos por ano mais pesam. São 31,5 mil agregados nesta situação, num universo de 101,4 mil, representando assim 31,1% do total. Na Madeira, apenas 28,4% dos agregados registados estão nessa situação - 31,1 mil em 109,7 mil lares -, enquanto que em Portugal Continental o peso de famílias a ganhar menos de 7500 euros brutos por ano está nos 28,6% - são 1,27 milhões em 4,44 milhões de agregados -, segundo contas do i tendo por base os dados da Direcção-Geral dos Impostos.


Mais de um milhão As regiões autónomas continuam a perder se olharmos para os rendimentos globais dos portugueses pelo ângulo dos que mais ganham.

Segundo os dados do Fisco, não há nenhum agregado familiar nos Açores ou na Madeira a ganhar mais de um milhão de euros brutos por ano. Já em Portugal Continental, diz o Fisco, contam-se 150 agregados nessa situação: ganharam um total de 250 milhões de euros, ou seja, 1,66 milhões de euros brutos para cada uma dessas famílias.

Um último dado a realçar dos dados disponibilizados pelo Fisco ao Parlamento: o patamar de rendimento onde se encontram mais famílias portuguesas está na parcela entre os 642 euros e os 958 euros brutos mensais (escalão: 9 mil e os 11,5 mil euros/ano). São mais de 550 mil famílias.


por Filipe Paiva Cardoso

in iOnline

 

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:10
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

Subida na factura da luz chega aos 4,7% para financiar a RTP

Orçamento do Estado

por Ana Suspiro
 

 

 

Em 2011, haverá um duplo aumento na factura mensal da electricidade. À subida de 3,8% no preço é preciso juntar o agravamento em quase 30% da contribuição audiovisual, prevista na proposta de Orçamento do Estado
Sexta-feira foi anunciado um aumento de 3,8% nas tarifas da electricidade. É mais um euro e meio por mês para uma factura mensal média de 40,6 euros, nas contas da proposta da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) para 2011. Só que horas depois, a proposta de Orçamento do Estado dava a conhecer um aumento de 29% na contribuição audiovisual.

A antiga taxa de televisão, que é paga nas facturas da electricidade, passa de 1,74 euros para 2,25 euros por mês. Um aumento que, assume o governo no Orçamento do Estado, dará oportunidade à revisão em baixa da indemnização compensatória prevista para a RTP. Ou seja, para reduzir a factura do Estado, o governo eleva a factura dos consumidores.

Juntando os aumentos, os 3,8% da electricidade e os 29% da contribuição audiovisual, a factura média vai subir cerca de dois euros/mês. Isto significa que o aumento será de 4,7% em relação à factura mensal média estimada pela ERSE para uma família, que em 2010 é de 40,6 euros sem a contribuição audiovisual.

A nova contribuição vai ainda penalizar os consumidores mais frágeis que o governo colocou na tarifa social de electricidade. As cerca de 670 mil famílias com rendimentos mais baixos foram poupados ao aumento da electricidade de 3,8% em 2011, beneficiando de um tecto de 1% para a actualização tarifária.

Taxa apanha tarifa socialNo entanto, esta intenção pode vir a ser contrariada pela subida da contribuição audiovisual que, pela informação disponível, continuará a ser paga por estes consumidores. Neste caso, o aumento da factura passa dos 20 cêntimos previstos pela ERSE, para mais 71 cêntimos, ou seja um acréscimo superior a 3% em relação à factura mensal média de 20,9 euros destes clientes, que representam pouco mais de um milhão de consumidores.

A contribuição audiovisual garante uma receita da ordem dos 100 milhões de euros ao grupo RTP, onde se incluem os serviços públicos de televisão e rádio. Com a subida prevista no OE 2011, o acréscimo de receita supera os 30 milhões de euros. A este valor somam-se as indemnizações compensatórias e aumentos de capital que o Estado tem feito anualmente na RTP no quadro do processo de reestruturação e saneamento assinado em 2003 por Durão Barroso.

Em 2009, o grupo RTP recebeu 205 milhões de euros em indemnizações compensatórias e aumentos de capital, Em 2010, e até ao terceiro trimestre, as transferências do Estado chegavam já aos 197 milhões de euros.
 
 
 
Eu que nem tenho sinal livre em casa do Canal 1 (Tenho Zon na sala e na cozinha tenho uma antena interior que não recebe o Canal1) sou um entre tantos otários que paga para ver televisão e para sustentar a RTP. Existem alguns que, como é o caso de agricultores e proprietários de pecuárias que realmente é caricato pagarem a referida taxa, mas, como já referi num post anterior, confirma-se que a República não veio libertar o país da posse monárquica veio alterar a posse do país. Dantes eram os condes e marqueses, hoje são doutores e engenheiros, uns da maçonaria outros por outra qualquer razão, continuam a distribuir tachos e cunhas, influências e mealheiros.
Cambada de sanguesugas......
publicado por portuga-coruche às 07:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 16 de Abril de 2010

Afinal quem é o "ladrão"?!

Discurso Directo

“Fogem para Espanha mil milhões em IVA”

 

Virgílio Constantino, Presidente da ANAREC sobre o preço dos combustíveis em Portugal

Correio da Manhã –Como vê as palavras do ministro Vieira da Silva, que admitiu que os preços dos combustíveis são elevados?

Virgílio Constantino – Vemos com surpresa o facto de o sr. ministro não se ter apercebido até agora que os combustíveis têm este preço por causa da excessiva carga fiscal. A ANAREC tem vindo, desde 2006, a chamar a atenção para o efeito da excessiva carga fiscal que incide sobre os combustíveis junto dos responsáveis políticos.

– E é apenas este factor ou há cartelização?

– A Autoridade da Concorrência já concluiu que não há cartelização por parte das petrolíferas. O problema situa-se do lado do Governo e do ponto de vista da tributação. A 5 de Abril, a gasolina tinha um imposto agregado – IVA + ISP (imposto sobre produtos petrolíferos) – de 81 cêntimos, quando o preço por litro estava nos 1,39 euros. Vê--se por aqui o peso da carga fiscal.

– Mas num cenário de crise justifica-se baixar o ISP?

– Acho que sim. Evitávamos a fuga de abastecimento para Espanha. E as pessoas quando vão a Espanha não vão apenas abastecer, vão também comprar calçado, roupa e alimentos. Não estamos a falar de um imposto único que fica retido no país vizinho.

– Qual é o valor da fuga de IVA em combustível para Espanha?

– Estimamos que esteja num valor próximo dos mil milhões.

– Já disse que acha estranho que as petrolíferas só baixem os preços ao fim-de-semana. Qual é a razão para justificar isto?

– As petrolíferas têm a sua política comercial e privilegiam o consumo ao fim-de-semana. Gostávamos era que esse desconto se prolongasse aos dias da semana.

– Poderá ter a ver com o facto de os hipermercados captarem mais clientes ao fim-de-semana e venderem mais barato?

– Não tenho dúvidas de que terá a ver com a concorrência dos hipermercados.




Diana Ramos

  

in Correio da Manhã

 

Quer isto dizer que, em cada 50 euros que metemos no dia 5 de Abril de gasolina estavamos a pagar 29,14 € de imposto.

Portanto, se isto não é uma exploração, pelo menos é uma presunção de que somos todos otários.

Se 36 litros de gasolina são vendidos a 50 €, dos quais 29,14 € vão para os cofres do Estado (mas proveem do nosso suor), quando o seus agentes cobram 20,86€ o estado cobra 29,14€.

Não adianta pedir ao Estado que verifique se a Autoridade da Concorrência está mesmo a confirmar se existe cartelização. Uma vez que a origem dos preços elevados está mais que vista ......

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 23 de Março de 2010

Injustiças fiscais

■■■ “Não vale a pena trabalhar em Portugal.

De facto, quando se verifica a diferença de tratamento fiscal entre os rendimentos do trabalho e os de capitais, chega-se logo a essa evidência. Fiscalmente fomenta-se o ócio em vez do trabalho. Quem aplicar cinco milhões de euros num depósito à taxa de 1,5%, obterá um rendimento anual de 75 mil euros. Sobre este montante incidirá uma taxa de IRS de 20%. Por outro lado, se esses 75mil euros forem obtidos a trabalhar, a taxa já será de 42%! Se o mesmo montante for aplicado em produtos de capitalização bolsista, as mais-valias poderão ser taxadas em 10% ou até nem o serem. Quem tiver uns milhões de euros a render no banco, mas não tiver rendimentos de trabalho poderá, devido a essa condição, ser considerado como pobre e assim aceder a todos os apoios sociais previstos para o efeito, incluindo o rendimento mínimo.”

PAULO CONDE

 

In “Correio dos Leitores” do Global Notícias n.º 576 de 23 Março de 2010

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010

Olhem que se pegar moda ......

 

 

 

 

publicado por portuga-coruche às 11:50
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

BPP pago pelos contribuintes

 


 

José Goulão/Lusa 
Os clientes protestaram ontem em Lisboa, frente ao Parlamento
 Os clientes protestaram ontem em Lisboa, frente ao Parlamento

Garantia de reembolso abrange cerca de 2250 clientes

São os contribuintes, através de verba inscrita no Orçamento do Estado, que vão pagar parte do dinheiro aplicado pelos clientes do retorno absoluto do BPP.

 

O Governo vai comprometer-se a pagar o intervalo entre o valor das aplicações que estiverem no Fundo Especial de Investimento, que será constituído até ao fim de Fevereiro, e o tecto máximo de 250 mil euros de reembolso que o Executivo admite pagar na maturidade do fundo, ou seja, daqui a quatro anos. A garantia de reembolso abrange cerca de 2250 clientes.

'A recuperação de até 250 mil euros é fixada no montante correspondente exclusivamente à diferença entre o valor nominal das aplicações dos titulares de contas de Retorno Absoluto de Investimento Indirecto', lê-se no Orçamento do Estado. 'Os eventuais encargos decorrentes da execução do disposto nos números anteriores são suportados por recurso a adequada dotação a inscrever no Orçamento do Estado referente ao ano em que for exigível o respectivo pagamento', acrescenta.

Numa fase inicial, a verba a atribuir aos clientes será paga pelo accionamento do Fundo de Garantia de Depósitos e do Sistema de Indemnização dos Investidores, caso os clientes adiram ao fundo. Os pagamentos serão feitos 'a título de ressarcimento indemnizatório, amortização de capital, distribuição de rendimentos, partilha de activos em liquidação, ou qualquer outro'.




 

D.R.
 
in Correio da Manhã
 
É pá grande ideia! Já que não consigo poupar um xavo ao menos vou contribuir para que aqueles que o conseguem possam recuperar o dinheiro que perderam por terem caído numa falcatrua do Banco BPP e que o Estado assume, desdizendo-se, pois tinham dito que não seriam os contribuintes a pagar, afinal sempre serão os contribuintes.
 
 

 

publicado por portuga-coruche às 15:18
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Setembro de 2009

Gang luso-espanhol desvia 105 milhões

Sucatas: Estado reclama 105 milhões de pagamentos indevidos em sede de IVA

 

"Cheguei a carregar sucata para Espanha cinco a sete vezes por dia. Mas estou de consciência tranquila. Infelizmente, só através das facturas falsas se sobrevive neste negócio, vai ser sempre assim." A afirmação pertence a António Marques Cardoso, ex-empresário do sector de sucatas e um dos principais arguidos do processo que lesou o Estado em mais de 105 milhões de euros e que depois de amanhã chega a julgamento. António reconhece o esquema paralelo – que leva 57 arguidos ao banco dos réus, por fraude fiscal, branqueamento e associação criminosa – mas garante que todos os empresários do sector o praticam.

Conheça todos os pormenores na edição de segunda-feira do jornal 'Correio da Manhã'.

 

in Correio da Manhã

 

Para tirar o apartamento, carro e pertençes ao desgraçado que vive do ordenado, metendo no meio da rua famílias com crianças e idosos, sem qualquer plano de acolhimento, só porque o dinheiro não chega para pagar a prestação mensal existe toda a legitimidade e o "direito" funciona, mas para apanhar a "raia grauda" não existe. Os bancários fazem o que querem, os traficantes da pesada fazem o que querem, os oportunistas vivem das falhas do sistema e é sempre o mesmo a levar por tabela: o pobre que não tem dinheiro para viver quanto mais para recorrer à justiça para fazer valer os seus direitos.

publicado por portuga-coruche às 09:50
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

Chip obrigatório custa dez euros

Automóveis: Governo quer identificadores nos carros

Chip obrigatório custa dez euros

O presidente do Automóvel Clube Português (ACP), Carlos Barbosa, defende que o preço do chip, que o Governo quer introduzir nos carros de forma a fiscalizar em tempo real o seguro e a inspecção, devia ser pago pelas companhias de seguros. "Penso que o chip deveria ser oferecido pelas companhias de seguros, dado que vão ser as mais beneficiadas com a medida", refere o presidente do ACP.

 

O Governo discute quarta-feira no Parlamento uma proposta de lei para tornar obrigatória a colocação, em cinco milhões de carros, do Dispositivo Electrónico de Matrícula (DEM), com informação sobre o seguro automóvel e inspecção obrigatória, que pode ser lida electronicamente de forma semelhante ao sistema Via Verde da Brisa.

O novo identificador tem um preço previsto de dez euros, que ficará a cargo dos proprietários dos automóveis.

A medida ainda não chegou ao Parlamento mas já está a gerar polémica. A Oposição considera que o sistema poderá constituir uma violação de privacidade, caso os dados pessoais contidos no chip sejam usados de outra forma que não a prevista, nomeadamente para fins de investigação criminal. O Governo garante que o único objectivo é o aumento da segurança rodoviária, pelo acréscimo da fiscalização.

"AGARRAR OS QUE NÃO TÊM SEGURO"

O Dispositivo Electrónico de Matrícula (DEM) vai colocar Portugal na linha da frente das matrículas electrónicas, depois de ter sido pioneiro no sistema Via Verde. A questão da possível violação de privacidade não se coloca ao presidente do Automóvel Clube de Portugal (ACP), que diz "ficar descansado" com o parecer positivo da Comissão Nacional de Protecção de Dados e classifica a medida de positiva. "Finalmente vamos agarrar, de uma vez por todas, os que não têm seguro e que custam uma fortuna a quem contribui para o Fundo de Garantia Automóvel", garante Carlos Barbosa. O responsável considera que fica apenas a faltar "uma fiscalização mais rigorosa aos próprios centros de inspecção".

PORMENORES

DEZ EUROS

O Dispositivo Electrónico de Matrícula tem um custo estimado em cerca de dez euros, valor que terá de ser suportado pelo proprietário ou utilizador de cada veículo.

UNIVERSO

Os dois milhões de aderentes da Via Verde não necessitam de adquirir o novo aparelho. Restam três milhões de proprietários automóveis, que serão obrigados a comprar o identificador.

OPORTUNIDADE

Este chip criará uma oportunidade de negócio, para empresas de novas tecnologias, avaliada em 150 milhões de euros.

 

in Correio da Manhã online

publicado por portuga-coruche às 09:39
link do post | comentar | favorito
Domingo, 1 de Junho de 2008

Se os nadadores-savadores fossem assim

Impostos: Sócrates diz que não cederá ao «facilitismo»

Primeiro ministro insurgiu-se contra «ataques pessoais» de Francisco Louçã

O secretário-geral do PS afirmou que o Governo não cederá ao «facilitismo», baixando impostos para cobrir os aumentos da gasolina, e insurgiu-se contra os «ataques pessoais» lançados pelo líder do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, informa a Lusa.

 

A actual conjuntura económica com o aumento dos preços dos combustíveis, a revisão do Código de Trabalho, a reforma da administração pública e as recentes polémicas com Francisco Louçã em debates parlamentares foram os quatro principais temas da intervenção de Sócrates na Comissão Nacional do PS.

Na sua intervenção, citada por um dos dirigentes do PS, o líder socialista lamentou «os ataques pessoais» que têm sido desferidos por Francisco Louçã, referindo que visaram primeiro Jorge Coelho e depois de o secretário-geral da UGT, João Proença.

Sócrates contra pressões do PCP e BE

Além desta referência, José Sócrates também deixou críticas à alegada pressão exercida pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda contra acordos de concertação social entre o Governo e os sindicatos, designadamente ao nível das reformas laboral e da administração pública.

Quanto à política económica - tal como referiria mais tarde o porta-voz do PS, Vitalino Canas, em conferência de imprensa -, Sócrates afirmou perante os dirigentes socialistas que o Governo «não vai ceder ao facilitismo» perante as dificuldades da actual «crise económica internacional».

Com essas palavras, o secretário-geral do PS vincou que o executivo não descerá os impostos para tentar compensar a actual alta dos preços dos combustíveis.

Como afirmou depois Vitalino Canas, «o Governo do PS vai seguir o rumo definido», tendo «a consciência de que é possível ultrapassar as dificuldades».

«O PS não irá enfrentar as dificuldades que se sentem actualmente com facilistimo. Não vai corresponder às propostas facilistas e populistas que vêm das oposições de direita e da esquerda, mas vai estar atento aos que se encontram em situação de maior fragilidade», declarou.

Greve dos pescadores não abordada

Depois de rejeitar uma descida de impostos, o porta-voz do PS declarou que a actual greve dos pescadores não foi tema abordado na reunião da Comissão Nacional do PS, alegando que «a situação tem sido acompanhada pelo ministro da Agricultura, Jaime Silva».

No entanto, o dirigente socialista evidenciou depois as «dificuldades geradas pela presente crise internacional».

«Se Portugal não tivesse com a situação orçamental controlada, com o défice em 2,6 por cento em 2007, seria agora extremamente difícil enfrentar a actual crise internacional», sustentou.

 

in IOL Portugal Diário

 

Se os nadadores-salvadores fossem assim, as pessoas a afogarem-se e eles: "Coragem, vocês aguentam-se"; "Só mais 300 metros e vocês salvam-se" - entretanto deixa-se de ver o naufrago - "Coragem, nada por baixo de água. Eu não cedo a facilitismos! Vocês tem que abrir a pestana, andam aqui a dormir e depois nós é que os temos que salvar. Qualquer dia ninguem sabe nadar".

Obviamente que este naufrago morre. E, assim como ele muitos portugas já cortaram em tudo o que podiam cortar para reduzir as despesas de modo a poderem aguentar e não chega. É muito difícil aguentar e já não temos mais onde cortar Sr. Sócrates.

Medidas imediatas:

1º - Realizar um plano para a independência energética Portuguesa (Charles de Gaulle teria muito para ensinar aos nossos políticos).

2.º - Estudar a realização a curto prazo em Portugal de pelo menos duas centrais nucleares. (aqueles que são contra devem pensar que pelo facto de termos fronteira com Espanha que as espanholas são outra realidade)

3.º - Parques eólicos, solares e maritimos (energia das ondas eólica e solar ou estas combinadas) em todas as autarquias e com objectivos percapita ou seja conforme o número de habitantes, objectivo é chegarmos a 100 por cento da cobertura das das necessidades.

4.º - Facilitar a o estabelecimento de fábricas de viaturas eléctricas, a alcool e outras energias alternativas aos derivados do petroleo.

5.º - Alterar a legislação de modo a se poderem alterar as viaturas a gasoleo e gasolina (sei que os fabricantes vão gritar, mas então eles que as promovam, ou isso ou que ajudem a comparticipar os combustiveis a que as viaturas deles se movem) e fomentar a criação de empresas especiallizadas e certificadas nessas alterações.

6.º - Começar a primeira central geotérmica e planear a realização de várias a nível nacional.

7.º - O uso da energia dos rios que se movimentam da nascente até à foz já foi utilizada para fazer farinhas, talvez se consiga também e sem grandes investimentos retirar energia que convertida daria electricidade. Onde está a coragem e as mangas arregaçadas senhores ministros ?

Façam os vossos comentários.

publicado por portuga-coruche às 12:04
link do post | comentar | favorito

.Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O QUE PAGAMOS NA FACTURA ...

. Aqui a caridade faz-se co...

. "No dia 15 de Setembro, q...

. Estabelece-se uma ditadur...

. O assalto mensal

. Finanças atacadas com coc...

. D. Januário Torgal Ferrei...

. D. Januário Torgal Ferrei...

. Carta Aberta ao Sr. Prime...

. Eu quero ser rico....

.últ. comentários

Sr José Sá, já confirmou a sua tese? Obrigado
Eu uso os produtos da HerbaLife há anos e são fant...
Tudo é muito aberta e muito clara explicação de qu...
Ė e nāo e pouco....
Subscrevo, já cá temos miséria que nos baste, e ge...
Por ser nutricionista e' que fala assim...
http://www.publico.pt/economia/noticia/herbalife-i...
essa empresa foi vendida a eden , que pelo visto a...
Estou para comprar um carro usado num stand de Sal...
VAI SE FERRAR. .INGERI OS COMPRIMIDOS DE MULTIVITA...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abel matos santos

. acidente

. água

. águas do ribatejo

. almeirim

. apanhados

. aquecimento global

. assalto

. autarquia

. benavente

. biscainho

. blogosfera

. bombeiros

. burla

. câmara municipal de coruche

. carina

. cdu

. china

. ciência

. cigana

. ciganos

. clima

. climategate

. cobre

. comboio

. copenhaga

. cortiça

. coruche

. couço

. cp

. crianças

. crime

. criminalidade

. crise

. dai

. david megre

. desaparecida

. desaparecidos

. desemprego

. desporto

. dionísio mendes

. dívida

. douro

. droga

. economia

. edp

. educação

. emigração

. emprego

. energia

. ensino

. escola

. espanha

. etnia

. fajarda

. faleceu

. fascismo

. festas

. finanças

. fmi

. fome

. gnr

. humor

. imperialismo

. impostos

. insólito

. internet

. ipcc

. justiça

. ladrões

. lamarosa

. meteorologia

. mic

. miccoruche

. morte

. música

. phil jones

. pobreza

. política

. pontes

. procura-se

. racismo

. roubo

. santarém

. saúde

. segurança

. sociedade

. sub

. tempo

. ticmais

. toiros

. tourada

. touros

. trabalho

. tráfico

. tribunais

. video

. videos

. violência

. xenofobia

. todas as tags

.links

.Enviem Notícias e Comentários

CONTACTO

greenbit@sapo.pt

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds