Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2012

Aquecimento global: origem e natureza do alegado consenso científico

Um fenómeno sociológico, não um fenómeno físico


Cientistas fazem declarações sem significado ou ambíguas.
Advogados e medias traduzem tais declarações em sinais de alarme.
Políticos respondem ao alarme alimentando cientistas com mais dinheiro.

por Richard S. Lindzen (Wikipedia)

"Procurar falhas no IPCC é crucial. A noção de que se você for ignorante em alguma coisa e alguém lhe aparecer com uma resposta errada tem de aceitá-la porque não tem uma outra resposta errada para dar é como a cura pela fé, é como o charlatanismo na medicina. Se alguém lhe disser que deve ingerir caramelos para curar o cancro e você responder que isso é estúpido, ele diz: bem, pode sugerir alguma outra coisa? Será que ao responder que não isso quer dizer que você tem de ingerir caramelos?

 

A maior parte das pessoas instruídas aceita o aquecimento global como real e perigoso. Realmente, a propaganda em torno do aquecimento global leva muita gente a acreditar que se trata da principal ameaça que se apresenta à humanidade. Na Cimeira do Rio sobre o Clima, em Junho de 1992, foram esboçados acordos internacionais para lidar com aquela hipotética ameaça, em reunião assistida por chefes de estado de dúzias de países. Tenho a declarar de início que, como cientista, não vejo nenhuma base substantiva para as ameaças do aquecimento popularmente difundidas. Além disso, de acordo com muitos estudos de economistas, agrónomos, e hidrólogos, haveria pouca dificuldade na adaptação a um tal aquecimento, se viesse a acontecer. Tal é, também, a conclusão do relatório recente do Conselho Nacional de Investigação sobre adaptação às mudanças do clima. Muitos aspectos do cenário catastrófico já foram descartados pela comunidade científica. Por exemplo, o temor da elevação do nível do mar, presente em muitas das discussões iniciais sobre o aquecimento global, teve estimativas sucessivamente reduzidas em várias ordens de grandeza. Agora há acordo de que até mesmo a contribuição do aquecimento para a elevação do nível do mar seria secundária, face a outros factores mais importantes.

Para demonstrar porque afirmo não haver qualquer base substantiva para previsões de grande aquecimento global, devido a aumentos observados de gases com efeito de estufa tais como o dióxido de carbono, o metano, e os clorofluorcarbonetos (CFC), passarei em revista, de maneira breve, a ciência associada às previsões.

RESUMO DAS QUESTÕES CIENTÍFICAS

Antes de considerar a teoria do efeito de estufa em si é útil começar com algo que quase sempre é aceite como pacífico — é inevitável que a concentração atmosférica do dióxido de carbono venha a aumentar para o dobro do teor actual e possivelmente para o quádruplo. A prova da análise de amostras de cilindros de gelo polar e a amostragem atmosférica directa, mostram que a quantidade de anidrido carbónico no ar tem aumentado desde o ano de 1800. Antes de 1800 a densidade era de aproximadamente 275 partes por milhão em volume. Hoje é de 355 partes por milhão. Acredita-se que o aumento também é devido à combinação da queima de combustíveis fósseis e, antes de 1905, da desflorestação. Calcula-se que o volume total tenha aumentado exponencialmente, pelo menos até 1973. De 1973 até 1990 a taxa de aumento foi mais lenta. Cerca da metade do anidrido carbónico gerado migrou para a atmosfera.

É bastante incerto prever o que sucederá à emissão do anidrido carbónico ao longo deste século. Admitida uma tendência de expansão do uso de carvão, com desenvolvimentos rápidos no nível de vida do terceiro mundo, com grande aumento da população e reduzida participação no uso de combustíveis não-fósseis, de energia nuclear e outras, pode-se considerar um cenário de emissões que conduzirá à duplicação (em relação aos níveis actuais) do teor de anidrido carbónico por volta de 2030. O Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, da ONU, refere-se a este como o "cenário normal'' (business as usual) de desenvolvimento global. Como se mostra, o cenário usado é incompatível com dados registados do último século, ao prever que já teríamos aproximadamente 400 partes por milhão em volume. Um cenário desenvolvido no Max Planck Institute, de Hamburgo, mostra que nem sequer no tal "cenário normal'' seria duplicado o teor de anidrido carbónico até o ano 2100. Parece improvável, além disso, que o futuro da energia venha a pertencer apenas ao carvão, indefinidamente. Também acho difícil de acreditar que o desenvolvimento tecnológico não conduza a reactores nucleares aperfeiçoados num prazo de cinquenta anos.

Não obstante, já convivemos com um aumento significativo do teor de anidrido carbónico que foi acompanhado por aumentos de outros gases com efeito estufa antropogénicos tais como metano e clorofluorcarbonetos. Realmente, em termos de potencial de efeito estufa antropogénico, tivemos um aumento de 50 por cento em teor de dióxido carbónico equivalente durante o último século. Os efeitos dos aumentos são certamente merecedores de estudo, independentemente de qualquer cenário futuro quanto ao clima.

O EFEITO ESTUFA

A ideia simplificada na divulgação popular do efeito de estufa é a de que a atmosfera é transparente à radiação solar (ressalvada a interferência muito significativa da reflectividade das nuvens e da superfície) a qual aquece a superfície da Terra. A superfície compensa aquele aquecimento com contra-radiação infravermelha. Essa radiação aumenta com a temperatura crescente da superfície, e a temperatura ajusta-se até se alcançar o equilíbrio. Se a atmosfera também fosse transparente à radiação infravermelha, a contra-radiação induzida por uma temperatura média de superfície de menos dezoito graus Celsius equilibraria a radiação solar entrada (menos a reflectida para o espaço pelas nuvens). Mas a atmosfera não é transparente ao infravermelho. Desta forma a Terra aquece um pouco mais pela devolução à superfície terrestre da radiação do espaço (gases naturais com efeito de estufa) de um certo fluxo de radiação infravermelha. Isso é o que é chamado de efeito estufa natural.

O facto de a temperatura média da superfície da Terra ser de quinze graus Celsius positivos em lugar de menos dezoito graus Celsius é atribuído àquele efeito. Os absorvedores principais de infravermelho na atmosfera são o vapor de água e as nuvens. Mesmo que todos os outros gases com efeito estufa (como anidrido carbónico e metano) desaparecessem, ainda teríamos 98 por cento do efeito estufa natural. Não obstante, é alegado que aumentos de dióxido de carbono, e de outros gases antropogénicos, conduziriam a uma elevação significativa da temperatura. Como vimos, o teor de dióxido de carbono está a aumentar, assim como o de outros gases com efeito estufa antropogénicos. Uma hipótese amplamente aceite, mas questionável, é que esses aumentos se manterão com a mesma tendência do último século.

Esta explicação do mecanismo do efeito de estufa é demasiado simplista para ser levada a sério. Muitos de nós aprendemos na escola elementar que o calor pode ser transportado por radiação, convecção e condução. A hipótese acima só se refere à transferência por radiação. Como se mostra, se houvesse apenas transferência por radiação, o efeito estufa aqueceria a Terra ao nível de aproximadamente 77 graus Celsius em lugar de 15 graus Celsius. De facto, o efeito estufa só é de aproximadamente 25 por cento do que deveria ser numa situação de perda exclusivamente por radiação. A razão para isto é a presença de convecção (transporte de calor por movimentos de massas de ar) que reduz em muito a absorção por radiação. 

 O que está realmente a acontecer é ilustrado esquematicamente na Figura 1. A superfície da Terra é arrefecida em grande medida por correntes atmosféricas (em várias formas que incluem nuvens espessas) as quais conduzem o calor em altitude e para os pólos, a partir dos trópicos. Uma consequência deste mecanismo é que os gases com efeito de estufa, bem acima da superfície da Terra, são de importância primordial para marcar a temperatura da Terra. Isso é especialmente importante para o vapor de água cuja densidade diminui por um factor de mil, entre a superfície e a altitude de dez quilómetros. Outra conclusão é que não se pode calcular a evolução da temperatura da Terra sem modelos que, com precisão, consigam reproduzir os movimentos da atmosfera. Realmente, os modelos actuais introduzem erros grandes — da ordem dos 50 por cento. Não causa surpresa que esses modelos estejam impossibilitados de calcular correctamente a temperatura média da Terra ou a sua variação do equador aos pólos. Para corrigir aqueles erros os modelos são ajustados ou "parametrizados'' a fim de reconciliá-los com a realidade, de maneira aproximada.

Continua a ter interesse perguntar o que esperar com a duplicação do teor de dióxido de carbónico. Um grande número de cálculos já efectuados conclui que, se isto acontecer, teríamos um aquecimento de 0,5 a 1,2 graus Celsius. O consenso é que tal aquecimento teria poucas consequências, se é que alguma. Mas até mesmo aquela previsão está sujeita a alguma incerteza por causa do modo complicado como actua o efeito de estufa. Além do mais, o clima é um sistema complexo onde é impossível que todos os factores internos permaneçam constantes. Com os actuais modelos climáticos existem factores que ampliam os efeitos do dióxido de carbono e conduzem a previsões de aquecimento na vizinhança de quatro a cinco graus Celsius. Processos internos do sistema climático que aumentam a resposta ao aquecimento são designados como rectroalimentações positivas. Processos internos que diminuem a resposta são designados como rectroalimentações negativas. A rectroalimentação positiva mais importante considerada nos modelos actuais é a do vapor de água. Em todos os modelos actuais, na troposfera superior (cinco a doze quilómetros de altitude), o vapor de água – o principal gás com efeito estufa – cresce com o aumento das temperaturas na superfície terrestre. Sem aquela rectroalimentação, nenhum modelo actual poderia prever aquecimento maior do que 1,7º Celsius — quaisquer que fossem os outros factores. Infelizmente, o modo como os modelos actuais tratam factores como as nuvens e o vapor de água é muito arbitrário. Em muitos casos simplesmente não é conhecida a física subjacente. Em outras instâncias há erros identificáveis. Até mesmo erros de computação têm tido papel de peso. Realmente, há forte evidência de que todos os factores de rectroalimentação conhecidos são, na verdade, negativos. Neste caso, é de se esperar que a resposta seria um aquecimento menor devido ao anidrido carbónico.

É sugerido pelos modeladores que as previsões não dependem de realimentações negativas que nos poupariam de uma "catástrofe devida ao efeito estufa antropogénico". O que é omisso, em tais afirmações, é que os modelos actuais dependem pesadamente de indemonstráveis factores de rectroalimentação positiva que fazem prever níveis exagerados de aquecimento. Os efeitos das nuvens têm vindo a receber melhor atenção, e isso não é descabido. A consideração das nuvens, nos modelos, é tratada de modo sumário e leva a previsões imprecisas. Mas as nuvens reflectem aproximadamente 75 watts por metro quadrado. Dado que a duplicação da concentração de dióxido de carbono mudaria o fluxo de calor de superfície em apenas 2 watts por metro quadrado, é evidente que uma pequena mudança na existência de nuvens pode afectar fortemente o comportamento do dióxido de carbono. A situação é complicada pelo facto de as nuvens a altas altitudes também acentuarem o efeito de estufa. Realmente, o efeito das nuvens ao reflectir calor e aumentar o efeito de estufa pode anular-se e conduzir aproximadamente a um equilíbrio. O efeito global das nuvens sobre o clima depende, por um lado, do seu desempenho no aquecimento e, por outro, do possível desequilíbrio resultante dos seus efeitos de arrefecimento e de aquecimento.

De modo semelhante, factores que envolvem a contribuição da cobertura de neve para a reflectividade servem, nos modelos actuais, para ampliar o aquecimento atribuído ao teor crescente de anidrido carbónico. O que acontece parece bastante razoável; climas mais quentes estariam presumivelmente associados a menos neve e menos reflectividade – o que acentuaria o aquecimento. Porém, a neve é associada ao Inverno, quando a luz solar incidente é mínima. Além disso, as nuvens escudam a superfície da Terra do Sol e minimizam a resposta da cobertura de neve. Realmente, há crescente evidência de que as nuvens acompanham a diminuição da cobertura de neve com tal intensidade que torna aquela rectroalimentação negativa. Porém, se se perguntar porque os modelos actuais prevêem um aquecimento tão grande devido ao teor crescente de anidrido carbónico, a razão é principalmente devida ao efeito da rectroalimentação do vapor de água. Todos os modelos actuais prevêem que climas mais quentes serão acompanhados por aumento de humidade em todos os níveis. Como já foi notado, tal é o produto inevitável dos modelos uma vez que eles não têm nem o apoio da física nem a precisão numérica para levar em conta o vapor de água. Recentes estudos do processo físico de como nuvens espessas hidratam a atmosfera de modo forte sugerem que esta, tida como a maior das realimentações positivas, é de facto negativa e também de grande peso. 

 Não só há razões fortes para acreditar que os modelos estão a exagerar as consequências do anidrido carbónico crescente mas, talvez de modo mais significativo, as previsões dos modelos ao longo do último século descrevem a mecânica do aquecimento incorrectamente e superestimam muito sua magnitude. O registo da temperatura média global durante o último século é irregular e não sem ambiguidades. Porém, mostra um aumento médio de cerca de 0,45º C mais ou menos 0,15º C, com a maior parte do aumento acontecido antes dos anos 40, seguido por algum arrefecimento no início dos anos 70 e por um rápido (mas modesto) aumento de temperatura no fim dos anos 90. Como notado, já vimos que houve um aumento de concentração de "dióxido de carbónico equivalente" da ordem de 50 por cento. Assim, com base em modelos que prevêem um aquecimento de 0,25º C, ao duplicar a concentração de anidrido carbónico, poderíamos esperar um aquecimento de dois graus Celsius. Porém, se incluímos a desfasagem imposta pelo calor latente dos oceanos, poderíamos esperar um aquecimento de cerca de um grau Celsius — o qual ainda é duas vezes o observado. Além disso, a maior parte do aquecimento aconteceu antes de o efeito de estufa dos gases antropogénicos ser somado aos naturais da atmosfera. A Figura 2 mostra o que poderia ter sido esperado de modelos com diferentes sensibilidades a uma duplicação do dióxido de carbono. O que se observa nos registos do passado é muito consistente com a hipótese de um aumento em cerca de 1,3 graus Celsius para o dobro da concentração – admitido que todo o aquecimento observado seria devido ao aumento do anidrido carbónico. Porém, nada há na série de dados históricos que possa ser distinguido da variabilidade natural do clima.

Se forem consideradas as regiões tropicais a conclusão é até mais discordante. Há ampla evidência de que a temperatura da superfície do mar equatorial permaneceu dentro da faixa de mais ou menos um grau Celsius, relativamente à sua temperatura presente, por milhares de milhões de anos, mas os modelos actuais prevêem aquecimentos de até dois a quatro graus Celsius no Equador. Deve ser notado que ao longo de grande parte da história da Terra a atmosfera já teve maiores concentrações de anidrido carbónico do que aquela que actualmente se prevê nos séculos vindouros. De facto, eu poderia listar a evidência pormenorizada dos pequenos efeitos que seguem a duplicação do teor de anidrido carbónico.

CONSENSO E VISÃO POPULAR

Muitos estudos realizados a partir do século XIX sugerem que emissões de anidrido carbónico, industriais e outras, poderiam levar ao aquecimento global. Também foram notados problemas com tais previsões, e seu insucesso em reconciliações com temperaturas observadas lança suspeita sobre os mecanismos postulados. Realmente, a tendência para menores temperaturas globais nos anos 50 deu origem ao alarme sobre um possível arrefecimento global nos anos 70. Havia debate científico normal, embora a histeria sobre o arrefecimento tivesse certa analogia com a actual histeria sobre o aquecimento, inclusive em livros como A Estratégia do Genesis, por Stephen Schneider e Alterações Climáticas e Economia Mundial por Crispin Tickell — ambos os autores bem actuantes na defesa das preocupações actuais como a "explicação'' do problema e a promoção de regulamentação internacional. Também houve um livro do distinto escritor de ciência, Lowell Ponte (O Arrefecimento) que tentou ridicularizar os cépticos e recomendou actuar mesmo na ausência de fundamentos científicos firmes. Houve mesmo um relatório do Conselho de Investigação Nacional da Academia Nacional das Ciências Americana que chegou às conclusões ambíguas habituais, no caso sobre o arrefecimento. Mas a comunidade científica nunca levou o assunto a sério, os governos ignoraram-no, e como as temperaturas globais aumentaram nos anos 70 o assunto ficou mais ou menos adormecido. Enquanto isso, cálculos feitos com modelos — especialmente no Laboratório Geofísico de Dinâmica de Fluidos, de Princeton — continuaram a prever aquecimento significativo devido ao anidrido carbónico crescente. Essas previsões foram consideradas interessantes, mas de âmbito académico — até mesmo pelos cientistas envolvidos.

A histeria presente começou formalmente no Verão de 1988, embora a sua preparação tenha sido iniciada uns três anos antes. Foi um Verão especialmente quente em algumas regiões, particularmente nos Estados Unidos. O aumento abrupto de temperatura nos anos 70 era demasiado acentuado para ser associado ao aumento gradual de anidrido carbónico. Não obstante, James Hansen, director do Instituto Goddard de Estudos Espaciais, em testemunho perante o Comité de Ciência, Tecnologia e Espaço do senador Al Gore, disse, com efeito, ter 99 por cento de certeza de que a temperatura havia aumentado, e que ocorrera aquecimento por efeito de estufa. Porém, ele nada disse sobre a relação entre as duas variáveis. Apesar do facto de essa correlação não estar demonstrada, o movimento ecológico adoptou-a imediatamente como tese.

AUTO-PERPETUAÇÃO

O crescimento dos movimentos ecológicos desde os anos 70 tem sido fenomenal. Na Europa o movimento centrou-se na formação de partidos Verdes; nos Estados Unidos o movimento orientou-se para a criação de grandes organizações de lobby do ambiente. Esses grupos de lobby têm orçamentos de várias centenas de milhões de dólares e empregam aproximadamente 50 mil pessoas; seu apoio é tido em alta conta por muitas figuras políticas. Como em qualquer grupo grande, a auto-perpetuação torna-se a preocupação dominante. O aquecimento global virou um cavalo de batalha dos esforços para angariar fundos. Ao mesmo tempo, os media aceitam os pronunciamentos desses grupos como verdade objectiva, sem questionamento.

Dentro da comunidade da modelação do clima em grande escala — um subconjunto pequeno da comunidade interessada em ciência do clima — a resposta imediata foi criticar Hansen por divulgar resultados de um modelo, altamente incertos, como relevantes para a acção pública. A motivação de Hansen não era totalmente óbvia, mas apesar da crítica a comunidade da modelação concordou em que aquele rápido aquecimento não seria possível sem influência externa. Isso bastou para que políticos e activistas se agarrassem a qualquer sugestão de perigo como razão suficiente para regulamentação governamental, a menos que a sugestão pudesse ser contestada com rigor. Isso é uma assimetria particularmente perniciosa, uma vez que o rigor geralmente é impossível em ciências ambientais.

Outros cientistas concordaram rapidamente em que com o aumento do anidrido carbónico algum aquecimento poderia ser esperado e que com concentrações de anidrido carbónico suficientemente grandes o aquecimento poderia ser significativo. No entanto, houve cepticismo generalizado. No início de 1989, porém, os media mais populares, na Europa e nos Estados Unidos, declaravam que "todos os cientistas" concordavam em que o aquecimento era real e com potencial catastrófico.

PERSEGUIÇÃO & HISTERIA

Tal como a maior parte dos cientistas preocupados com clima, eu estava ansioso por ficar fora do que parecia ser um espectáculo de circo. Mas no Verão de 1988 Lester Lave, professor de economia do Carnegie Mellon University, escreveu-me sobre o seu afastamento de uma audiência no Senado por sugerir que o assunto do aquecimento global era cientificamente controverso. Eu assegurei-lhe que o assunto não só era controverso como também improvável. No Inverno de 1989 Reginald Newell, professor de meteorologia do Massachusetts Institute of Technology, viu cortada a dotação da National Science Foundation para análises de dados que não demonstrassem aquecimento durante o último século. Peer-reviewers (revisores) das revistas sugeriram que os seus resultados eram perigosos para a humanidade. Na primavera de 1989 fui convidado para um simpósio sobre aquecimento global na Tufts University. Eu era o único cientista climático num painel de ecologistas. Ouvi, da parte destes, apelos estridentes por acção imediata e amplas expressões de impaciência com a ciência. Claudine Schneider, então congressista de Rhode Island, afirmou que "os cientistas podem discordar, mas podemos ouvir a Mãe Terra, e ela chora". Parecia claro que uma situação perigosa estava a surgir, e o perigo não era propriamente do aquecimento global em si.

Na primavera de 1989 preparei uma crítica à ideia do aquecimento global, a qual submeti à Science, revista da Associação Americana para o Progresso da Ciência. A monografia foi rejeitada sem revisão como carente de interesse para os leitores. Submeti então o artigo ao Bulletin of the American Meteorological Society, onde foi aceite após revisão, re-revisão, e renovada aceitação — um procedimento inabitual, para dizer o mínimo. Enquanto isso, o artigo foi atacado na Science antes mesmo de ter sido publicado. O artigo circulou por aproximadamente seis meses como clandestino ("samizdat"). Mas foi apresentado na conferência Humboldt do MIT e divulgado pelo Frankfurter Allgemeine.

Enquanto isso, o circo do aquecimento global estava no auge. Reuniões sucediam-se sem interrupção. Uma das mais notáveis dessas reuniões teve lugar no Verão de 1989 no rancho de Robert Redford em Sundance, Utah. Redford proclamou que era tempo de cessar a investigação e começar a actuar. Suponho que seria uma sugestão razoável quando feita por um actor, mas também é indicativa da atitude geral para com a ciência. Barbara Streisand empenhou-se em apoiar pessoalmente a investigação de Michael Oppenheimer fazendo pressão junto ao Environmental Defense Fund, embora ele seja um activista do ambiente e não um climatologista. Meryl Streep fez um apelo na televisão pública para travar o aquecimento global. Até foi preparado um projecto de lei para garantir um clima estável para os americanos.

Pelo outono de 1989 parte da imprensa estava a dar conta que havia controvérsia (Forbes e Reader's Digest foram notáveis nisso). Reclamações de ecologistas alegavam que os cépticos estavam a receber exposição excessiva. A publicação do meu artigo foi seguida pelo empenho insistente por parte do editor Bulletin of the American Meteorological Society, Richard Hallgren, em solicitar refutações. Tais artigos foram preparados por Stephen Schneider e Will Kellogg, administrador científico menor nos últimos trinta anos, e esses artigos foram seguidos por uma correspondência activa principalmente em apoio à visão céptica. Realmente, uma recente pesquisa de opinião Gallup entre cientistas do clima na American Meteorological Society e American Geophysical Union mostra que a maioria esmagadora duvida que tenha havido qualquer aquecimento identificável provocado pela acção humana (49 por cento afirmaram que não, 33 por cento não sabiam, 18 por cento pensavam que houve algum; porém, entre os activamente envolvidos em investigação e com contribuições frequentes de artigos em revistas de investigação sérias, nenhum acredita em qualquer aquecimento global provocado por acção humana até hoje conhecida). Em geral, o debate dentro da comunidade meteorológica foi saudável e, neste episódio, de rara unanimidade.

Fora do meio da meteorologia, Jeremy Legett, da Greenpeace, um geólogo, publicou um livro em que ataca os críticos da hipótese do aquecimento — especialmente a minha pessoa. George Mitchell, líder da maioria do Senado e pai de um activista ambiental proeminente, também publicou um livro que apela à aceitação do problema do aquecimento (World on Fire: Saving an Endangered Earth). O senador Gore publicou um livro (Earth in the Balance: Ecology and the Human Spirit). Esses são apenas uns poucos exemplos da caudalosa torrente de publicações sobre aquecimento global. Raramente um tão magro conteúdo científico provocou tamanha onda de popularização da parte de indivíduos que nada entendiam do assunto.

As actividades da Union of Concerned Scientists merecem uma menção especial. Esta organização amplamente apoiada dedicou-se originalmente ao desarmamento nuclear. Ao terminar a guerra fria, o grupo começou a opor-se activamente à produção de energia em centrais nucleares. A sua oposição à energia nuclear era impopular entre muitos físicos. Nos últimos anos, a organização voltou-se para a batalha contra o aquecimento global de modo particularmente histérico. Em 1989 o grupo começou a difundir uma petição que urge o reconhecimento do aquecimento global como o grande perigo potencial para a espécie humana. A maioria dos destinatários que não assinou foi solicitada a fazê-lo pelo menos mais duas vezes. A petição acabou por ser assinada por 700 cientistas, inclusive muitos sócios da Academia Nacional de Ciências e laureados com o prémio Nobel. Só três ou quatro dos signatários, porém, tinham qualquer envolvimento com a climatologia. De maneira interessante, a petição tinha duas páginas, e na segunda havia um apelo para a consideração renovada da energia nuclear (antes combatida). Quando a petição foi publicada no New York Times, esta segunda página foi omitida. Em todo caso, aquele documento ajudou a solidificar a percepção pública de que "todos os cientistas" concordavam com o cenário do desastre climático. Tal abuso flagrante de autoridade científica não passou desapercebido. Na reunião anual de 1990 da Academia Nacional de Ciências, Frank Press, seu presidente, alertou os membros da sociedade sobre o inconveniente de emprestar a sua credibilidade a campanhas sobre as quais não tinham um conhecimento especial. Destacou o caso da petição publicada. Na minha opinião o que a petição demonstrou foi que o imperativo de lutar contra o aquecimento global tornara-se parte do dogma da consciência liberal – um dogma ao qual os cientistas não estão imunes.

Ao mesmo tempo, aumentaram as pressões políticas sobre os que discordam da "visão majoritária". O senador Gore censurou publicamente os "cépticos" em artigo de fundo do New York Times. Num exemplo perverso de falta de lógica ele associou os "verdadeiros crentes", no aquecimento, com Galileu. Também se referiu, em outro artigo no verão de 1988, a uma Kristallnacht (Noite de Cristal) antes do holocausto do aquecimento.

A noção de "unanimidade científica" actualmente está intimada ligada ao relatório do Grupo de Trabalho I do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas, da ONU, divulgado em Setembro de 1990. Aquele Painel era constituído em grande parte por cientistas designados pelos governos respectivos. O Painel tem três grupos de trabalho. O Grupo de Trabalho I nominalmente trata de ciência climática. Aproximadamente 150 cientistas contribuíram para o relatório, mas a representação de universidades americanas foi relativamente pequena e é provável que assim permaneça, uma vez que os recursos e o tempo para participação nas discussões intergovernamentais não estão disponíveis para a maioria dos cientistas universitários. Muitos governos concordaram em usar aquele relatório como a base autorizada para política do ambiente. O relatório, como tal, tem características positivas e negativas. Metodologicamente, o relatório confia profundamente em grandes modelos, e no seu interior os modelos de relatório são em grande parte verificados por comparação com outros modelos. Uma vez que os modelos são conhecidos por concordarem mais entre si do que com a Natureza (até mesmo depois de "afinados"), tal abordagem não parece promissora. Além do mais, vários dos participantes experimentaram pressões para enfatizar resultados que apoiam o cenário oficial e para suprimir outros resultados. Aquela pressão frequentemente foi eficaz, e uma consulta entre os participantes revelou discordância significativa deles em relação ao expresso no relatório final. Todavia, o corpo do relatório é extremamente ambíguo, e as ressalvas são numerosas. O relatório é antecedido por um resumo executivo escrito pelo editor, sir John Houghton, director do Instituto de Meteorologia do Reino Unido. O resumo não dá relevo à incerteza que prevalece em grande parte do relatório e tenta apresentar a expectativa de aquecimento significativo como resultado científico firmemente estabelecido. O resumo foi publicado como um documento separado, e é seguro dizer que os decisores governamentais lerão pouca coisa a mais do que o resumo. Com base no resumo, ouve-se frequentemente dizer que "centenas dos maiores cientistas do clima, de dúzias de países, todos concordaram que..." Não importa saber quem está de acordo, uma vez que os que citam o sumário insistem em avalizar os cenários mais extremistas. Devo acrescentar que a comunidade da climatologia, até aos anos mais recentes, era bastante pequena e estava concentrada nos Estados Unidos e na Europa, não em "dúzias de países".

Enquanto os relatórios do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas estavam em elaboração, o Conselho de Investigação Nacional dos Estados Unidos foi incumbido de preparar uma síntese do estado actual do conhecimento sobre a mudança global do clima. O painel escolhido não era promissor. Quase nenhum membro da academia era especialista em climatologia. Realmente, só um cientista esteve directamente envolvido em estudos do clima, Stephen Schneider, que é um activista ambiental ardente. Também incluía três activistas ambientais profissionais, e foi chefiado pelo ex-senador, Dan Evans. O painel incluiu cientistas distintos e economistas fora da área de clima e, talvez por causa disto, o relatório emitido pelo Painel foi em geral correcto. O relatório concluiu que era carente a base científica para justificar uma acção dispendiosa, embora a prudência recomendasse que acções baratas mereceriam ser consideradas, ou feitas as que deveriam de qualquer modo ser feitas. Um subcomité do painel emitiu um relatório sobre a adaptação à mudança climática, o qual levou em conta até mesmo os cenários de aquecimento mais extremos, e afirmou que os Estados Unidos teriam pouca dificuldade de adaptação. Não surpreende que os ecologistas no Painel tenham influenciado fortemente o teor dos relatórios, mas não tendo conseguido impor completamente as suas opiniões, tentaram distanciar-se dos relatórios, ora renunciando ou emitindo opiniões dissidentes minoritárias. Igualmente não surpreende que o New York Times publicasse os relatórios daquele painel na página 46. Os temas nunca foram discutidos nos media – salvo em breves alegações de que os relatórios apoiavam uma visão catastrofista. Não obstante, os relatórios daquele Painel americano eram indicativos do cepticismo crescente relativo ao assunto do aquecimento global.

Realmente, o cepticismo emergente é notável sob muitos aspectos. Um dos protagonistas mais antigos da hipótese do aquecimento global, Roger Revelle, o falecido professor de ciências oceanográficas da Scripps Institution of Oceanography que iniciou a monitorização directa da concentração atmosférica do anidrido carbónico durante o Ano Geofísico Internacional (1958), é co-autor com S. Fred Singer e Chauncy Starr de uma monografia a recomendar que a acção quanto ao aquecimento global seja adiada por falta de base científica adequada. Outro defensor activo da hipótese de aquecimento global, Michael McElroy, chefe do Department of Earth and Planetary Sciences em Harvard, escreveu recentemente um artigo onde reconhece que os modelos existentes não podem ser usados para prever o clima.

Seria razoável esperar que tal cepticismo crescente tivesse mais influência sobre o debate público, mas a insistência na "unanimidade científica" continua e não diminui. Às vezes, aquela insistência adquire algumas formas estranhas. Há mais de um ano, Robert White que chefiou a U.S. Weather Bureau e é actualmente o presidente da Academia Nacional de Engenharia, escreveu um artigo para o Scientific American onde destacava que a questionável a base científica de previsões de aquecimento global era totalmente inadequada para justificar quaisquer acções dispendiosas. Declarou ele que se houvesse insistência em fazer algo, só se deveriam fazer coisas que de qualquer modo seriam feitas mesmo sem a ameaça do aquecimento. Após aquele artigo, Tom Wicker, colunista do New York Times e confidente do senador Gore escreveu uma nota na qual declarou que White havia recomendado acção imediata sobre o "aquecimento global." A minha própria experiência é semelhante. Num artigo, publicado em Audubon, Stephen Schneider declara que eu "admiti agora que algum aquecimento parece inevitável". Diferenças entre expectativas de mudanças medidas em alguns décimos de grau e aquecimento de vários graus são convenientemente escondidas. Karen White num artigo longo e laudatório de James Hansen no New York Times Sunday Magazine relatou que eu concordara em que haveria aquecimento, tendo "relutantemente dado uma estimativa de 1,2 graus''. Isso era, é claro, uma inverdade.

Mais recentemente testemunhei numa audiência do Senado conduzida pelo senador Al Gore. Desenrolava-se ali uma discussão abstracta sobre o vapor de água na troposfera superior. Dois anos antes eu salientara que, se a fonte de vapor de água naquela área nas regiões tropicais fossem nuvens espessas, então o aquecimento superficial seria acompanhado por redução de vapor de água em camadas de nível superior. Investigação subsequente estabeleceu que deve haver uma fonte adicional — amplamente atribuída a cristais de gelo libertados por essas nuvens espessas. Eu notei que aquela fonte muito provavelmente diminuía a humidade numa atmosfera mais morna. Ambos invertem processos de rectroalimentação os quais tornam-se negativos em lugar de positivos. O senador Al Gore perguntou se eu rejeitava agora minha sugestão de dois anos atrás como sendo factor principal. Eu respondi que sim. Al Gore chamou o escrivão para anotar que eu tinha retractado as minhas objecções ao "aquecimento global". No debate que se seguiu, envolvendo principalmente outros participantes na audiência, foi dito a Al Gore que ele estava a confundir os assuntos. Porém, logo depois disso Tom Wicker publicou um artigo no New York Times em que afirma ter-me retractado da minha oposição à hipótese do aquecimento global e que isto confirmava a necessidade de acção imediata para restringir a ameaça iminente. Escrevi uma carta ao Times em que protestei por a minha posição ter sido grosseiramente falseada e, após um mês de espera, a minha carta foi publicada. O senador Al Gore, todavia, voltou a afirmar no seu livro que eu me retractara das objecções científicas ao cenário de aquecimento catastrófico e também adverte outros cientistas, que duvidam do cenário do aquecimento global, que estão a prejudicar a humanidade.

QUALQUER CIENTISTA SERVE

Por que há tal insistência na unanimidade científica no assunto do aquecimento global? Afinal de contas, a unanimidade em ciência é virtualmente inexistente em assuntos menos complexos. Unanimidade em um assunto tão incerto quanto o do aquecimento global seria surpreendente e levanta suspeitas. Além disso, por que são procuradas as opiniões de cientistas de outros campos que não o da climatologia? Raramente são pedidas opiniões de biólogos e de médicos sobre alguma teoria da física de alta energia. Aparentemente, quando se trata de "aquecimento global'' qualquer cientista serve.

A resposta a estas questões está quase seguramente na política. Por exemplo, na Cimeira da Terra, realizada no Rio, foram ensaiadas propostas para negociar acordos internacionais sobre a emissão de anidrido carbónico. É certo que os custos e implicações de tais acordos seriam profundos para países industrializados e países em desenvolvimento. Dadas as circunstâncias, seria muito arriscado para os políticos fazer tais acordos a menos que os cientistas "insistissem" neles. Não obstante, a situação provavelmente é bem mais complicada que a que se sugere.

[*] Professor Titular de Meteorologia do Massachusetts Institute of Technology. Foi colaborador proeminente do Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) e o principal responsável dos "Assessment Report" – pedra basilar dos relatórios quinquenais do IPCC. Renunciou a essa colaboração perante a falta de ética do núcleo central de decisão do IPCC. Este publicou textos não aprovados pelo grupo de climatologistas responsáveis pela componente científica dos documentos oficiais. Muito especialmente insurgiu-se com a afirmação "da prova discernível da intervenção humana nas alterações climáticas" quando os cientistas apontavam exactamente para a falta de provas e salientavam as muitas incertezas na matéria. A sua voz é regularmente ouvida nas comissões científicas do Congresso dos Estados Unidos. É membro da Academia das Ciências dos EUA. O autor tem uma vastíssima obra publicada, tanto em livros como em revistas e jornais. Ver nota em http://en.wikipedia.org/wiki/Richard_Lindzen

O original encontra-se em http://www.cato.org/pubs/regulation/reg15n2j.html

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

 

 

Este artigo já tem uns anos mas é de divulgar!

publicado por portuga-coruche às 13:47
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

A mentira do aquecimento global (Republicação)

Dr. Jarl R. Ahlbeck, engenheiro químico na Universidade Abo Akademi da Finlândia:

“Até agora, as medições do mundo real não dão base para se preocupar com um aquecimento catastrófico futuro.”

Dr. Kiminori Itoh, físico-químico ambientalista, membro do IPCC:

“Os temores espalhados sobre o aquecimento global constituem o pior escândalo científico da história... Quando o público perceba a verdade, vai se sentir decepcionado com a ciência e com os cientistas”.

Dr. Arun Ahluwalia, geólogo da Universidade de Punjab , diretor do International Year of the Planet

“Atualmente, o IPCC virou um circuito fechado: não ouve os outros... Não tem abertura mental. Estou deveras surpreso pelo fato de o Prêmio Nobel da Paz ter sido outorgado [a Al Gore e ao IPCC] com base em conclusões cientificamente incorretas.”

Prof. Paul Reiter, Instituto Pasteur, Paris:

"Nós achamos que vivemos numa era de razão, e o alarme pelo aquecimento global parece ciência; mas não é ciência, é propaganda."

Prof. Ian Clark, Departamento das Ciências da Terra, Universidade de Otawa:

"Não podemos dizer que o CO2 vá dirigir as mudanças climáticas, certamente nunca o fez no passado."

Patrick Moore, Co-fundador da Greenpeace.

"O movimento ambientalista tornou-se a maior força que impede o desenvolvimento dos países subdesenvolvidos."

Prof Ivar Giaever, Premio Nobel de Fisica 1973:

"Eu não acredito no aquecimento global... ele transformou-se numa nova religião".

Philip K. Chapman, geofísico, engenheiro astronáutico, ex-astronauta, físico do M.I.T.

“Todos esses que exigem inverter a curva do aquecimento global com urgência precisam desligar o pisca-pisca e apresentar algum pensamento sobre o que nós deveríamos fazer se, em lugar do aquecimento global, nós estivéssemos enfrentando um esfriamento global”.

Timothy Ball, ex-professor de climatologia da Universidade de Winnipeg, Canadá:

“O CO2 (dióxido de carbono) não é um gás poluente. Ele tem conseqüências positivas, na verdade. Quanto maior sua concentração na atmosfera, maior o crescimento das plantas. A atividade do Sol é o principal fator que afeta o clima no planeta, mas quase não é mencionada. (... ) Eles [os especialistas] têm medo de falar, são acusados de receber dinheiro da indústria do petróleo. Eu mesmo já fui alvo de ataques pessoais”.

Dr Evaristo Eduardo de Miranda, chefe-geral da unidade de monitoramento por satélite da EMBRAPA:

“O ambientalismo não entendeu o conceito de desenvolvimento sustentável . (...) outra tendência perigosa é tratar o assunto de maneira apocalíptica. Só se prevêem coisas ruins com as mudanças climáticas. É preciso trazer outros pontos de vista. Por exemplo, o desaparecimento da calota polar vai gerar uma economia de combustível inacreditável, porque vai encurtar caminhos na navegação. É preciso lançar um pouco de racionalidade à questão, sobretudo quando se trata de hipótese inverificável. É curioso como os cientistas, senhores da razão e ateus, adotam nessa hora uma linguagem totalmente religiosa. Eles falam de toda a teologia do fim dos tempos, das catástrofes, do homem vitimado e castigado com o dilúvio, como Noé”.

Stanley B. Goldenberg, meteorologista da NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration:

“Há uma mentira ovante que está sendo espalhada pela mídia e que faz acreditar que só uma franja de cientistas não acredita no aquecimento global provocado pelo homem”. (Stanley B. Goldenberg é especialista em furacões na NOAA )

Prof David S Gee, professor emérito de Ciências da Terra, Universidade de Uppsala, Suécia:

“Durante mais quantos anos o planeta deverá ainda esfriar para que comecemos a ouvir que o planeta não está aquecendo? Durante mais quantos anos deverá continuar o atual esfriamento?”

Dr. Vaclav Klaus, Presidente da República Checa

“Como uma pessoa que viveu sob o comunismo na maior parte de sua vida eu me sinto obrigado a dizer que a maior ameaça à liberdade, à democracia, à economia de mercado e à prosperidade hoje em dia é o ambientalismo, não o comunismo. A ideologia ecologista quer substituir o livre e espontâneo desenvolvimento da humanidade com uma espécie de planificação central que agora é chamada de global”.

Freeman Dyson, da US National Academy of Sciences e professor emérito de Física de Princeton:

“O mundo real é turvo, complicado e cheio de coisas que nós não entendemos ainda. É muito mais fácil para um cientista se sentar num prédio com aquecimento e fazer rodar modelos de computador do que se vestir com roupas de inverno e sair a medir o que realmente está acontecendo do lado de fora nos pântanos e nas nuvens. É por isto que os expertos em modelos climáticos acabam acreditando nos seus próprios modelos...” Freeman Dyson é membro da U.S. National Academy of Sciences e professor emérito de Física do Institute for Advanced Study da Universidade de Princeton.

R.Austin e W.Happer, professores de Física em Princeton; L.Gould , em Hartford; R.Lindzen (MIT) etc:

“O céu não está caindo, a Terra vem se esfriado há dez anos. O presente esfriamento NÃO foi predito pelos modelos de computador alarmistas. Os melhores meteorologistas do mundo não podem predizer o clima com duas semanas de antecipação, e nem ousam predizer o resto do século. Pode Al Gore? Pode John Holdren? Estamos sendo inundados de afirmações de que as provas são claras, de que o debate está encerrado e de que devemos agir imediatamente, mas de fato NÃO EXISTEM ESSAS PROVAS, NÃO EXISTEM.”

Prof. Nils Axel Mörner, ex-presidente da Comissão Internacional para os Câmbios do Nível do Mar:

“O mar não está crescendo e não cresceu nada nos últimos 50 anos”

Richard Keen, climatologista do Department of Atmospheric and Oceanic Sciences, Colorado Univ

“A Terra vem se esfriando desde 1998, em desafio às predições do IPCC da ONU... A temperatura global em 2007 foi a mais fria numa década e a mais fria do milênio... tal vez seja por isso que o “aquecimento global” está sendo chamado de “cambio climático”.

Dr. Pal Brekke, físico solar, do Norwegian Space Centre em Ohio:

“Quem quer que pretenda que o debate está encerrado e que as conclusões são definitivas pratica uma abordagem fundamentalmente anti-científica numa das questões mais nevrálgicas da nossa época”.

Luiz Carlos Baldicero Molion, Prof. de Meteorologia da Universidade Federal de Alagoas:

“Quando eu digo que muito provavelmente estamos num processo de resfriamento, eu faço por meio de dados. (...) eu já vi esse filme antes, na época do discurso da destruição da camada de ozônio pelos CFCs, os compostos de clorofluorcarbonos. (...) inventaram a história de que esses compostos estavam destruindo a camada de ozônio. Começou exatamente com a mesma fórmula de agora. (...) um terrorismo climático como é esse aquecimento global.”

Bob Carter, professor de geologia na Universidade James Cook, Austrália

“Ao longo dos últimos anos vem sendo registrados sinais climáticos mais frios do habitual em todo o mundo, levando muitos cientistas a questionar a moda, já muito desatualizada, do alarmismo com o aquecimento global”.

Fonte: http://ecologia-clima-aquecimento.blogspot.com/


in Pravda
 
Republicação: Públicado anterioremente neste blog em 13 de Agosto de 2009
 
 
publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 27 de Julho de 2011

A mentira do buraco antropogênico de ozônio


O gás carbônico (CO2) “vilão” do século 21 e responsável pelo aquecimento global seria na verdade o gás da vida. Essa é a teoria defendida pelo climatologista Luís Carlos Molion, físico com pós-doutorado na Inglaterra, mais de 40 anos de experiência em estudos do clima no planeta, sendo 25 destes à frente do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e, Representante dos países da América do Sul na Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (OMM).

De acordo com Molion, a emissão de CO2 pelo homem é irrisória frente à quantidade lançada pela natureza na atmosfera. “Os fluxos naturais – oceanos, solo, vegetação – lançam 200 bilhões de toneladas de CO2 anuais na atmosfera e a atividade humana libera 6 bilhões de toneladas. Sua tese é fundamentada no princípio de que a Terra tem um ciclo natural de aquecimento e resfriamento que dura em média 60 anos. “As variações são repetitivas e não cíclicas. Há um período em que o sol passa da atividade máxima para a mínima”, garante.

Para o pesquisador, entre 1940 e 1960 a Terra passou por um período de grande atividade solar e agora o Sol começa a se dirigir para o novo mínimo que vai ocorrer entre 2020 e 2032, seguindo o ciclo solar de 90-100 anos. “Depois de 1960 já era prevista uma redução de O3, uma vez que para o aumento da camada de ozônio é necessário radiação ultravioleta do sol (UV). É obvio que depois de um máximo vem um mínimo. Então, os países desenvolvidos, e que dominam o comércio global, usaram esse conhecimento científico, que não é de domínio dos formuladores de políticas públicas, para explorar os países pobres, notadamente os tropicais, que precisam de refrigeração a baixo custo, eliminando os CFC”.

De acordo com Molion, o crime que eles cometeram é que se tornaram de domínio público e não pagavam mais direitos de propriedades. “O oligopólio que detém as patentes dos substitutos dos CFC é composto pela Allied Chemical Corp (USA), Du Pont (Canadá), Imperial Chemical Ind (ICI, Inglaterra), Atochem (Grupo ELF, França) e Hoechst (Alemanha), todas elas pagam impostos sobre os lucros em seus países de origem. Na década de 1990 o quilo do CFC custava US$1,70 e hoje os substitutos podem custar mais de US$35,00 para o consumidor final”, explica.
A hipótese do Professor surgiu na década de 1970 quando ele observou que as moléculas de CFC são de cinco a sete vezes mais pesadas que o ar e precisariam ser levados até 40-50 km de altitude na estratosfera, onde ocorre a reação de formação do ozônio. “As medições feitas pela Nasa com aviões voando na baixa estratosfera não detectaram sequer uma molécula de O3 nessa região. Como iriam chegar a 50Km de altitude?”, explica Molion.

A Organização Mundial de Saúde adota o limite de 50 partes por bilhão por volume (ppbv) para o O3, ou seja, 100 microgramas por metro cúbico (para o O3, 1ppbv =2 microgramas por m3). Já, a Agência de Proteção Ambiental americana adota 75ppbv para um tempo de exposição de 8 horas.

“Devido a seu alto poder oxidante, o O3 reage praticamente com todos outros gases. Nos ambientes poluídos por gases do escapamento dos veículos nas grandes cidades, o O3 reage com nitrogênio, de fato formando NOx que é nocivo à saúde. Grandes cidades, como São Paulo e Belo Horizonte, especialmente no inverno e com pouca ventilação, podem apresentar concentrações superiores a 200 microgramas por m3. Na Floresta Amazônica, durante os experimentos de 1985 e 1987, medimos concentrações naturais de até 40 ppbv durante o dia, caindo para menos de 10ppbv à noite. No período seco, agosto-setembro, durante as queimadas no Centro Oeste, já foram medidas concentrações superiores a 80 ppbv. Portanto, vê-se que não é só nas grandes cidades que o problema existe”, afirma.

Assim, o aquecimento seria local e não global, como muitos defendem. Isso devido à urbanização das cidades e a formação das chamadas ilhas de calor que tornam as temperaturas do ar de 3°C a 5°C maior nos grandes centros urbanos quando comparadas às de suas redondezas. “Com a mudança da cobertura superficial, de campos com vegetação para asfalto e concreto, a evapo-transpiração é reduzida e sobra mais calor para aquecer o ar próximo da superfície, aumentando sua temperatura”, explica o metereologista.

No entanto, segundo Molion, é importante reduzir a poluição para que as pessoas tenham uma melhor qualidade de vida. “Sou a favor de uma boa rede de transporte público nas grandes cidades, uma boa rede de metro complementada com trólebus. Aqui no Brasil, funcionaria, porque a maior parte de nossa eletricidade provém de uma das formas mais limpas e mais ambientalmente amigáveis que existe, a hidroeletricidade. Nessa forma, o “combustível” é água e o “fornecedor” é o ciclo hidrológico. Como não falta água nos mares e calor do Sol, o ciclo hidrológico não vai acabar”.

Molion ainda alerta para a substituição dos HFC. “Já começaram a dizer que os substitutos dos CFC, os HFC, também destroem o O3 e que serão necessários novos gases, os substitutos dos substitutos. Isso porque os HFC têm suas patentes vencendo nos próximos cinco anos e, é claro, os países industrializados não podem viver sem explorar os outros, já que eles não possuem nem recursos energéticos nem naturais. O ozônio voltará aos níveis máximos entre 2050 e 2060, quando ocorrer o novo máximo solar. E aí a “recuperação” da camada de ozônio será mérito dos substitutos dos substitutos, mas a desigualdade social será maior num mundo com uma camada de ozônio restabelecida”, conclui o cientista.

 

Autor: Notícias Agrícolas

in AgroNotícias

publicado por portuga-coruche às 07:20
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

Aquecimento global pode ser balela

 

Membros da ONU e do governo mexicano em mesa da conferência climática de Cancún

José Luiz Teixeira
De São Paulo

 

Só consigo dormir embalado pelo som do rádio no meu criado-mudo, ouvindo emissoras que transmitem notícias ao vivo a noite inteira.

Às vezes, uma ou outra informação me tira o sono, mas, geralmente, me acalma saber que estou confortável e protegido sob meu cobertor, enquanto o mundo pega fogo ou se afoga lá fora.

Imagino que isso funcione como as histórias para criança dormir: mesmo com bruxas e violência, fazem-nas pegar no sono rapidamente.

Tirante os recorrentes casos policiais, muitos assuntos interessantes são abordados a fundo no éter durante a madrugada.

Como a entrevista que ouvi noite dessas, do climatologista Luiz Carlos Molion, a propósito da conferência da ONU sobre mudança climática que está sendo realizada este ano em Cancún.

O cientista brasileiro, representante da América Latina na Organização Meteorológica Mundial, vem acusando os países do Primeiro Mundo de manipular a questão do aquecimento global.

Segundo ele, ao defender a diminuição da emissão de CO2, os mais ricos querem refrear o desenvolvimento industrial dos países emergentes.

Com isso, pretendem garantir para si, no futuro, as reservas dos recursos energéticos fósseis.

O cientista garante que não é o gás carbônico a causa do aquecimento global.

Diz mais: a Terra não está se aquecendo, isso é balela; ao contrário do que se propaga, o planeta estaria entrando em um período de esfriamento.

Seus argumentos e justificativas técnicas me convenceram.

Para quem gosta de teorias de conspiração, como eu, a entrevista foi um prato cheio.

Lembrei-me dos relatórios do serviço secreto americano, indicando que o Iraque produzia armas químicas, para justificar a invasão de seu território.

Finda a guerra, essas informações revelaram-se falsas.

Mas, daí, a segunda maior reserva de petróleo do Oriente Médio já estava devidamente dominada.

 

in Terra Magazine

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Julho de 2010

Rui Moura: Uma referência

Transcrevo o ultimo poste do Blog Mitos Climáticos, desta feita escrito não pela mão do Mestre Rui Moura mas dos filhos, é que, no passado domingo, faleceu no Hospital Santa Maria uma referência do Clima e da ciência em Portugal:

In Memoriam

É com pesar que a família de Rui Gonçalo Moura anuncia a sua morte, aos 80 anos, que ocorreu no Domingo 27 de Junho de 2010, devido a complicações derivadas de uma intervenção cirúrgica.

Para além de um marido, pai e avô extremoso, amigo dedicado, que deixa eterna saudade entre os seus familiares e amigos, Rui Gonçalo Moura foi um Engenheiro e homem de Ciência brilhantes, com uma paixão pela verdade científica. Depois da graduação como melhor aluno do seu curso, no Instituto Superior Técnico (IST), em 1957, trabalhou durante 30 anos como engenheiro electrotécnico. Foi simultaneamente assistente e professor convidado da cadeira de Electrotecnia Teórica, Medidas Eléctricas e Alta Tensão do IST entre 1970 e 1976. Serviu na Comissão Europeia de 1987 a 1990 e na Comissão Técnica e Científica do Plano Energético Nacional de 1989 a 1992.


Depois da sua reforma, em 1992, dedicou-se ao estudo do clima, de forma a poder contribuir para um debate que considerava fundamental. Possuindo uma mente verdadeiramente brilhante, para além de se ter tornado um especialista em dinâmica do clima, aprendeu a comunicar efectivamente na era moderna, e criou este Blog em 2005. Conjuntamente com Jorge Pacheco Oliveira, traduziu o livro "A Ficção Científica de Al Gore", de Marlo Lewis Jr., publicado pela Booknomics, 2008.

Podemos ainda recordá-lo nas suas participações recentes em dois debates televisivos sobre alterações climáticas, no programa Sociedade Civil (RTP2) em 4 de Outubro de 2009 e no Expresso da Meia Noite (SIC) em 11 de Dezembro de 2009.

Agora que já não está fisicamente entre nós, este Blog faz parte do seu legado científico, e a sua contribuição para um debate científico sério da dinâmica climática não será esquecido. Como não será esquecida a sua luta contra o obscurantismo científico, venha este de onde vier.

Agradecemos sentidamente a todos os que nos fizeram chegar o seu pesar e uma mensagem amiga, bem como os posts que fazem referências à sua personalidade e trabalho que encontrámos.

Jornais:
Correio da Manhã, Expresso, Jornal i

Blogs:
Anovis anopheles, Antena cristã, Blasfémias, Ecotretas, Enclavado, Lodo, Minoria ruidosa, Moicanos, My web time, Pena e espada, Universidade de Coimbra



A Família

 

 

 

 

 

 

 

 

in Mitos Climáticos

 

 

A Notícia no Correio da Manhã :

 

Rui Moura tinha 80 anos

Morreu tradutor português de ‘A Ficção Científica de Al Gore’

O climatologista Rui Moura, opositor das teorias do aquecimento global por acção humana, morreu no domingo, aos 80 anos, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde se encontrava internado, disse esta segunda-feira à Lusa fonte familiar.

 

Engenheiro eletrotécnico de formação, especializou-se mais tarde em Energia e depois em Climatologia, segundo a mesma fonte.  

Rui Moura foi professor no Instituto Superior Técnico e destacou-se nos últimos anos pelo combate às teorias de Al Gore, ex-vice-presidente norte-americano, sobre o aquecimento global que considerava alarmistas. 

"Chegou à conclusão que essas teses alarmistas não tinham bases científicas", disse à agência Lusa Jorge Pacheco Oliveira, o amigo, também engenheiro eletrotécnico, com quem criou o blogue ‘Mitos Climáticos’ e traduziu o livro ‘A Ficção Científica de Al Gore’.  

"Manteve-se na área dos críticos que não acreditavam naquilo e a ciência nisso deu-lhe inteira razão", referiu Jorge Oliveira. Rui Moura defendia que as alterações climáticas fazem parte do ciclo natural da Terra.  

O corpo de Rui Moura encontra-se em câmara ardente na Igreja de Caneças, concelho de Odivelas, onde se realiza na terça-feira a missa de corpo presente pelas 10h30, seguindo o funeral para o cemitério local.  

 

 

 

 

Vamos esperar que Jorge Pacheco Oliveira continue o Blog "Mitos Climáticos" que é uma "agulha" neste "palheiro" que é esta sociedade inundada de informação e especulação sem fundamento. 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

O "Aquecimento Global" é uma plataforma política e econômica

Doutor em meteorologia garante que aquecimento global não é influenciado pelo homem

Luiz Carlos Moilon diz que a terra está passando por um processo de resfriamento

 

 

Molion afirma que o aquecimento é uma plataforma política e econômica
Foto:Susi Padilha

Ao contrário do que afirma a grande maioria dos pesquisadores e meteorologistas, o professor da Universidade Federal de Alagoas, Luiz Carlos Molion, garante que o homem não é capaz de influenciar no clima global, e que a terra não está esquentando, e sim, passando por um processo de resfriamento.


Molion contraria o argumento principal defendido pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), cujo consenso prega que a ação humana intensifica as mudanças climáticas no planeta.

Além de afirmar que o homem e suas emissões de carbono não causam o aquecimento global, que já serviu de pano de fundo para filmes e documentários, ele vai além e denuncia que as medições dos níveis de carbono são manipuladas para atender a interesses econômicos.

O buraco da camada de ozônio também está na mira do especialista. Para ele, o rombo não passa "de balela". 

Representante da América do Sul na Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Molion tem mais de 40 anos de experiência em estudos do clima. Paulista, é formado em Física pela Universidade de São Paulo (USP) e com pós-doutorado em Meteorologia na Inglaterra. 

O pesquisador conversou com a reportagem do Diário Catarinense sobre a influência do homem no aquecimento global, derretimento das geleiras, entre outros.

Diário Catarinense — Enquanto o mundo tenta frear as emissões de carbono, o senhor diz que o aquecimento global não existe e que a Terra está esfriando. Por quê?
Luiz Carlos Molion — Ao contrário do que se diz, o homem não é capaz de influenciar no clima global. Por isso, as emissões de carbono não influenciam na temperatura da Terra. O Sol, fonte principal de energia do sistema climático, causa as variações repetitivas. A cada 90 anos, o astro alterna períodos de atividade máxima e mínima. Registros apontam que o Sol esteve em baixa atividade, em 1820, no final do século 19 e início do século 20. Desde 2008, entramos nesse pico que deve se estender pelos próximos 22, 24 anos.

DC — Até lá, a temperatura da Terra vai diminuir?
Molion — Sim, a radiação que chega vai diminuir e favorecer a queda da temperatura em até 0,3ºC. O clima global também será afetado pela queda de temperatura da água dos oceanos. Teremos invernos mais rigorosos com muita geada em Santa Catarina. O sistema Argo, 3.200 boias espalhadas pelos oceanos para medir a temperatura e salinidade, mostrou a perda de calor. Como os oceanos fazem parte de 71% da superfície terrestre, eles são fundamentais para o clima do planeta. Só o Pacífico ocupa 35% da superfície e está resfriando desde 2000.

DC — O resfriamento do Pacífico contraria a elevação da temperatura média da Terra divulgada pelos relatórios oficiais do IPCC. Como o senhor explica?
Molion — O problema é que os termômetros estão instalados em cidades muito urbanizadas que registram uma diferença de 3ºC do campo. Outro fator é que os dados colhidos são ajustados para mostrar um falso aquecimento. Manipulam para que os invernos fiquem mais amenos e os verões mais quentes. Hackers invadiram o sistema de um dos braços direitos do IPCC e perceberam as modificações feitas de propósito. O aquecimento, a exemplo do "buraco da camada de ozônio" é balela. Deixaram a ciência de lado para se tornarem um negócio para empresas que querem expandir os lucros.

DC — Qual o interesse em manipular dados sobre a temperatura?
Molion — O aquecimento, agora, é uma plataforma política e econômica. Reduzir as emissões de carbono é reduzir a geração da energia elétrica, base do desenvolvimento em qualquer lugar. Como existem países que têm a sua matriz calcadas nos combustíveis fósseis, não há como diminuir a geração de energia elétrica sem reduzir a produção. Os países em desenvolvimento, como o Brasil, seriam os mais afetados, como sempre. Os ricos, mesmo não tendo mais recursos naturais disponíveis poderiam reduzir. Mas para não morrer de frio precisariam consumir mais energia e também seriam afetados pelo resfriamento.

DC — A redução de CO2 proposta na Conferência de Copenhague é válida para algo?
Molion — O CO2 é o gás da vida! Não é poluente, como é divulgado. Ele é o gás das plantas e está provado que quando se dobra a produção de CO2, se dobra também a produção das plantas. Melhor para a atmosfera e para nós! A redução poderia beneficiar porque os combustíveis fósseis são poluentes por causa do enxofre e de outros elementos. Quando liberados, eles se combinam com a umidade do ar e viram gotículas de enxofre, que atacam o sistema pulmonar das pessoas.

DC — O senhor contesta qualquer influência do homem na mudança de temperatura da Terra?
Molion — Os fluxos naturais dos oceanos, vulcões e vegetação somam 200 bilhões de emissões por ano. A incerteza que temos desse número é de 40 bilhões para cima ou para baixo. O homem coloca apenas 6 bilhões, portanto a emissões humanas representam 3%. Se os países reduzirem pela metade, não vai mudar absolutamente em nada no clima.

DC — Se não há aquecimento global porque as geleiras estão derretendo?
Molion — Essa afirmação é fantasiosa. Na realidade, as geleiras não estão derretendo. Pedaços de gelo flutuante, que ficam na superfície da água, estão se desprendendo do iceberg, corpo de gelo com mais de 90% submerso. Esses pedaços flutuam no mar e não aumentam o nível dele. É mentira dizer que o mar está avançando.

 

in Diário Catarinense

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

Aquecimento global?

O aquecimento global antropogênico, ou seja, as mudanças climáticas em nível mundial provocadas pela ação do homem exclusivamente através das emissões de CO2 na atmosfera que resultaria no aumento do efeito estufa e conseqüente desaparecimento das formas de vida na face da Terra,é o assunto atual,tese defendida pelos cientistas do IPCC - Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas.

 

No meu entendimento isto é a criminalização do carbono. CO2 é fonte de vida e não da morte.O dióxido de carbono é capturado/absorvido pelos vegetais e muito mais pelas águas dos oceanos, que são fontes de alimentos para nossa sobrevivência. Os mares e oceanos ocupam 71% da superfície do nosso planeta. Portanto utilizam-se do CO2 como fonte energética e nos devolvem em forma de oxigênio necessário aos homens e animais. Os cientistas contestadores no mundo, existem até dentro da própria NASA, vem divulgando paulatinamente suas pesquisas. Eles afirmam que pode sim existir algum aquecimento localizado causado pela dinâmica da Terra, do Sol e do próprio Universo, mas nunca global.

 

O planeta já passou por 08 alterações climáticas e todas para glaciação e jamais ao aquecimento. De 1996 a 2006 a temperatura média do planeta permaneceu constante.

 

De 2007 a 2009 houve queda de 3 graus centigrados principalmente no hemisfério sul. Os oceanos nos últimos 15 anos apresentaram queda de 5 graus Celsius em suas temperaturas médias.

 

O que se julga ser aquecimento global nos últimos 70 anos, não passa de correlações entre radiação cósmica, passagem do sistema solar pela galáxia local, manchas solares, campos magnéticos do Sol, ionizações crescentes, concentração de muons na atmosfera, que resultam quase sempre em nuvens de super baixas altitudes, clima instável, muitas chuvas e neves concentradas e localizadas, temperaturas extremas Norte-Sul tanto baixas como altíssimas.

 

Há também um trabalho recente divulgado pelo Instituto de Pesquisas Espaciais da Dinamarca, com participação de cientistas de todo o mundo inclusive do Brasil (UFSCar, Ufal e UnB), que coloca em cheque a tese do aumento crescente da concentração de CO2 atmosférico. Este compêndio foi simplesmente ignorado na COP 15 realizado o ano passado em Copenhagen. Em 2008 a concentração de CO2 planetária foi de 380 ppmv (partes por milhão volumétrica), considerada a mais baixa de todos os tempos. No período Carbonífero era de 1500 ppmv, no Jurássico 1800 e no Cambriano o extremo de 7000 ppmv. Nem por isso a vida na Terra foi extinta. Estamos aqui para provar. A Terra, nos seus ciclos naturais de solo, vulcões, oceanos e florestas, libera 200 bilhões de toneladas de CO2 por ano. O ser humano com suas atividades industriais, veículos, motores e agropecuária, emitem apenas 6 bilhões de toneladas ano.

 

Portanto, o homem está sendo incapaz de liquidar com a vida na face da Terra por suas próprias mãos nas emissões de carbono. Haja projetos de seqüestro e créditos de carbono para tanta produção NATURAL de CO2 da própria dinâmica terrestre!!Concordo que cada vez mais devamos utilizar fontes energéticas renováveis e menos poluidoras como etanol, energia eólica, hidroelétrica. Mas, discordo frontalmente desta proposta neocolonialista que o IPCC tenta impor aos paises subdesenvolvidos e em desenvolvimento ao criminalizar a utilização de combustíveis fósseis.

 

Temos que pagar a conta aos ricos em nome da “preservação ambiental”? Por que EUA, Rússia, Japão, China, Canadá e até Índia não assinaram o Protocolo de Kyoto e muito menos irão ratificá-lo em 2012? Dos países do BRIC só Brasil entrou nesta enrascada em assinar.

 

Os paises em desenvolvimento irão abrir mão de utilizar suas reservas de combustíveis fósseis para atender as demandas internas de desenvolvimento sócio-econômico dos seus povos? O Brasil em especial deixará de utilizar carvão mineral encontrado em abundância em todo Sudeste? Os poços de petróleo atuais e do pré-sal não irão ser explorados? O gás natural metano do Pará e Amazonas será abandonado?Devemos sim estar atentos a todo e qualquer assunto referente ao meio ambiente local e planetário. O que não podemos é ficar desperdiçando nosso tempo com teses teóricas do aquecimento global antropogênico.

 

Antes de priorizar estas questões globais temos que realizar primeiro nossa lição de casa ainda não resolvida como dar destinação correta aos resíduos sólidos urbanos (lixo), tratar os esgotos domiciliares e resíduos industriais, tratamento e distribuição perfeita de água potável à população, preservação dos cursos d’agua, reconstituição de matas ciliares, proteção das águas subterrâneas, reflorestamento de áreas com espécies nativas, projetos de macrodrenagem, programas efetivos de educação ambiental nas escolas e entidades da sociedade civil, enfim melhorar as condições de vida do nosso povo rumo ao desenvolvimento sustentado dentro de cada realidade existente em nosso país.

  


O autor, engenheiro Luiz Roberto Peres, é pós-graduado em Engenharia de Saneamento e Ambiental

 

Luiz Roberto Peres

 

in Jornal da cidade de Bauru

 

 

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Abril de 2010

Continuam a "tapar o sol com a peneira"

Investigação ao Climategate revelou não haver práticas científicas erradas
PÚBLICO

 

A segunda de três investigações independentes para averiguar o caso Climategaterevelou que não houve nenhuma prática errada deliberada por parte dos cientistas da Unidade de Investigação Climática da Universidade inglesa de East Anglia.

O painel foi liderado por Lorde Oxburgh, antigo representante do comité da ciência e tecnologia da Casa dos Lordes, a pedido da Universidade inglesa de East Anglia, onde a unidade pertence.

As investigações decorreram depois da publicação em Novembro de milhares de emails dos cientistas da unidade sem que estes tivessem conhecimento. Os críticos disseram que os emails eram a prova de que os cientistas tinham manipulado dados estatísticos para provar a existência das alterações climáticas.

“O que quer que esteja escrito nos emails, a ciência básica [da unidade] parece ter sido feita de uma forma justa e correcta”, disse o Oxburgh.

“Não encontrámos nenhuma prova que mostre más práticas deliberadas no trabalho científico da Unidade de Investigação Climática. Encontrámos antes um pequeno grupo de investigadores dedicados e um pouco desorganizados que estavam mal preparados para serem o centro das atenções do público”, vinha escrito no relatório. “Como em muitos grupos pequenos de investigação, os procedimentos internos eram bastante informais.”

No entanto, o painel criticou a forma como foi feita a estatística, indicando que nem sempre foram utilizadas as melhores técnicas. Sugere, por isso, a colaboração com estatísticos, como acontece em muitos laboratórios. “Não podemos deixar de achar surpreendente que uma área de investigação que depende tanto de métodos estatísticos não foi conduzida com a colaboração próxima de profissionais da área”, concluiu o relatório.

A universidade defendeu-se explicando que os investigadores, quando trabalham tão próximo de uma área, acabam por desenvolver as capacidades estatísticas que necessitam para o trabalho que fazem. No entanto, alegam que no futuro vão procurar uma colaboração mais estreita com os profissionais de estatística.

 

in Público - Ecosfera

 

Os comentários demonstram a "credibilidade" que existe neste momento:

 

Vergonha
Por Anónimo - lisboa
E enquanto isso o IPCC continua a afundar-se cada vez mais, desta vez com a auditoria a que os seus relatórios foram alvos, revelaram mais de 5600 referências não peer-reviewed. Ou seja, têm tanta credibilidade cientifica como as conversas de café ou de uma banda desenhada. Mas isso já não é novidade, já que o idiota-mor do gang já tinha sido anteriormente apanhado a publicar no seus relatórios, "factos" baseados em artigos de jornais e revistas e sem qualquer estudo cientifico. E ainda falam em ciência e fazer ciência. Tenham vergonha meus senhores.

 

 

Vergonha
Por Ecotretas - Lisboa
Deviam ter vergonha! É um documento com 5 páginas, mal escrito, mais apropriado a um trabalho de um caloiro, que sabe que vai chumbar! Ecotretas

 

 

Sr Pedro S. - Aveiro
Por Anónimo - Figueira da Foz
"...pois os dados continuam a indicar que há aquecimento global e que há alterações climáticas ligadas a esse mesmo aquecimento." - Quais dados e como, se os modelos estão todos a falhar? Que alterações? É suficiente para se desconsiderar a variabilidade natural do clima? "Os dados mostram que uma atmosfera com mais CO2 aquece mais..." Certo, mas não diz quanto é esse incremento. Alias dizem, mas o valor está propositadamente elevado. Estude como eu fiz. Em metereologia não se fazem previsões para uma serie de anos, muito menos em climatologia se fazem previsões sequer, porque não é esse o objectivo: é estudar os fenómenos que regem o clima, nomeadamente como factores externos, como o CO2, mas não só, afectam o tempo em determinados locais.

 

Mais Ficções...
Por Nuno C. - Portugal
O mês de Março, em Portugal Continental, foi o mais frio dos últimos 24 anos, com valores médios da temperatura máxima, mínima e média do ar inferiores aos respectivos valores médios de 1971-2000, com anomalias de -1.5 ºC, -0.2 ºC e -0.8 ºC, respectivamente. Fonte; Instituto de Meteorologia, Portugal, Abril 2010. Dados como este, para o IPCC, são evidências factuais que apoiam a ciência do "Aquecimento Global".

 

Mais abertura
Por carlos - Batalha
Esta fuga de informação é uma mais valia para a ciência concernete a este tema do clima. Agora existe mais justiça e humildade perante os cepticos, que até agora eram censurados e enxovalhados, e espero que haja uma mente mais aberta a todas as hipóteses dadas pelos cientistas, quer sejam contra ou a favor, sem algum tipo de tendencia politico-social, porque assim deixa de ser ciência e passa a ser uma religião...

 

Copenhaga...
Por Pedro S. - Aveiro
Pois é! Com a Cimeira de Copenhaga à porta foi a berraria que se viu com o climategate, mas nunca passou de pura berraria. Discussão séria não interessou a quase nenhum céptico, pois os dados continuam a indicar que há aquecimento global e que há alterações climáticas ligadas a esse mesmo aquecimento. Os dados mostram que uma atmosfera com mais CO2 aquece mais. Tudo o resto não esteve relacionado com ciência, mas sim com lobbying e manutenção do status quo de empresas e pessoas. Por fim, Sr. Fagundes, rejeitar a realidade não é sério. A realidade não depende das nossas convicções.

 

Conviver mal
Por Anónimo - Figueira da Foz
com verdade ! O autor do comentário anterior deveria escrever ficção. As televisões agradeciam, nós também. à ciência o que é da ciência !

 

Pois claro...
Por Fagundes - Almada
Forma simpática de dizer as coisas e de passar um pano molhado na nódoa. Onde se lê "procedimentos internos informais" devia estar "comportamento conspirativo", onde se lê "falta de preparação para ser alvo das atenções" devia estar "prepotência, sonegação e falsificação da informação", onde se "acha muito estranho a falta de colaboração com profissionais de estatística" devia estar "muitas dúvidas acerca dos métodos estatísticos e manipulação dos dados". Enfim, a verdade está nas entrelinhas.

publicado por portuga-coruche às 07:40
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Abril de 2010

Desaquecimento global

José Reynaldo Bastos da Silva, Celso Dal Ré Carneiro - O Estado de S.Paulo
 

Ao contrário do que propagam, o planeta Terra tem hoje temperatura média de 15º C e está numa era interglacial. Ainda não é possível afirmar quando terá início nova glaciação. Portanto, a Terra está em desaquecimento global... com oscilações.

 

 

O tema do "aquecimento global" aparece com tal frequência na mídia que muitas pessoas creem plenamente na veracidade do fenômeno e na principal causa admitida, a de que o dióxido de carbono o determina. Isso exemplifica como um tema científico não deve ser tratado, porque houve perigosa mistura de interesses políticos, econômicos e sociais, à parte problemas e desafios de conotação essencialmente científica.

Consideremos a complexidade e a variedade de fatores determinantes do clima na Terra.

Há 18 mil anos começaram a diminuir os efeitos severos da última era glacial. Sob clima frio e seco, grandes massas de gelo ocupavam parte expressiva dos continentes no Hemisfério Norte, onde vagavam mamutes e mastodontes. Em fins dessa era, o nível dos oceanos subiu cerca de cem metros. Com o derretimento e diminuição das geleiras, a temperatura média da superfície global aumentou, no máximo, 5° C.

Falaciosos, retóricos ou bombásticos são os temas de aquecimento global atribuídos ao efeito estufa: degelo dos polos, extinção do urso polar, alçamento do nível do mar, inundação de partes das cidades costeiras, variações de frequência e intensidade de eventos climáticos e alterações em regimes regionais de chuvas. Estão em voga porque a velocidade dos fenômenos climáticos é infinitamente mais rápida que a dos fenômenos estritamente geológicos. Enquanto aqueles se sucedem em segundos, estes envolvem, no mínimo, milhares de anos, no caso das glaciações; milhões e até bilhões de anos para mudanças substanciais, como separação e colisão das placas tectônicas que sustentam os atuais continentes.

Quais são as reais causas das variações climáticas na Terra?

A dinâmica climática é controlada por três categorias de fatores: astronômicos, atmosféricos e tectônicos. As causas específicas ainda não estão bem compreendidas, mas já se conhece a periodicidade dos ciclos, da ordem de centenas, milhares e milhões de anos. Informações obtidas da análise de sedimentos profundos e testemunhos de sondagens no gelo polar indicam que os períodos interglaciais são da ordem de 15 mil a 20 mil anos. Vivemos, pois, um desses períodos.

Por mais avançadas que estejam as Geociências, marcadamente as subáreas da Geologia e Geografia, muito ainda existe para pesquisar sobre os fenômenos naturais. As causas do aquecimento/resfriamento global são naturais e podem ser amplificadas por ações antropogênicas, no caso de aquecimento. Dentre as causas conhecidas, a humanidade pode interferir apenas na retenção de calor pela atmosfera. As causas astronômicas e tectônicas estão livres de nossa influência.

A pretensiosa declaração "vamos salvar o planeta!" é contestada por cientistas que estudam climas atuais e antigos. Eles concluíram que há épocas de mudança rápida e global do clima. Se for rápida, isso pode significar catástrofe: "Civilizações floresceram e foram destruídas ao ritmo das pulsações do clima" (Jonathan Weiner, Planeta Terra, 1988, Editora Martins Fontes, página 94).

A Terra não precisa de quem a salve, mas a espécie humana pode desaparecer se continuar a tratar os espaços e recursos naturais da maneira devastadora e irresponsável como o faz.

Não podemos perder de vista que as mudanças climáticas são partes da ciclicidade dos fenômenos geológicos que afetam o planeta todo. O tema tem profundas implicações educacionais e deveria ser abordado no ambiente escolar com dados abrangentes. Em síntese, falta muita Geologia na escola básica, ou geoeducação, como dizem os europeus, mais avançados que nós em lidar com esses temas na escola.

Na escola básica, quando muito, fala-se de processos terrestres como causa de catástrofes naturais como terremotos, tsunamis (ondas gigantes do mar), com suas terríveis consequências. Mostra-se que vulcões se formam na base da crosta e produzem massas incandescentes e explosivas, as lavas, que nós, brasileiros, só observamos pela televisão ou pela internet. No topo da crosta ocorrem catástrofes induzidas pelo homem, como deslizamentos ou escorregamentos de terra em encostas íngremes que jamais deveriam ser habitadas, fato que, infelizmente, se verifica no Brasil. Enchentes e inundações devem-se a fatores como impermeabilização do solo, crescimento urbano acelerado, ausência de planejamento territorial, agravados pela disposição inadequada do lixo.

Já a atmosfera, enigmática desde a mitologia grega, foi considerada vulnerável à revolta dos deuses por civilizações primitivas e alguns observadores incautos atuais. Ela é visível e sensível por todos: quando vai chover? Quando virão tempestades? Camponeses sabem responder, até bem antes das previsões meteorológicas, ao observarem o rumo dos ventos, a umidade do ar ou até o canto dos pássaros.

Não se podem admitir generalizações: nem tudo é "aquecimento global". Ao contrário, muitos geocientistas anunciam a corrente, antagônica, do resfriamento global. Para visualizar melhor as incertezas inerentes ao fenômeno observem como foi rigoroso o último inverno no Hemisfério Norte...

Uma coisa é certa: planejamentos territoriais devem ser feitos com visão holística e equipes multi, inter e transdisciplinares, ou seja, devem envolver geólogos e profissionais de todas as áreas científicas afins. Caso contrário, casas, pontes ou viadutos podem cair. Buracos como o do Metrô Pinheiros continuarão aparecendo e engolindo vidas.

A Terra, nossa Gaia majestosa, é dinâmica e pulsa como um ser vivo. Os geólogos que o digam!

 

GEÓLOGOS, SÃO, RESPECTIVAMENTE, PROFESSOR VISITANTE E DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS APLICADAS AO ENSINO DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNICAMP. E-MAIL: JRBSILVA@IGE.UNICAMP.BR

 

in "Opinião" no Jornal "Estadão"

publicado por portuga-coruche às 18:18
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Março de 2010

Cientista do caso Climategate interrogado no parlamento britânico

 

Phil Jones, director do centro de investigação climática que está no centro do caso Climategate, foi interrogado pela primeira vez no parlamento britânico.Clique para visitar o dossiê Tudo sobre As Alterações Climáticas.  

 

Phil Jones responde às perguntas dos deputados britânicos sobre o caso Climategate na Comissão de Ciência e Tecnologia
Phil Jones responde às perguntas dos deputados britânicos sobre o caso Climategate na Comissão de Ciência e Tecnologia

Phil Jones, o director do centro de investigação climática da Universidade de East Anglia, que está no centro do caso Climategate, foi interrogado pela primeira vez no parlamento britânico.

 

O responsável pela Unidade de Investigação do Clima (CRU) daquela universidade, que está suspenso das suas funções enquanto decorre um inquérito promovido pela instituição, disse aos deputados da Comissão de Ciência que não fez nada de errado, mas admitiu que escreveu "uma série de emails horríveis" na troca de correspondência com outros cientistas.

Recorde-se que, em Novembro de 2009, hackers conseguiram entrar na rede daquela universidade britânica e roubaram mais de mil emails trocados entre cientistas onde se discute a manipulação de dados climáticos para forçar o aquecimento global. Os emails roubados foram colocados na Internet.

Evitar o contraditório


 

Jones confessou também, segundo a BBC News, que o seu centro não fornecia aos cientistas os dados de base, em bruto, recolhidos nas estações meteorológicas, mas apenas os dados finais, para evitar que fossem usados para contrariar as suas descobertas sobre o aquecimento global.

O director da CRU contou ao diário britânico "The Sunday Times", no dia 7 de Fevereiro, que chegou a pensar suicidar-se depois de o caso Climategate ter rebentado, mas esclareceu também que afastou por completo essa ideia da sua cabeça.

A Comissão de Ciência espera divulgar as conclusões do seu inquérito sobre o Climategate antes das eleições legislativas britânicas, previstas para o próximo mês de Junho.

ONU faz inquérito independente ao IPCC


 

Entretanto, a ONU vai encarregar um grupo independente de cientistas de renome mundial para reverem os estudos do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC), que estão na base da tese do aquecimento global de origem humana e das actuais negociações internacionais sobre o clima.

Nick Nuttal, porta-voz do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA), afirmou à agência Reuters que este grupo de cientistas apresentará um relatório final no próximo mês de Agosto que será adoptado no plenário do IPCC a realizar na Coreia do Sul em Outubro.

A decisão foi tomada na sequência de uma reunião dos ministros do Ambiente promovida pelo PNUA a 25 de Fevereiro em Bali, na Indonésia, onde Achim Steiner, director executivo deste programa, salientou que o IPCC estava a enfrentar uma "crise de confiança" junto da opinião pública.

Recentemente, o presidente da Academia Nacional das Ciências dos EUA, Ralph Cicerone, considerou no encontro anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (em San Diego) que os escândalos que rebentaram desde o Climategate, criaram na opinião pública "um sentimento de que os cientistas estão a eliminar os dissidentes, abafando os seus competidores através de conspirações".

Opinião pública quer mais transparência


 

Cicerone explicou que o mundo "entrou numa era em que o público espera mais transparência da parte dos cientistas".

O último relatório do IPCC, que data de 2007, tem gerado polémica nos últimos meses devido à descoberta de diversos erros científicos, como o fim próximo dos glaciares dos Himalaias (2035), a ameaça que paira sobre 40% da floresta amazónica devido às alterações climáticas ou a área da Holanda que está abaixo do nível do mar e em risco de inundação.

O presidente do IPCC - o académico indiano Rajendra Pachauri - e vários cientistas da instituição já vieram a público reconhecer esses erros, que levaram a Índia a criar um painel climático alternativo ao da ONU e um instituto dedicado exclusivamente ao estudo e monitorização dos glaciares dos Himalaias.

 

in Expresso

publicado por portuga-coruche às 07:00
link do post | comentar | favorito

.Citações Diárias

.Visitantes On-line

.Total de Visitas


Consultar Estatisticas

.Janeiro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Aquecimento global: orige...

. A mentira do aquecimento ...

. A mentira do buraco antro...

. Aquecimento global pode s...

. Rui Moura: Uma referência

. O "Aquecimento Global" é ...

. Aquecimento global?

. Continuam a "tapar o sol ...

. Desaquecimento global

. Cientista do caso Climate...

.últ. comentários

Sr José Sá, já confirmou a sua tese? Obrigado
Eu uso os produtos da HerbaLife há anos e são fant...
Tudo é muito aberta e muito clara explicação de qu...
Ė e nāo e pouco....
Subscrevo, já cá temos miséria que nos baste, e ge...
Por ser nutricionista e' que fala assim...
http://www.publico.pt/economia/noticia/herbalife-i...
essa empresa foi vendida a eden , que pelo visto a...
Estou para comprar um carro usado num stand de Sal...
VAI SE FERRAR. .INGERI OS COMPRIMIDOS DE MULTIVITA...

.arquivos

. Janeiro 2016

. Setembro 2015

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

.tags

. abel matos santos

. acidente

. água

. águas do ribatejo

. almeirim

. apanhados

. aquecimento global

. assalto

. autarquia

. benavente

. biscainho

. blogosfera

. bombeiros

. burla

. câmara municipal de coruche

. carina

. cdu

. china

. ciência

. cigana

. ciganos

. clima

. climategate

. cobre

. comboio

. copenhaga

. cortiça

. coruche

. couço

. cp

. crianças

. crime

. criminalidade

. crise

. dai

. david megre

. desaparecida

. desaparecidos

. desemprego

. desporto

. dionísio mendes

. dívida

. douro

. droga

. economia

. edp

. educação

. emigração

. emprego

. energia

. ensino

. escola

. espanha

. etnia

. fajarda

. faleceu

. fascismo

. festas

. finanças

. fmi

. fome

. gnr

. humor

. imperialismo

. impostos

. insólito

. internet

. ipcc

. justiça

. ladrões

. lamarosa

. meteorologia

. mic

. miccoruche

. morte

. música

. phil jones

. pobreza

. política

. pontes

. procura-se

. racismo

. roubo

. santarém

. saúde

. segurança

. sociedade

. sub

. tempo

. ticmais

. toiros

. tourada

. touros

. trabalho

. tráfico

. tribunais

. video

. videos

. violência

. xenofobia

. todas as tags

.links

.Enviem Notícias e Comentários

CONTACTO

greenbit@sapo.pt

.pesquisar

 

.Outro Contador

blogs SAPO

.subscrever feeds